Pular para o conteúdo principal

A Educação Proibida

Conheça um pouco mais sobre Kelly Hamiso, autora de Padma

Fernanda Santiago

O livro Padma, da escritora Kelly Hamiso conta a história de Jéssica, uma adolescente de 17 anos, linda, herdeira de uma grande fortuna de família e que faz muito sucesso como modelo fotográfica em Nova York. Ela perdeu o seu pai aos 12 anos, vítima de um assassinato. E por motivo de segurança, sua mãe a mandou para Nova York quando ainda tinha essa idade. Quem cuida dela nesta fase é o chofer da família. Ele, por conta própria acaba direcionando a vida de Jéssica do jeito dele. Ele toma todas as decisões de sua vida. Até que Jéssica resolve visitar a mãe e a avó em São Paulo. Jéssica e sua mãe não têm uma relação muito boa e Jéssica decide ficar alguns dias na casa da avó. E é a partir daí que ocorre todo o clímax da história.
Jéssica conhece novos amigos, se apaixona por Beto, um rapaz totalmente fora dos padrões da sua realidade e descobre que Sérgio, o seu chofer a manipula o tempo todo porque é apaixonado por ela. Ele tem um ciúme obsessivo por Jéssica, mas a avó e os amigos ajudam que ela fuja das garras dele.
A partir desse novo mundo de relacionamentos e liberdade, Jéssica começa a ter uma vida própria. Presa a um sonho, sua missão é descobrir segredos do passado e ensinar o perdão. Um anjo do bem: Gabriel, e um anjo do mal chamado Arimã, estão o tempo todo visitando a consciência de Jéssica e Beto. O amor de Jéssica por Beto é totalmente altruísta, puro, e ela faz de tudo para protegê-lo sempre. Sua amiga Sheila a ajuda nas decifrações de seus sonhos, encaixando todas as peças do passado.
Ao ler o livro, senti raiva em algumas ocasiões. É o tempo todo questionar: Menina, você tem um futuro pela frente! Não merece esse tipo de cara! Pra tomar decisões assim, só pode ser um anjo!
Mas aos poucos vamos entendendo o significado de Padma. Quem vence? O amor ou o poder? A leitura do livro é maravilhosa. Em cada capítulo algo novo aparece. Não dá vontade de parar de ler. E no fim, dar a entender que essa história ainda continua... Indico 1000 vezes, não só para os jovens, mas para todos que amam uma boa leitura. A autora está de Parabéns! Agora, confira um ping-pong com a autora:

Kelly Hamiso nasceu na capital de São Paulo em 7 de setembro de 1978. Desde os treze anis (apesar de achar que foi muito antes disso) adora escrever, criar histórias e personagens, sempre compartilhando suas aventuras e seus amigos imaginários com sua melhor amiga Sheila. Cursou Letras na UNIOFIEO, casou-se aos vinte e três anos e tem um filho, com quem também divide as suas histórias:

Sonhar e Planejar: Quanto tempo demorou para escrever o livro?
Kelly Hamiso: O livro foi escrito em seis meses. Mas a história original foi escrita quando eu tinha 13 anos. Depois, reescrevi com 17 e, em 2013, fiz a última adaptação.

Sonhar e Planejar: A personagem Sheila foi uma homenagem a sua melhor amiga da vida real?
Kelly Hamiso: Com certeza. A Sheila foi minha amiga de infância, de adolescência e é minha amiga hoje. Moramos longe uma da outra, mas é a minha eterna melhor amiga.

Sonhar e Planejar: Você acredita em alguma religião? Se sim, qual?
Kelly Hamiso: Fui criada na religião espírita e católica simultaneamente. Eu frequentava as duas assiduamente. Hoje não sigo nenhuma. Eu estudo as religiões e gosto de tirar o melhor de cada uma. Acredito que todas têm muito a nos ensinar, mas não as considero completas. Acredito em Deus, no bem, em anjos, na harmonia com a natureza e em energias positivas.

Sonhar e Planejar: Senti que o objetivo do personagem Beto era evoluir espiritualmente. Você pretende dar continuidade a história?
Kelly Hamiso: Não. Padma tem uma continuação, mas vou escrever sobre a filha do casal.

Sonhar e Planejar: Na minha interpretação, senti Jéssica como um anjo. Você também?
R. Gostei dessa pergunta. Pra ser bem sincera, você é a primeira pessoa que afirma isso e essa era a minha verdadeira intenção. Eu queria criar uma "linhagem" de anjos, mas não aqueles criados por Deus, mas feito de pessoas tão puras e boas que voltam quase como anjos para ajudar outras pessoas. 

Sonhar e Planejar: Acredita em batalhas espirituais na vida real?
Kelly Hamiso: Não. Eu acredito no sentimento de bem e mal que existe em cada um de nós e eu os materializei em anjos. Na verdade, o Gabriel e o Arimã são os dois pesos na consciência dos personagens, os dois caminhos a seguir. Isso está bem claro quando Sheila vai até a Igreja e fala com Arimã. Ela acredita que naquele templo, ela fortificará o bem que existe nela. Na verdade, ela sente dúvida e é quando o lado mal fala aos ouvidos.

Sonhar e Planejar: Toparia transformar essa história num filme?
Kelly Hamiso: Sim. Sem dúvida nenhuma.

Sonhar e Planejar: O seu foco é escrever para jovens ou pretende escrever para outros públicos?
Kelly Hamiso: Gosto de escrever para jovens, mas estou com um projeto de escrever um livro infantil com meu filho Isaac.

Sonhar e Planejar: Você escreve desde menina. Também escreve poesias? 
Kelly Hamiso: Olha, já tentei muitas vezes, mas não consigo gostar do que escrevo.

Sonhar e Planejar: Como você chegou a fazer parte dos Novos Talentos da Literatura Brasileira?
Kelly Hamiso: Depois de alguns "não" de outras editoras, houve dois "sim" e um deles foi da Editora Novo Século pelo selo Talentos da Literatura Brasileira. Eles me responderam dois dias após o envio do original. Marcamos uma reunião e assinamos contrato


Para saber mais da autora, só conferir o site: www.kellyhamiso.com.br



Título: Padma
Autora: Kelly Hamiso
Editora: Novo Século
Páginas: 511
Ano: 2014
Gênero: Ficção

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez Comportamentos que destroem os melhores casamentos

Por Fernanda Santiago
Casamentos que parecem não ter mais jeito, onde os cônjuges não se respeitam e até que abusam fisicamente um do outro são assuntos abordados no livro Castelo de Cartas, de Gary Chapman. Autor de outros livros como “As cinco linguagens do amor”, “Agora você está falando a minha linguagem“, “A essência das cinco linguagens do amor”, entre outros... Gary explica em Castelo de Cartas as experiências de casais que estavam com os seus casamentos totalmente destruídos pela falta de comunicação, falta de tempo e principalmente falta de respeito, mas que através de conselho e análise pastoral na vida de cada um, pode descobrir o problema e ajudá-los a serem felizes, e principalmente, restaurados pela mudança. O livro relata em todo o momento que devemos abandonar os mitos, aqueles que dizem que o ambiente determina o nosso estado mental. Um exemplo, será que eu não terei jeito se nasci num ambiente violento, ou o qual meus pais fumavam, me abusaram ou me rejeitaram? Ao cont…

Agosto acabou... UFA!

Fernanda Santiago

Nunca fui de acreditar em superstição, mas agosto nunca foi um mês agradável pra mim e nem mesmo para a História: a Primeira Guerra Mundial começou no dia 1º de agosto de 1914, as cidades de Hihoshima e Nagasaki foram atacadas com bombas atômicas nos dias 6 e 9 de agosto de 1945, matando mais de 200 mil pessoas, foi em 2 de agosto de 1934 que Adolf Hitler se tornou Chefe de Estado da Alemanha, entre outros fatos... Não é à toa que é considerado o mês dos desgosto ou da desgraça. A expressão "Mês do Cachorro Louco" tem a ver com com as cadelas que ficam no cio, devido as condições climáticas, os cachorros ficam "muito loucos" e brigam para possuir a fêmea.  E não é só bicho que fica louco: Getúlio Vargas se suicidou no dia 24 de agosto de 1954, muitos católicos e protestantes se mataram em nome de Deus na Irlanda do Norte, em 12 de agosto de 1968, Juscelino Kubitscheck morreu num acidente de carro, em agosto de 1976... Aqui em Santos, caiu um avião, qu…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …