Pular para o conteúdo principal

Xico Sá fala sobre a crônica de costumes no SescTV

O escritor e jornalista aborda o tema no dia 2/11, segunda, às 21h

 

Xico Sá. Still: Stéfanie Saramago
O escritor e jornalista Francisco Reginaldo de Sá Menezes, ou Xico Sá como é conhecido, traça um panorama sobre a crônica de costumes, gênero literário que aborda temas do cotidiano, no episódio Crônica e Costumes e os Costumes da Crônica, da série Super Libris.  Com direção geral do escritor, cineasta e jornalista José Roberto Torero, o programa vai ao ar no dia 2/11, segunda, às 21h, no SescTV.

“Talvez seja uma maneira vagabunda que eu encontrei de tentar dar conta do que se passa”, revela o cearense, da cidade de Crato, Xico Sá ao definir o seu estilo literário. Ele expõe que os teóricos têm os espanhóis como referência da crônica de costumes, e praticamente cem por cento dos textos de Machado de Assis (1839 – 1908) são desse gênero literário.

Sá acredita que a crônica de costumes sempre foi tratada como um subgênero da crônica, e por isso não foi levada a sério pelo Movimento Modernista no início do século 20. “O Modernismo mexe no geral, mas ela (crônica de costumes) continua com a mesma pegada de sempre”, afirma. Para ele, nem os próprios cronistas se preocupavam com seus textos.

Sobre a crônica de blog, Sá a vê como uma forma mais rápida de se comunicar do que pela impressa. “Mas é a mesma crônica de Machado de Assis, de cem anos, ou do João do Rio (1881 – 1921)”, explica. Já ao ser indagado se o gênero crônica nasceu no Rio de Janeiro, Sá diz que sim, e explica que foi a crônica impressa em jornais cariocas dos anos 1950 e 1960 que deve ter marcado o que é crônica e o que é ser cronista.

Sá também comenta sobre o gosto das pessoas por crônicas nos jornais; sobre os seus personagens, se são reais ou inventados; sobre a relação entre o cronista e o leitor; sobre como é escrever um dos gêneros mais populares do País; e sobre o espaço que a crônica ocupa entre o jornalismo e a literatura.
O escritor ainda participa do quadro Pé de Página, em que fala sobre onde costuma escrever, como e por que o faz, e do Primeira impressão, no qual sugere o livro O Amor Acaba, de Paulo Mendes Campos.Além desses, o episódio apresenta os quadros: Orelhas, sobre os escritores Machado de Assis e Eça de Queiróz (1845 – 1900); Prefácio, com a pesquisadora do Laboratório de Educação Sandra Medrano, que indica o livro Comédia para se Ler na Escola, de Luís Fernando Veríssimo; Quarta Capa, no qual a internauta Patrícia Pirota fala sobre a obra Crônicas Escolhidas, de Machado de Assis; e Pitolomeus, que mostra a Biblioteca Livre Pote de Mel, que fica na Padaria de mesmo nome, no centro de Curitiba – PR.
Portal
Super Libris conta com um portal na internet, o superlibris.sesctv.org.br, que disponibiliza todos os episódios da série; as 52 entrevistas com autores; e todos os quadros, já editados separadamente para facilitar a consulta.


SERVIÇO:


Super Libris
Crônica e Costumes e os Costumes da Crônica
Estreia: 2/11, segunda, às 21h
Reapresentações: 3/11, terça, às 9h e às 17h; 4/11, quarta, às 12h30; 5/11, quinta, às 15h; 6/11, sexta, às 9h30 e às 17h30; 7/11, sábado, às 23h30; 8/11, domingo, às 6h e às 14h30; 9/11, segunda, às 16h.
Classificação indicativa: Livre
Direção Geral : José Roberto Torero
Produção: Padaria de Textos
Duração: 52’

Próximos episódios de novembro:

A Epopeia Nossa de Cada Dia
O episódio investiga o que é epopeia desde a Grécia antiga até nossos dias; entrevista o escritor baiano Antônio Torres; traz exemplos de obras como Game of Thrones Os Sertões, além de indicar leituras do gênero para adultos e crianças.
9/11, segunda, 21h
Classificação indicativa: Livre

Quem Experimenta Põe Pimenta
A produção discute o que é a literatura experimental, com depoimento do artista plástico, escritor e videomaker paulistano Nuno Ramos.
16/11, segunda, 21h
Classificação indicativa: Livre

Literatura e Mercado, Amigos ou Inimigos?
O episódio aborda as convergências e divergências existentes entre a literatura e o mercado literário, e entrevista o jornalista, editor e escritor Paulo Roberto Pires.
23/11, segunda, 21h
Classificação indicativa: Livre

Diálogos, Triálogos e Poliálogos
O jornalista, escritor e roteirista Marçal Aquino analisa a importância dos diálogos na literatura, aponta alguns criadores de diálogos potentes como Shakespeare e Nelson Rodrigues e indica leituras com esse viés.
30/11, segunda, 21h
Classificação indicativa:

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma dica de literatura folclórica para as crianças

*Por Thiago Grass

Desde pequeno sempre tive uma relação muito forte com a leitura. Gostava de ir à biblioteca na escola e ouvia muitas histórias dos meus avós. Curiosamente eles estão presentes até hoje nas narrativas que apresento às crianças. Sobretudo, as peripécias do meu avô, quando, por exemplo, ele encontrou com o Lobisomem no meio do mato, ou quando recebeu a visita da Pisadeira enquanto dormia, ou até mesmo quando criança teve que passar por uma estrada de terra abandonada habitada por um ser misterioso de capa vermelha e olhos brilhantes. A minha dica de leitura tem relação com esse universo do folclore, o qual me sinto intimamente ligado.  Livro – O mais Legal do Folclore Autor – Luciana Garcia 1ª edição 2003. Editora Caramelo Imaginem vocês que, num belo dia, O Saci acorda e percebe que perdeu sua touca. Pior, a roubaram! Justo a fonte do seu poder.  Para ajudar a descobrir quem foi, ele pede ajuda do incansável detetive Negrinho do Pastoreio, que encontra qualquer objeto perdido. …

Rainha frutífera

Uma homenagem especial de Luiz, a sua eterna esposa Vera, a rainha do lar, dos corações e frutífera musa de poesias, canções e emoções, entre filhos e suas gerações: 

Vieste a este mundo  Em missão especial  Realizar abençoada  A incumbência divinal.
Ligação umbilical faz a União maternal com  Corações ritmados por  Intervalos musicais, entoarem  A cantiga da vida, com batimentos naturais. Fazendo em um ambiente tranquilo  Executar milagrosamente  Repetidas notas divinais  Retiradas das partituras angelicais que  Estimulam com a arte musical, reger com  Intensa maestria a multiplicação que  Reforça o propósito celestial, enquanto  Aguarda-se o momento ideal.
Depois de nove meses  Abre-se a cortina transparente! 
Surge, surpreendentemente, um  Inocente ser inteligente!  Lindo! Atraente!  Que vem do seu âmago! O Amor em forma de gente.
Mãe! Celeiro da vida! Das gerações!  Tens muito valor! Vieste à esta Terra, com nobreza e esplendor para mostrar e doar: o verdadeiro amor. Diante do certo! Do errado! Na alegria! …

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …