Pular para o conteúdo principal

No dia dos namorados não pode faltar vinho

Para todo casal apaixonado nada melhor do que comemorar o dia dos namorados com um brinde. E para isso, o enólogo francês Gaspar Desurmont destaca características de cada vinho para agradar paladares femininos e masculinos. 
Com toda tradição francesa, o enólogo traz para o Brasil a marca Vinhetica, que está presente nos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul. O projeto é dele e de Jean Pierre Bernard, que desenvolvem um vinho sustentável e de qualidade na Campanha Gaúcha (vinhos tintos rosé) e na serra Gaúcha (vinho espumante). 
Presentear o parceiro com um vinho é a dica. E não pode esquecer de preparar o ambiente à luz de velas. O enólogo Gaspar explica que para as mulheres, o Terroir de Rosé é uma boa pedida. "Sua composição, com 50% de Teroldego e 50% de Merlot tem sabor suave e lhe atribuiu um tom rosado, que nos remete a delicadeza feminina", ressalta. Já para presentear os homens, a dica é o Terroir de Rouge, "um tinto cheio de vitalidade, apoiado por uma boa acidez no final, que na boca, tem bom equelíbrio. No paladar, encontram-se taninos suaves, com uma pitada de pimenta-do-reino. Características essenciais para deixar o namorado ainda mais apaixonado", sugere. 
Pra quem prefere jantar fora, os dois rótulos estão na carta de vinhos de vários restaurantes no Rio de Janeiro e São Paulo. Consulte a lista no site: www.vinhetica.com/onde-encontrar-os-vinhos-da-vinhetica







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filme: A minha canção de Amor

Fernanda Santiago Valente
O roteiro do filme embora pareça um pouco descosturado, apresenta uma fiel mensagem sobre pessoas solitárias que se esbarram com alguma tragédia na vida. Os personagens centrais da história é Jane, uma cantora que ficou paraplégica após um acidente e Joey,  um amigo que conheceu numa clínica psiquiátrica, que apresenta um transtorno mental que pode ser classificado como a esquizofrenia, pois ouve vozes e vê anjos. A história mostra a não aceitação de Jane por estar nessa condição. Joey, embora perturbado, também foi afetado pelo transtorno após perder toda a sua família. Ele não escolheu isso. No entanto, esses dois solitários se atraem perante suas condições. Podemos sim admitir que deprimidos atraem deprimidos. O percorrer da história é todo um incentivo de Joey, que faz de tudo para que Jane volte a cantar e a se encontrar com o seu filho que acabou deixando para trás por falta de trabalho e recursos financeiros. Uma carta escondida de Jane, enviada por seu…

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)

Obra infantil da brasileira Zia Stuhaug levanta a importância da educação e incentivo à leitura nas crianças

A doce obra “A galinha Suruca da Dona Georgina” conta uma história apaixonante e educativa sobre uma galinha da Angola que decide fugir de casa porque não quer ir à escola. Suruca chegou em um navio a vapor. Dona Georgina lhe deu casa, comida e muito amor. A galinha fez novos amigos e estava feliz com a nova vida, mas sua dona queria que ela estudasse e a matriculou na escola. Suruca não gosta nem um pouco disso e foge, mas problemas fazem parte de sua jornada. Será que ela conseguirá encontrar o caminho de volta para casa? Com ilustrações coloridas e atrativas, os pequenos leitores têm a chance de se deliciar com uma trama divertida, e ao mesmo tempo aprender uma lição indispensável: a importância do estudo. “Então, Dona Georgina comprou cadernos, lápis, apontador e um livro de aventura. Colocou tudo em uma mochila e, falando sem parar, entregou-a a Suruca. Dona Georgina não sabia ler nem escrever, mas fazia gosto que Suruca estudasse (p. 22) Zia Stuhaug, autora renomada, usa uma linguag…