Pular para o conteúdo principal

Café Natalino: uma deliciosa receita para a ceia

O Natal está chegando! E, para enriquecer a ceia, a Melitta preparou o Café Natalino, uma receita deliciosa para oferecer aos convidados o máximo prazer do café. Combinação de chocolate branco, cravo-da-índia, casca de laranja e café. A cobertura é de essência de baunilha e creme de leite fresco. Para finalizar a bebida em grande estilo, cerejas em calda. Confira!
Ingredientes
1 tablete de chocolate branco (150 g)
2 xícaras (chá) de leite
2 colheres (sopa) cheias de açúcar
1 pau de canela pequeno
2 cravos-da-índia
1 colher (café) de essência de baunilha
1 pedaço pequeno de casca de laranja
2 xícaras (chá) de Café Melitta em infusão
½ xícara (chá) de gelo

Cobertura
½ xícara (chá) de creme de leite fresco
2 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (café) de essência de baunilha
4 cerejas em calda

Modo de preparo
Coloque o chocolate em pedaços, o leite, o açúcar, a canela, os cravos-da-índia, a essência de baunilha e a casca de laranja em uma panela e leve ao fogo baixo até ferver. Retire e espere esfriar. Coe e bata no liquidificador com o Café Melitta e o gelo. Coloque em copos altos e enfeite.
Para enfeitar, bata o creme de leite fresco com o açúcar e a essência de baunilha até obter um creme firme. Distribua o creme no centro do copo, enfeite com a cereja e sirva.
Rendimento: 4 porções
Tempo de preparo: 30 minutos
Calorias:  380 a porção
Proteínas: 7,3
Carboidratos: 40,4
Gorduras: 21,3
Fibras: 0 g
Sódio: 17,5
 SIM – Serviço de Informação Melitta
 0800 140203

Sobre a Melitta
A Melitta é uma companhia que desenvolve produtos que ofereçam aos consumidores o máximo do prazer do café. A empresa oferece em seu portfólio café Melitta, filtros e acessórios, Wake e a marca de café Bom Jesus. Multinacional alemã, a Melitta foi fundada em 1908, em Dresden, por Melitta Bentz, criadora do primeiro filtro de papel para coar café. Hoje, presente em 60 países, o Grupo Melitta tem no Brasil o 2º maior mercado. Para mais informações, visite www.melitta.com.br. Siga-nos no Instagram @melittabrasil e curta a fan page www.facebook.com/MelittaBrasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …