Pular para o conteúdo principal

Mesclando soul e funk dos anos 1970, Black Mantra é atração no SescTV

Dois programas com a banda vão ao ar no dia 29/1, domingo, a partir das 21h

Foto: Piu Dip.

Banda paulistana Black Mantra participa de dois programas inéditos no SescTV. O primeiro, um documentário da série Passagem de Som, conta como surgiu o grupo e registra o encontro dos integrantes com o cantor e compositor Di Melo e com o cineasta Jeferson De. O segundo, show da série Instrumental Sesc Brasil apresenta o repertório da banda com influências do funk e do soul dos anos 1970. Com direção geral Max Alvim, as produções estreiam no dia 29/1, domingo, às 21h (Assista também em sesctv.org.br/aovivo).

Composta por nove músicos, a Black Mantra surgiu depois que foi convidada para fazer a trilha sonora do curta-metragem Muito, Além do Nada, dirigido por Marcelo Terreiro. O baterista Leonardo Marques - que junto com o baixista Caio Leite idealizou a banda, - explica que havia muitas referências do Blaxploitation (movimento cinematográfico norte-americano criado no início dos anos 1970 com o objetivo de tirar os negros dos papeis coadjuvantes) na trilha, e músicos como James Brown e Isaac Hayes serviram de inspiração. “Daí veio a ideia de fazermos as releituras, estudar realmente J.B.’s, Curtis Myfield, Stivie Wonder”, comenta Marques.

No Passagem de Som, o grupo se encontra com o pernambucano Di Melo, que teve reconhecimento musical em 1975, ao gravar seu primeiro disco, com as composições Kilanô e A Vida em seus Métodos Diz Calma. Após seu sucesso inicial, Melo sumiu das paradas musicais e só reapareceu 36 anos depois, quando lançou seu segundo álbum, em 2016. O encontro entre Black Mantra e o artista, com quem já dividiu palcos, é registrado no documentário.

A produção também mostra um bate-papo entre integrantes da banda e Jeferson De, cineasta, militante da causa negra e criador do manifesto Dogma Feijoada, um estudo histórico sobre a imagem dos negros difundida pelo cinema brasileiro. O diretor fala sobre sua ligação com música e parceria com uma gravadora, onde iniciou sua carreira como cineasta. “O primeiro curta profissional que eu fiz chama-se Distraída para a Morte, e foi inspirado em uma música do cantor Otto”, conta.

O documentário acompanha, ainda, o ensaio da banda Black Mantra para a série Instrumental Sesc Brasil, exibida na sequência. No repertório, composições próprias com raiz no soul e no funk dos anos 1970, inspiradas em nomes que trilharam o Blaxploitation, como Marvin Gaye, James Brown e Isaac Mayes.

Formação da Black Mantras:
Caio Leite – baixo
Leonardo Marques – bateria
Kiko Bonato – hammond e piano
Marcos Guarujá – percussão
Igor Thomaz – saxofone barítono
Pedro Vithor – saxofone tenor
William Tocalino – trombone
Felipe Pipeta - trompete
Ricardo Mastria - guitarra

SERVIÇO:

Passagem de Som / Instrumental Sesc Brasil

Deltas
Estreia: 29/1, domingo, a partir das 21h
Direção geral: Max Alvim
Reapresentações: 30/1, segunda, às 16h30; 31/1, terça, às 9h30; 1/2, quinta, às 13h; e 4/2, sábado, às 14h.
Classificação indicativa: Livre
Produção: Canal Independente
Direção Geral: Max Alvim

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terminou a folia!

Terminou a folia;  não tirei a fantasia;  só transmito alegria; nada de melancolia. Sou Palhaço! Meus nervos são de aço. com meus versos,  meus sentimentos disfarço.  Sou Palhaço! Com nariz avermelhado; sapato pontiagudo; roupa colorida: No picadeiro,  a platéia alegro;  não iludo - convenço. Assim, conduzo a vida sem perder o compasso... Sou Palhaço! Sou Palhaço! 
13/02/2018 Luiz Augusto da Silva Olimpia - São Paulo

Os benefícios da caminhada

Fernanda Santiago
Existem inúmeras atividades físicas, mas a caminhada tem a menor taxa de abandono de todos eles. É simples e a mudança positiva que você pode fazer para efetivamente melhorar sua saúde cardíaca. Praticar a caminhada por pelo menos 30 minutos por dia pode ajudá-lo: Reduzir o risco de doença cardíaca coronáriaMelhorar a pressão arterial e os níveis de açúcar no sangueMelhorar o perfil lipídico no sangueManter o peso corporal e diminuir o risco de obesidadeMelhorar o bem estar mentalReduzir o risco de osteoporoseReduzir o risco de câncer de mama e de cólonReduzir o risco de não insulino-dependente (tipo 2) diabetes

São muitos benefícios para uma atividade tão simples. Se você mora perto da praia, melhor ainda. Se não tem uma praia próxima, procure um parque.  Caminhe, respire fundo e aprecie tudo ao redor. O corpo agradece!

A tradicional sopa de cebola francesa

Fernanda Santiago Valente Quem é que não gosta de uma sopa no tempo frio? Aqui no Brasil, muitos recomendam a sopa de cebola para quem está com dor de garganta ou gripado. Eu vou além. Amo todos os tipos de cremes e sopas, mas a de cebola tem um sabor especial. A sopa tradicional da cozinha parisiense merece toda a atenção.Algumas lendas da França afirmam que a sopa de cebola foi inventada por Louis XV, quando passavam por uma crise. Ele só tinha cebolas, manteiga e champanhe como alimentos, assim como toda a população de baixa renda. A receita ganhou novos temperos ao decorrer dos anos e conseguiu conquistar todo o mundo, principalmente nós brasileiros, pois amamos nos deliciar com uma sopinha nos períodos frios, não é mesmo? Ainda nas tradições parisienses, a sopa serve para alimentar também as emoções do dia do tão sonhado casamento. Eles tem o hábito de consumir a sopa após a festa. Isso se repete também em grandes eventos. Se por acaso acordarem de ressaca, também consomem a sopa,…