Pular para o conteúdo principal

O Teatro na Literatura é tema de episódio da série “Super Libris”



A questão é analisada pela dramaturga Renata Pallottini, no dia 25/7, segunda, às 21h, no SescTV
Foto: Piu Dip.

A série Super Libris apresenta o episódio Teatro é Literatura?, com a dramaturga e tradutora Renata Pallottini, que discute se o teatro faz parte da literatura. Com direção do escritor, cineasta e jornalista José Roberto Torero, o programa será exibido no dia 25/7, segunda, às 21h, e pode ser assistido também em sesctv.org.br/avivo.
Renata diz que as peças teatrais estão inseridas na literatura mundial e conceitua o que pensa sobre essa arte. “Teatro é uma forma de literatura escrita, que promove um ponto de partida, um roteiro inicial” comenta. Ela expõe que no teatro, o ator pode inventar e movimentar o roteiro inicial e que algumas peças são boas para serem lidas, como as do dramaturgo William Shakespeare e as tragédias gregas, e outras dependem de encenação, do espetáculo e da presença dos atores, como é o caso das peças do dramaturgo alemão Bertholt Brecht.
Segundo Renata, muitos autores não pensavam que suas peças se tornariam literatura, mas, com o passar do tempo, diversos deles notaram que poderiam ter suas obras “eternizadas” em livros, resultando em literatura. “Eles começaram a perceber, inclusive, que poderiam ser transformadas em documentos de uma evolução do teatro”, afirma. A dramaturga conclui dizendo que não há efemeridade no teatro. “Morre o espetáculo, mas não morre o texto”.
 Renata participa ainda dos quadros Pé de Página, no qual responde sobre onde, como e porque escreve, e do Primeira Impressão, em que sugere o livro Hamlet, de William Shakespeare. O episódio traz também os quadros: Orelhas, sobre o dramaturgo Dario Fo, da Itália, e William Shakespeare, da Inglaterra; Prefácio, com a documentarista e jornalista Gabriela Romeu, que indica as obras de Karen Acioly; Quarta Capa, com a vogler Juliana Gervason, do blog O Batom de Clarice, que comenta sobre o livro O Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna; e Ptolomeus, com a diretora de teatro Lígia Cortez, que fala sobre a Biblioteca Raul Cortez, localizada na capital paulista, especializada em teatro e na literatura teatral.

Portal
Super Libris conta com um portal na internet, o superlibris.sesctv.org.br, que disponibiliza todos os episódios da série; as 52 entrevistas com autores; e todos os quadros, já editados separadamente para facilitar a consulta.

Sobre a série Super Libris:
Com o objetivo de mergulhar no mundo da literatura, a série, formada por 52 episódios de 26 minutos cada, entrevista 52 escritores e apresenta curiosidades presentes no processo de criação de livros. Cada programa é formado por pequenos quadros com diversos assuntos relativos ao universo literário, e traz narração do ator José Rubens Xaxá. Entre os escritores entrevistados estão Ruy Castro, Luis Fernando Verissimo, Ruth Rocha, Ignácio de Loyola Brandão, Ferréz, Antonio Prata, Thalita Rebouças e Xico Sá.

Sobre o SescTV:
SescTV é um canal de difusão cultural do Sesc em São Paulo, distribuído gratuitamente, que tem como missão ampliar a ação do Sesc para todo o Brasil. Sua grade de programação é permeada por espetáculos, documentários, filmes e entrevistas. As atrações apresentam shows gravados ao vivo com artistas da música e da dança. Documentários sobre artes visuais, teatro e sociedade abordam nomes, fatos e ideias da cultura brasileira. Ciclos temáticos de filmes e programas de entrevistas sobre literatura, cinema e outras artes também estão presentes na programação.

SERVIÇO:

Super Libris
Teatro é Literatura?
Estreia: 25/7, segunda, às 21h
Reapresentações: 26/7, terça, às 9h e às 17h; 28/7, quinta, às 15h; 29/7, sexta, às 9h30 e às 17h30, 31/7, domingo, às 6h
Classificação indicativa: Livre
Direção Geral: José Roberto Torero
Produção: Padaria de Textos
Duração: 27’26’’

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…