Pular para o conteúdo principal

A vez da Chikungunya

De um lado a população, do outro, mosquitos transmissores de doenças que continuam tirando o sono! Diferente do que aconteceu em 2016, quando houve um surto de casos de Zika vírus, este ano a preocupação das autoridades de saúde é com a Chikungunya. As duas doenças, assim como a Dengue, são transmitidas pela picada do mosquito Aedes Aegypti. 

O Brasil registrou um aumento de 627% no número de casos de Chikungunya entre os anos de 2015 e 2016, enquanto a dengue diminui de 1,6 para 1,4 milhão. Apenas nos primeiros 21 dias de 2017, o Espírito Santo registrou 49 casos, o município de Xingará, no Sul do Pará, 174 casos e Minas Gerais triplicou o número, passando de 36 para 107 no mesmo período. Já no Rio Grande do Sul, por sua vez, o aumento foi de 819% em um ano. 

Isso está acontecendo por diversos motivos. Um deles é que a maioria da população não tem imunidade desenvolvida a este novo vírus, mas, além disso, ele tem uma “taxa de ataque”, ou seja, uma capacidade de atingir as pessoas, maior que os vírus da Dengue e da Zika. Enquanto esta taxa varia entre 5% e 10% para estes vírus, para a Chikungunya este valor chega a 50%. 

Outro fator que aumenta a preocupação é que 90% das pessoas infectadas pelo vírus desenvolvem a doença, o que poderá colapsar o sistema de saúde. 

Os principais sintomas da Chikungunya são: febre, dor nas juntas, dor muscular, dor de cabeça e manchas vermelhas na pele. Sintomas parecidos com os da dengue, mas que podem durar semanas, meses e até anos. 

Um conselho para a população: além de verificar os locais para não deixar água parada, é importante usar diariamente um bom repelente. Existem inúmeras opções disponíveis no mercado, mas, para maior proteção e segurança, os repelentes feitos à base de icaridina são os mais indicados já que oferecem ação prolongada, por até 7h. 

Julinha Lazaretti

**Julinha Lazaretti é formada em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo, tem Pós Graduação em Imunologia e Especialização em Cosmetologia e é sócia diretora da Alergoshop. Há 23 anos é responsável pela área de Pesquisa e Desenvolvimento da Alergoshop e há dois anos responsável pela Operação e Expansão das Franquias. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Atypical, o que você precisa saber sobre o autismo

Fernanda Santiago Valente Você quer saber um pouco mais como é a vida de um garoto com o transtorno do espectro autista que está entrando na vida adulta? Para isso vale a pena assistir a série Atypical que está na Netflix desde o começo do mês de agosto. Não tem como não se apaixonar pelo personagem Sam, que está na fase de descobertas e quer arranjar uma namorada. É nessa busca pela paixão que se desenrola a história. Vamos entender como funciona a sua personalidade e como a situação afeta aqueles que estão ao seu redor. Algo muito interessante a se observar é a relação dele com a psicóloga. Sam se apaixona por ela. Isso é muito comum acontecer com paciente e profissional de sexos opostos, geralmente os pacientes que tem algum tipo de transtorno sempre se apaixonam por seus psicólogos.


Sam, apresentando os sintomas mais nítidos do espectro autista é um adolescente que tem sentimentos como qualquer outro. A única diferença é que seus sentimentos não são interpretados de forma comum. O ro…