Pular para o conteúdo principal

Ruth Rocha discute a reinvenção de histórias para crianças

Foto: Piu Dip.
No mês em que o Sesc completa 70 anos, o SescTV apresenta Era Outra Vez, episódio inédito da série Super Libris, que traz a escritora paulistana Ruth Rocha para discutir sobre a tendência, na literatura infantil, de reinventar as histórias para crianças. A atração vai ao no dia 19/9, segunda, às 21h (assista também em sesctv.org.br/avivo), com direção do escritor e cineasta José Roberto Torero.


Membro da Academia Paulista de Letras desde 2008, ocupando a cadeira 38, Ruth se dedica a escrever livros infantis, tem mais de 200 títulos lançados e publicações em 25 idiomas. Dentre suas obras está Marcelo, Marmelo, Martelo, que alcançou mais de um milhão de exemplares vendidas. 



Para Ruth, a expressão ‘Era uma vez’ é uma espécie de fórmula que leva o leitor para um tempo mágico, imaginário e antigo e, atualmente, virou ‘Era outra vez’ porque a história está sendo recontada. “Mas essa recontação é a criança que exige, a criança gosta muito de repetição”, comenta.



Ao analisar a forma como as fábulas e contos de fadas são escritos, Ruth diz que a primeira tem uma preocupação com a moral e a ética, e a segunda, com questões de amadurecimento e desenvolvimento. Já sobre o final dessas narrativas, ela é a favor de que ele seja feliz porque acredita que a esperança deve estar presente em tudo na infância: “eu escrevo histórias e paro antes que as coisas de compliquem”.



Ruth fala ainda sobre a sabedoria humana que permeia os contos de fada e faz com que ultrapassem épocas; sobre textos politicamente corretos exigidos por editoras quando a obra é vendida para o governo; sobre a importância dos pais lerem para os filhos; e sobre a sua preocupação quando vai escrever.

Confira na íntegra:http://superlibris.sesctv.org.br/episodios/era-outra-vez
 




A escritora participa também dos quadros Pé de Página, no qual responde sobre onde, como e porque escreve, e do Primeira Impressão, em que sugere cinco livros escritos por Monteiro Lobato, que recontam histórias: Contos de Grimm; Fábulas; Histórias de Tia Anastácia; Alice no País das Maravilhas; e Peter Pan. O episódio traz ainda os quadros: Orelhas, sobre o escritor cubano Italo Calvino e o italiano Dante Alighieri; Prefácio, com Gabriela Romeu, jornalista e documentarista especializada em infância, que indica o livro Chapeuzinho Amarelo, de Chico Buarque; Quarta Capa, com o vlogger Mariana Gastal, que fala sobre o livro Poseidon, de Anna Branks; e Ptolomeus, sobre a Biblioteca Hans Christian Andersen, temática em contos de fadas.

SERVIÇO:
Super Libris
Era Outra Vez
Estreia: 19/9, segunda, às 21h
Reapresentações: 20/9, terça, às 9h e às 17h; 22/9, quinta, às 15h; 23/9, sexta, às 9h30 e às 17h30, 25/9, domingo, às 6h e às 14h30; e 26/9, segunda, às 16h
Classificação indicativa: Livre
Direção Geral: José Roberto Torero
Produção: Padaria de Textos
Duração: 25’16’’

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os benefícios da caminhada

Fernanda Santiago
Existem inúmeras atividades físicas, mas a caminhada tem a menor taxa de abandono de todos eles. É simples e a mudança positiva que você pode fazer para efetivamente melhorar sua saúde cardíaca. Praticar a caminhada por pelo menos 30 minutos por dia pode ajudá-lo: Reduzir o risco de doença cardíaca coronáriaMelhorar a pressão arterial e os níveis de açúcar no sangueMelhorar o perfil lipídico no sangueManter o peso corporal e diminuir o risco de obesidadeMelhorar o bem estar mentalReduzir o risco de osteoporoseReduzir o risco de câncer de mama e de cólonReduzir o risco de não insulino-dependente (tipo 2) diabetes

São muitos benefícios para uma atividade tão simples. Se você mora perto da praia, melhor ainda. Se não tem uma praia próxima, procure um parque.  Caminhe, respire fundo e aprecie tudo ao redor. O corpo agradece!

Terminou a folia!

Terminou a folia;  não tirei a fantasia;  só transmito alegria; nada de melancolia. Sou Palhaço! Meus nervos são de aço. com meus versos,  meus sentimentos disfarço.  Sou Palhaço! Com nariz avermelhado; sapato pontiagudo; roupa colorida: No picadeiro,  a platéia alegro;  não iludo - convenço. Assim, conduzo a vida sem perder o compasso... Sou Palhaço! Sou Palhaço! 
13/02/2018 Luiz Augusto da Silva Olimpia - São Paulo

A tradicional sopa de cebola francesa

Fernanda Santiago Valente Quem é que não gosta de uma sopa no tempo frio? Aqui no Brasil, muitos recomendam a sopa de cebola para quem está com dor de garganta ou gripado. Eu vou além. Amo todos os tipos de cremes e sopas, mas a de cebola tem um sabor especial. A sopa tradicional da cozinha parisiense merece toda a atenção.Algumas lendas da França afirmam que a sopa de cebola foi inventada por Louis XV, quando passavam por uma crise. Ele só tinha cebolas, manteiga e champanhe como alimentos, assim como toda a população de baixa renda. A receita ganhou novos temperos ao decorrer dos anos e conseguiu conquistar todo o mundo, principalmente nós brasileiros, pois amamos nos deliciar com uma sopinha nos períodos frios, não é mesmo? Ainda nas tradições parisienses, a sopa serve para alimentar também as emoções do dia do tão sonhado casamento. Eles tem o hábito de consumir a sopa após a festa. Isso se repete também em grandes eventos. Se por acaso acordarem de ressaca, também consomem a sopa,…