Pular para o conteúdo principal

No dia dos namorados não pode faltar vinho

Para todo casal apaixonado nada melhor do que comemorar o dia dos namorados com um brinde. E para isso, o enólogo francês Gaspar Desurmont destaca características de cada vinho para agradar paladares femininos e masculinos. 
Com toda tradição francesa, o enólogo traz para o Brasil a marca Vinhetica, que está presente nos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul. O projeto é dele e de Jean Pierre Bernard, que desenvolvem um vinho sustentável e de qualidade na Campanha Gaúcha (vinhos tintos rosé) e na serra Gaúcha (vinho espumante). 
Presentear o parceiro com um vinho é a dica. E não pode esquecer de preparar o ambiente à luz de velas. O enólogo Gaspar explica que para as mulheres, o Terroir de Rosé é uma boa pedida. "Sua composição, com 50% de Teroldego e 50% de Merlot tem sabor suave e lhe atribuiu um tom rosado, que nos remete a delicadeza feminina", ressalta. Já para presentear os homens, a dica é o Terroir de Rouge, "um tinto cheio de vitalidade, apoiado por uma boa acidez no final, que na boca, tem bom equelíbrio. No paladar, encontram-se taninos suaves, com uma pitada de pimenta-do-reino. Características essenciais para deixar o namorado ainda mais apaixonado", sugere. 
Pra quem prefere jantar fora, os dois rótulos estão na carta de vinhos de vários restaurantes no Rio de Janeiro e São Paulo. Consulte a lista no site: www.vinhetica.com/onde-encontrar-os-vinhos-da-vinhetica







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma dica de literatura folclórica para as crianças

*Por Thiago Grass

Desde pequeno sempre tive uma relação muito forte com a leitura. Gostava de ir à biblioteca na escola e ouvia muitas histórias dos meus avós. Curiosamente eles estão presentes até hoje nas narrativas que apresento às crianças. Sobretudo, as peripécias do meu avô, quando, por exemplo, ele encontrou com o Lobisomem no meio do mato, ou quando recebeu a visita da Pisadeira enquanto dormia, ou até mesmo quando criança teve que passar por uma estrada de terra abandonada habitada por um ser misterioso de capa vermelha e olhos brilhantes. A minha dica de leitura tem relação com esse universo do folclore, o qual me sinto intimamente ligado.  Livro – O mais Legal do Folclore Autor – Luciana Garcia 1ª edição 2003. Editora Caramelo Imaginem vocês que, num belo dia, O Saci acorda e percebe que perdeu sua touca. Pior, a roubaram! Justo a fonte do seu poder.  Para ajudar a descobrir quem foi, ele pede ajuda do incansável detetive Negrinho do Pastoreio, que encontra qualquer objeto perdido. …

Rainha frutífera

Uma homenagem especial de Luiz, a sua eterna esposa Vera, a rainha do lar, dos corações e frutífera musa de poesias, canções e emoções, entre filhos e suas gerações: 

Vieste a este mundo  Em missão especial  Realizar abençoada  A incumbência divinal.
Ligação umbilical faz a União maternal com  Corações ritmados por  Intervalos musicais, entoarem  A cantiga da vida, com batimentos naturais. Fazendo em um ambiente tranquilo  Executar milagrosamente  Repetidas notas divinais  Retiradas das partituras angelicais que  Estimulam com a arte musical, reger com  Intensa maestria a multiplicação que  Reforça o propósito celestial, enquanto  Aguarda-se o momento ideal.
Depois de nove meses  Abre-se a cortina transparente! 
Surge, surpreendentemente, um  Inocente ser inteligente!  Lindo! Atraente!  Que vem do seu âmago! O Amor em forma de gente.
Mãe! Celeiro da vida! Das gerações!  Tens muito valor! Vieste à esta Terra, com nobreza e esplendor para mostrar e doar: o verdadeiro amor. Diante do certo! Do errado! Na alegria! …

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …