Pular para o conteúdo principal

“Literatura de desbunde” é tema de episódio inédito da série ‘Super Libris’

Foto: Piu Dip
O que foi e o que seria “literatura de desbunde”? Ela ainda existe? Essas e outras perguntas são discutidas pelo escritor, jornalista e roteirista gaúcho Luiz Carlos Maciel no episódio inédito Letras Desbundadas, da série Super Libris. O autor aborda o tema no dia 29/8, segunda, às 21h, no SescTV (assista também em sesctv.org.br/avivo), com direção do escritor, cineasta e jornalista José Roberto Torero.

Nascido em Porto Alegre – RS, em 1938, Maciel ficou conhecido como o “guru da contracultura brasileira” no final dos anos de 1960 e início dos 1970, quando escrevia sobre movimentos alternativos culturais para a coluna Underground, do jornal O Pasquim, que ajudou a fundar. O escritor lembra que naquele período muitas pessoas descobriram a “literatura de desbunde”, cuja principal característica era não seguir normas literárias estabelecidas pela sociedade, era completamente livre. “Quando eu descobri que existia a liberdade, eu fiquei encantado”, expõe.

O escritor conta que a “literatura de desbunde” nasceu do Beat Generation, movimento literário surgido nos Estados Unidos no final da década de 1950 e início da de 1960 e deu origem ao movimento hippie. Maciel menciona o escritor norte-americano Jack Kerouac (1922 – 1969) como um dos ícones desse tipo de texto. No Brasil, ele cita o livro PanAmérica (1967), de José Agrippino de Paula, como obra tipicamente “de desbunde”. 

Além disso, Maciel comenta sobre o uso de drogas, como o álcool, por alguns escritores; sobre o consumo dessas substâncias ter ajudado ou atrapalhado a escrita no período do movimento da contracultura; e sobre o que restou da “literatura de desbunde” e sua importância nos dias de hoje.

O escritor participa também dos quadros Pé de Página, no qual responde sobre onde, como e porque escreve, e do Primeira Impressão, em que sugere o livro de ficção Valis, do norte-americano Philip K. Dick. O episódio traz ainda os quadros: Orelhas, sobre os escritores alemães Hermann Hesse e Charles Bukowski, este viveu e morreu nos Estados Unidos; Prefácio, com Dolores Prades, consultora editorial na área de literatura para crianças e jovens, que indica o livro Juca e Chico – História de Dois Meninos em Sete Travessuras, do também alemão Wilhelm Busch; Quarta Capa, com a vlogger Amanda Azevedo, do blog Lendo e Comentando, que fala sobre o livro Misto Quente, de Charles Bukowski; e Ptolomeus, sobre a Mototeca e Bicicloteca, projeto social que tem como objetivo estimular a leitura de motoboys, situado no bairro de Pinheiros, na capital paulista.

O superlibris.sesctv.org.br, que disponibiliza todos os episódios da série; as 52 entrevistas com autores; e todos os quadros, já editados separadamente para facilitar a consulta.

SERVIÇO:

Super Libris
Letras Desbundadas
Estreia: 29/8, segunda, às 21h
Reapresentações: 30/8, terça, às 9h e às 17h; 1/9, quinta, às 15h; 2/9, sexta, às 9h30 e às 17h30, 4/9, domingo, às 6h e às 14h30; e 5/9, segunda, às 16h.
Classificação indicativa: 12 anos
Direção Geral: José Roberto Torero
Produção: Padaria de Textos
Duração: 27’21’’

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seres Especiais

Por Luiz Augusto da Silva

Devemos sempre insistir na busca dos ideais. Perseverar sem cansaço, até às metas finais. Recorrermos aos meios, humanos e materiais. Confiantes no apoio, dos Seres Especiais. Sermos sempre otimistas, acreditando nas forças divinas. Fortalecidos pelo altruísmo, impulsos que reanimam. Felizmente neste mundo, os amigos aparecem. Aumentam as energias, que aos idealistas fortalecem. Agosto /2008 (Modificado)

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…