Pular para o conteúdo principal

Xico Sá fala sobre a crônica de costumes no SescTV

O escritor e jornalista aborda o tema no dia 2/11, segunda, às 21h

 

Xico Sá. Still: Stéfanie Saramago
O escritor e jornalista Francisco Reginaldo de Sá Menezes, ou Xico Sá como é conhecido, traça um panorama sobre a crônica de costumes, gênero literário que aborda temas do cotidiano, no episódio Crônica e Costumes e os Costumes da Crônica, da série Super Libris.  Com direção geral do escritor, cineasta e jornalista José Roberto Torero, o programa vai ao ar no dia 2/11, segunda, às 21h, no SescTV.

“Talvez seja uma maneira vagabunda que eu encontrei de tentar dar conta do que se passa”, revela o cearense, da cidade de Crato, Xico Sá ao definir o seu estilo literário. Ele expõe que os teóricos têm os espanhóis como referência da crônica de costumes, e praticamente cem por cento dos textos de Machado de Assis (1839 – 1908) são desse gênero literário.

Sá acredita que a crônica de costumes sempre foi tratada como um subgênero da crônica, e por isso não foi levada a sério pelo Movimento Modernista no início do século 20. “O Modernismo mexe no geral, mas ela (crônica de costumes) continua com a mesma pegada de sempre”, afirma. Para ele, nem os próprios cronistas se preocupavam com seus textos.

Sobre a crônica de blog, Sá a vê como uma forma mais rápida de se comunicar do que pela impressa. “Mas é a mesma crônica de Machado de Assis, de cem anos, ou do João do Rio (1881 – 1921)”, explica. Já ao ser indagado se o gênero crônica nasceu no Rio de Janeiro, Sá diz que sim, e explica que foi a crônica impressa em jornais cariocas dos anos 1950 e 1960 que deve ter marcado o que é crônica e o que é ser cronista.

Sá também comenta sobre o gosto das pessoas por crônicas nos jornais; sobre os seus personagens, se são reais ou inventados; sobre a relação entre o cronista e o leitor; sobre como é escrever um dos gêneros mais populares do País; e sobre o espaço que a crônica ocupa entre o jornalismo e a literatura.
O escritor ainda participa do quadro Pé de Página, em que fala sobre onde costuma escrever, como e por que o faz, e do Primeira impressão, no qual sugere o livro O Amor Acaba, de Paulo Mendes Campos.Além desses, o episódio apresenta os quadros: Orelhas, sobre os escritores Machado de Assis e Eça de Queiróz (1845 – 1900); Prefácio, com a pesquisadora do Laboratório de Educação Sandra Medrano, que indica o livro Comédia para se Ler na Escola, de Luís Fernando Veríssimo; Quarta Capa, no qual a internauta Patrícia Pirota fala sobre a obra Crônicas Escolhidas, de Machado de Assis; e Pitolomeus, que mostra a Biblioteca Livre Pote de Mel, que fica na Padaria de mesmo nome, no centro de Curitiba – PR.
Portal
Super Libris conta com um portal na internet, o superlibris.sesctv.org.br, que disponibiliza todos os episódios da série; as 52 entrevistas com autores; e todos os quadros, já editados separadamente para facilitar a consulta.


SERVIÇO:


Super Libris
Crônica e Costumes e os Costumes da Crônica
Estreia: 2/11, segunda, às 21h
Reapresentações: 3/11, terça, às 9h e às 17h; 4/11, quarta, às 12h30; 5/11, quinta, às 15h; 6/11, sexta, às 9h30 e às 17h30; 7/11, sábado, às 23h30; 8/11, domingo, às 6h e às 14h30; 9/11, segunda, às 16h.
Classificação indicativa: Livre
Direção Geral : José Roberto Torero
Produção: Padaria de Textos
Duração: 52’

Próximos episódios de novembro:

A Epopeia Nossa de Cada Dia
O episódio investiga o que é epopeia desde a Grécia antiga até nossos dias; entrevista o escritor baiano Antônio Torres; traz exemplos de obras como Game of Thrones Os Sertões, além de indicar leituras do gênero para adultos e crianças.
9/11, segunda, 21h
Classificação indicativa: Livre

Quem Experimenta Põe Pimenta
A produção discute o que é a literatura experimental, com depoimento do artista plástico, escritor e videomaker paulistano Nuno Ramos.
16/11, segunda, 21h
Classificação indicativa: Livre

Literatura e Mercado, Amigos ou Inimigos?
O episódio aborda as convergências e divergências existentes entre a literatura e o mercado literário, e entrevista o jornalista, editor e escritor Paulo Roberto Pires.
23/11, segunda, 21h
Classificação indicativa: Livre

Diálogos, Triálogos e Poliálogos
O jornalista, escritor e roteirista Marçal Aquino analisa a importância dos diálogos na literatura, aponta alguns criadores de diálogos potentes como Shakespeare e Nelson Rodrigues e indica leituras com esse viés.
30/11, segunda, 21h
Classificação indicativa:

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filme: A minha canção de Amor

Fernanda Santiago Valente
O roteiro do filme embora pareça um pouco descosturado, apresenta uma fiel mensagem sobre pessoas solitárias que se esbarram com alguma tragédia na vida. Os personagens centrais da história é Jane, uma cantora que ficou paraplégica após um acidente e Joey,  um amigo que conheceu numa clínica psiquiátrica, que apresenta um transtorno mental que pode ser classificado como a esquizofrenia, pois ouve vozes e vê anjos. A história mostra a não aceitação de Jane por estar nessa condição. Joey, embora perturbado, também foi afetado pelo transtorno após perder toda a sua família. Ele não escolheu isso. No entanto, esses dois solitários se atraem perante suas condições. Podemos sim admitir que deprimidos atraem deprimidos. O percorrer da história é todo um incentivo de Joey, que faz de tudo para que Jane volte a cantar e a se encontrar com o seu filho que acabou deixando para trás por falta de trabalho e recursos financeiros. Uma carta escondida de Jane, enviada por seu…

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)

Obra infantil da brasileira Zia Stuhaug levanta a importância da educação e incentivo à leitura nas crianças

A doce obra “A galinha Suruca da Dona Georgina” conta uma história apaixonante e educativa sobre uma galinha da Angola que decide fugir de casa porque não quer ir à escola. Suruca chegou em um navio a vapor. Dona Georgina lhe deu casa, comida e muito amor. A galinha fez novos amigos e estava feliz com a nova vida, mas sua dona queria que ela estudasse e a matriculou na escola. Suruca não gosta nem um pouco disso e foge, mas problemas fazem parte de sua jornada. Será que ela conseguirá encontrar o caminho de volta para casa? Com ilustrações coloridas e atrativas, os pequenos leitores têm a chance de se deliciar com uma trama divertida, e ao mesmo tempo aprender uma lição indispensável: a importância do estudo. “Então, Dona Georgina comprou cadernos, lápis, apontador e um livro de aventura. Colocou tudo em uma mochila e, falando sem parar, entregou-a a Suruca. Dona Georgina não sabia ler nem escrever, mas fazia gosto que Suruca estudasse (p. 22) Zia Stuhaug, autora renomada, usa uma linguag…