Pular para o conteúdo principal

Bugigangue no Espaço estreia nesta quinta, dia 23

FILME DA 44 TOONS! DUBLADO POR DANILO GENTILI E MAISA SILVA É A 44ª ANIMAÇÃO PRODUZIDA NO BRASIL


No ano em que a produção de animações no Brasil completa um século, o diretor Ale McHaddo, da 44 Toons!, lança “Bugigangue no Espaço”, o 44° filme do gênero feito no país. Voltado ao público infantil, o longa-metragem distribuído pela Imagem Filmes estreia nesta quinta, dia 23, em cerca de 400 salas, a maior abertura de uma animação nacional. Além disso, será o primeiro filme brasileiro a ser exibido com tecnologia D-BOX da Rede Cinemark, levando uma experiência mais imersiva para o espectador.

“Foram cinco anos de dedicação a esse filme. Estou muito contente de poder mostrar ao público um trabalho realizado com uma equipe tão competente e dedicada”, comenta Ale McHaddo. O diretor já havia explorado o universo do filme no curta “Bugigangue – Controle Remoto” lançado em 2010, primeira produção nacional em 3D.

Com vozes de Danilo Gentili, Maisa Silva e Rogerio Morgado, a animação narra as aventuras de sete amigos que se unem a um grupo de alienígenas para salvar o mundo do vilão Gana Golber. Ao longo da trama, os personagens encontram figuras icônicas da cultura pop, como Yoda, Mario, Seu Madruga, ET de Varginha e Chupa Cabra.

A história é embalada pela Orquestra Sinfônica de Budapeste, responsável por gravar as músicas compostas por Alexandre Guerra. O som grandioso é inspirado em clássicos como “Star Wars” e também mescla toques de humor com as harmonias do theremin e da viola caipira. A trilha sonora está disponível para streaming e download nas principais plataformas digitais (iTunes, Deezer, Spotify, Rdio, entre outras) desde o dia 18 de fevereiro.


Alienígenas invadem celulares e tablets

Para quem gostou dos simpáticos alienígenas de “Bugigangue no Espaço”, a 44 Toons! preparou uma surpresa: o jogo "BugiGangue: Planetóides". No game, os jogadores devem controlar os Invas em um percurso pelo universo, em que pulam de planeta em planeta sempre desviando dos obstáculos.

Trata-se de um jogo infinito de contagem de pontuação, o que significa que sempre é possível quebrar os próprios recordes. Por enquanto, o game está disponível em Android nesse link. Até o fim da semana, também estará no iOS. 

Sinopse

Enquanto Gustavinho (voz de Danilo Gentili), Fefa (voz de Maisa Silva) e os demais integrantes do clube Bugigangue estão preocupados com os trabalhos da escola, nem imaginam que em um ponto distante da galáxia o vilão Gana Golber tomou o poder da Confederação dos Planetas, ameaçando a paz do universo. Expulsos da confederação, sete Invas, alienígenas atrapalhados e ingênuos, conseguem escapar ao cerco de Gana, mas na fuga sua nave é danificada e cai na Terra. Logo os Invas fazem amizade com as crianças do clube, consertam a nave e embarcam juntos numa aventura intergaláctica para restaurar a paz do universo.



Ficha Técnica:

Com DANILO GENTILI, MAISA SILVA

Roteiro ALE MCHADDO

Diretor de Animação LEONARDO CADAVAL

Storyboard CARLOS EDUARDO NOGUEIRA e RICK TROULA

Assistente de Direção MICHELLE GABRIEL

Trilha Sonora Original ALEXANDRE GUERRA

Gravada pela ORQUESTRA SINFÔNICA DE BUDAPESTE

Desenho de Som DANIEL TURINI e FERNANDO HENNA

Mixagem RAFAEL BENVENUTI

Líder equipe de arte RICK TROULA

Produção de Linha MICHELLE GABRIEL

Produção ALE MCHADDO, CAROLINA FRATINNI, GUILERME MACHADO DE SÁ, MELINA MANASSEH e STEFANIE BORGES

Distribuição IMAGEM FILMES

Luz e Render STUDIO 56

Direção ALE MCHADDO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...