Pular para o conteúdo principal

VOCÊ VALORIZA O AMOR?





Por Caroline Trevisan


Ah, o amor... Não ouvimos falar muito sobre ele, aliás, o vemos em raras exceções. Não podemos dizer que não existe, mas em terra de desapego como é possível viver um amor eterno com alguém?
Assistimos a um filme romântico e pensamos “ah! Como eu queria ter um homem desses na minha vida” ou há quem pense “nossa que ridículo”. Pois é, ninguém mais o enxerga como antes. Muitas vezes por medo ou por falta de conhecimento ou vontade.
Mas esses valores vêm de berço, meus caros leitores. Começando na infância com a família unida, o respeito aos mais velhos, as responsabilidades e o modo de convivência. Tudo isso relacionado ao amor como um todo, o incondicional.
Ao crescermos, colocamos em prática todo esse sentimento, mas junto a ele, sempre aparecem decepções e frustrações. Infelizmente não estamos ilesos, mas apesar de alguns “espinhos” enfrentados, é possível viver uma história de amor tão almejada por todos.
É claro que nem tudo é um mar de rosas né? Mas para enfrentar as dificuldades é preciso ter uma base que facilite esse processo. A base que me refiro é o amor e sem ele não tem como construir uma relação saudável. Vou dar um exemplo: Um casal de 60 está vivendo uma vida a dois que passou por um monte de fases (complicadas e tranquilas).
A senhora de 60, namorou o senhor 7 anos e depois foram parar no altar. Há 40 anos de casamento, os dois aprenderam e tem aprendido muito sobre a vida.
O casal conta também o segredo de tanta felicidade no amor: “Não pode ser feita apenas a vontade de um e, sim, o meio termo, cada um tem que ceder um pouco”. Lógico que não é fácil acostumar-se às manias do outro, praticar a aceitação e ainda lidar com os problemas de casa, filhos, mas a melhor saída para alguma briga é o diálogo SEMPRE! Caso contrário, não há como superar essas etapas.
Por outro lado, companheirismo é o que esse casal tem para dar e vender, sempre juntos quando podem e raramente, separados, o que é muito bom para reforçar o relacionamento. É preciso, acima de tudo, ter respeito com o próximo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Atypical, o que você precisa saber sobre o autismo

Fernanda Santiago Valente Você quer saber um pouco mais como é a vida de um garoto com o transtorno do espectro autista que está entrando na vida adulta? Para isso vale a pena assistir a série Atypical que está na Netflix desde o começo do mês de agosto. Não tem como não se apaixonar pelo personagem Sam, que está na fase de descobertas e quer arranjar uma namorada. É nessa busca pela paixão que se desenrola a história. Vamos entender como funciona a sua personalidade e como a situação afeta aqueles que estão ao seu redor. Algo muito interessante a se observar é a relação dele com a psicóloga. Sam se apaixona por ela. Isso é muito comum acontecer com paciente e profissional de sexos opostos, geralmente os pacientes que tem algum tipo de transtorno sempre se apaixonam por seus psicólogos.


Sam, apresentando os sintomas mais nítidos do espectro autista é um adolescente que tem sentimentos como qualquer outro. A única diferença é que seus sentimentos não são interpretados de forma comum. O ro…