Pular para o conteúdo principal

A relação do jovem com a bebida alcoólica

Por Dra. Karina A. P. Leite Calderoni

De acordo com um levantamento realizado pela Organização Mundial da Saúde, aproximadamente 3% da população brasileira, equivalente a 4 milhões de pessoas, acima de 15 anos é considerada dependente do álcool.
O estudo divulgado em 2014 alerta que cerca de 3,3 milhões de pessoas morreram em 2012 por causa do álcool, o que representa 6% de todas as causas de morte registradas no mundo.
O caso do estudante universitário que faleceu aos 23 anos no interior de São Paulo após uma parada cardíaca, causada por um coma alcoólico depois de beber 25 doses de vodca, nos faz refletir como está a relação do jovem brasileiro com o consumo de bebidas alcóolicas.
A adolescência e a juventude são caracterizadas por traços como: imediatismo, busca por novas sensações, inconsequência, necessidade de quebrar regras e testar limites, ou seja, a fase é um fator de risco para o uso do álcool.
Quanto mais cedo é o início do consumo de bebidas alcoólicas, maiores são as complicações sociais, educacionais e relacionadas à saúde. Estudos têm mostrado que consumo de bebidas na juventude acarreta consequências nas funções executivas, como: memória, atenção e planejamento. É preciso também levar em conta que o cérebro do adolescente ainda está em formação, consequentemente, o uso abusivo de álcool nessa fase influencia no amadurecimento cerebral e cognitivo.
A OMS destaca o Brasil negativamente com a alta taxa de 12,2% da população que bebe grandes quantidades de uma só vez, sendo que a média mundial é de 7,5%. Para a Organização Mundial da Saúde, o consumo de mais de 6 doses em uma única ocasião é considerado abusivo.
É uma característica da adolescência e do início da fase adulta a busca e construção de uma nova identidade, portanto a necessidade de autoafirmação é algo natural desse período. No entanto, alguns jovens associam o uso de álcool a uma ideia de força, de ser adulto, de se destacar perante o grupo social, ou seja, como uma forma de reafirmar essa nova identidade.
A forma como a pessoa enxerga o uso de álcool e seus efeitos influencia o padrão de uso. Os jovens em geral esperam que, ao beber, ficarão mais desinibidos, sociáveis e com maior integração ao grupo. Além disso, a influência dos amigos ou colegas e uma visão positiva dos pais sobre o consumo da bebida alcóolica também influencia o uso dos filhos.
A dificuldade dos pais em colocar limites e regras para seus filhos, o ambiente familiar conflituoso, famílias que pouco conversam, pais que não acolhem ou ouvem as necessidades emocionais dos filhos também são fatores de risco para o uso nocivo de álcool. A sociedade atual tem valorizado aspectos como imediatismo, busca pelo prazer, tendência a quebrar regras, também contribuindo para esse quadro. 
O consumo de bebidas alcóolicas está banalizado, pois em geral, o álcool é visto como fator de integração social entre as pessoas, associado a momentos de prazer e diversão, de fácil acesso, baixo custo e aceito socialmente. No entanto, ao mesmo tempo em que isso ocorre, a visão que se tem das pessoas com problemas relacionados ao álcool, como os dependentes do álcool, é extremamente negativa. Os jovens recebem a mensagem de que é bom e positivo beber, mas não têm a habilidade de medir as consequências negativas que podem ter quando se passa para um uso abusivo.
Adolescentes e jovens adultos com ansiedade, depressão, hiperatividade, personalidade impulsiva, alta busca por novidade e dificuldade de evitar danos têm maior propensão ao uso abusivo de bebidas alcoólicas do que os demais.
O histórico familiar de alcoolismo aumenta a chance da pessoa desenvolver problemas com álcool. Filhos de alcoolistas têm risco 4 a 10 vezes maior de ter esse tipo de problema se comparados com quem não tem histórico familiar de alcoolismo.
A juventude é uma fase de sensações exacerbadas e muito intensa, por isso deve ser bem dirigida e o acompanhamento dos pais é indispensável.
Afinal, a cautela não torna a vida tediosa.


*Dra. Karina A. P. Leite Calderoni é médica psiquiatra, especialista em dependência química e sócia-fundadora da Clínica Sintropia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicologia, Autoconhecimento e Autoestima: O reflexo de tudo

Por Fernanda Valente


No módulo de Psicologia do Desenvolvimento: quadros clínicos, da minha pós em Educação Especial e inclusiva, com a Dra. Patrícia Widmer, aprendi que estamos aqui neste mundo para problematizar as coisas e que o desafio da realidade é sempre diferente dos nossos planos. O que é o desenvolvimento e como ele acontece? Nosso senso comum faz parte da Psicologia. Este senso faz parte do nosso desenvolvimento. A Psicologia faz parte disso tudo. São os conhecimentos acumulado, intuitivo, espontâneo, vida prática, situações do nosso cotidiano que são diferentes do conhecimento cientifico: realidade e abstração. A Psicologia começou com a Filosofia a partir de questões existenciais. Nossa mente está relacionada a nossa psiquê, nossa alma, o inconsciente. Faz parte do cérebro, mas não estamos vendo. Ela está relacionada às nossas fantasias, devaneios, brincadeiras, imaginação, etc. É um conhecimento que acumulamos através das nossas vivências. A Psicologia vai estudar o ser h…

Dedicação e Amor

Por Luiz Augusto da Silva
Quando ainda menino Os estudos iniciava Sempre muito animada Minha avó me incentiva. Fazia tudo com carinho Do fundo do coração  Fortalecida pelo amor Com muita dedicação.  Preparava minha merenda Pãezinhos com goiabada Um prazer muito grande Na sua voz eu notava. Seguia-me ao portão  Até eu virar a esquina Seguindo o meu caminho Para uma escola pequenina. Durante a minha infância  Nunca vi nada igual O seu amor é bondade Transcediam ao natural. Hoje mais uma vez Relembrando o seu amor Com saudades faço votos: Que no seu descanso eterno Hajam hinos de louvor.
Agosto/2008 In Memorian: Henriqueta Maria  da Silva. (avó materna)

Na Medida Certa

Por Luiz Augusto da Silva

Ouça a voz do coração Voa com leveza Prova melhores sabores Sinta perfume das flores Tenha muitos amores Exercita a gratidão Elimina a tristeza Viva com realeza.
23/06/2017