Pular para o conteúdo principal

Mesclando soul e funk dos anos 1970, Black Mantra é atração no SescTV

Dois programas com a banda vão ao ar no dia 29/1, domingo, a partir das 21h

Foto: Piu Dip.

Banda paulistana Black Mantra participa de dois programas inéditos no SescTV. O primeiro, um documentário da série Passagem de Som, conta como surgiu o grupo e registra o encontro dos integrantes com o cantor e compositor Di Melo e com o cineasta Jeferson De. O segundo, show da série Instrumental Sesc Brasil apresenta o repertório da banda com influências do funk e do soul dos anos 1970. Com direção geral Max Alvim, as produções estreiam no dia 29/1, domingo, às 21h (Assista também em sesctv.org.br/aovivo).

Composta por nove músicos, a Black Mantra surgiu depois que foi convidada para fazer a trilha sonora do curta-metragem Muito, Além do Nada, dirigido por Marcelo Terreiro. O baterista Leonardo Marques - que junto com o baixista Caio Leite idealizou a banda, - explica que havia muitas referências do Blaxploitation (movimento cinematográfico norte-americano criado no início dos anos 1970 com o objetivo de tirar os negros dos papeis coadjuvantes) na trilha, e músicos como James Brown e Isaac Hayes serviram de inspiração. “Daí veio a ideia de fazermos as releituras, estudar realmente J.B.’s, Curtis Myfield, Stivie Wonder”, comenta Marques.

No Passagem de Som, o grupo se encontra com o pernambucano Di Melo, que teve reconhecimento musical em 1975, ao gravar seu primeiro disco, com as composições Kilanô e A Vida em seus Métodos Diz Calma. Após seu sucesso inicial, Melo sumiu das paradas musicais e só reapareceu 36 anos depois, quando lançou seu segundo álbum, em 2016. O encontro entre Black Mantra e o artista, com quem já dividiu palcos, é registrado no documentário.

A produção também mostra um bate-papo entre integrantes da banda e Jeferson De, cineasta, militante da causa negra e criador do manifesto Dogma Feijoada, um estudo histórico sobre a imagem dos negros difundida pelo cinema brasileiro. O diretor fala sobre sua ligação com música e parceria com uma gravadora, onde iniciou sua carreira como cineasta. “O primeiro curta profissional que eu fiz chama-se Distraída para a Morte, e foi inspirado em uma música do cantor Otto”, conta.

O documentário acompanha, ainda, o ensaio da banda Black Mantra para a série Instrumental Sesc Brasil, exibida na sequência. No repertório, composições próprias com raiz no soul e no funk dos anos 1970, inspiradas em nomes que trilharam o Blaxploitation, como Marvin Gaye, James Brown e Isaac Mayes.

Formação da Black Mantras:
Caio Leite – baixo
Leonardo Marques – bateria
Kiko Bonato – hammond e piano
Marcos Guarujá – percussão
Igor Thomaz – saxofone barítono
Pedro Vithor – saxofone tenor
William Tocalino – trombone
Felipe Pipeta - trompete
Ricardo Mastria - guitarra

SERVIÇO:

Passagem de Som / Instrumental Sesc Brasil

Deltas
Estreia: 29/1, domingo, a partir das 21h
Direção geral: Max Alvim
Reapresentações: 30/1, segunda, às 16h30; 31/1, terça, às 9h30; 1/2, quinta, às 13h; e 4/2, sábado, às 14h.
Classificação indicativa: Livre
Produção: Canal Independente
Direção Geral: Max Alvim

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...