Pular para o conteúdo principal

VOCÊ VALORIZA O AMOR?





Por Caroline Trevisan


Ah, o amor... Não ouvimos falar muito sobre ele, aliás, o vemos em raras exceções. Não podemos dizer que não existe, mas em terra de desapego como é possível viver um amor eterno com alguém?
Assistimos a um filme romântico e pensamos “ah! Como eu queria ter um homem desses na minha vida” ou há quem pense “nossa que ridículo”. Pois é, ninguém mais o enxerga como antes. Muitas vezes por medo ou por falta de conhecimento ou vontade.
Mas esses valores vêm de berço, meus caros leitores. Começando na infância com a família unida, o respeito aos mais velhos, as responsabilidades e o modo de convivência. Tudo isso relacionado ao amor como um todo, o incondicional.
Ao crescermos, colocamos em prática todo esse sentimento, mas junto a ele, sempre aparecem decepções e frustrações. Infelizmente não estamos ilesos, mas apesar de alguns “espinhos” enfrentados, é possível viver uma história de amor tão almejada por todos.
É claro que nem tudo é um mar de rosas né? Mas para enfrentar as dificuldades é preciso ter uma base que facilite esse processo. A base que me refiro é o amor e sem ele não tem como construir uma relação saudável. Vou dar um exemplo: Um casal de 60 está vivendo uma vida a dois que passou por um monte de fases (complicadas e tranquilas).
A senhora de 60, namorou o senhor 7 anos e depois foram parar no altar. Há 40 anos de casamento, os dois aprenderam e tem aprendido muito sobre a vida.
O casal conta também o segredo de tanta felicidade no amor: “Não pode ser feita apenas a vontade de um e, sim, o meio termo, cada um tem que ceder um pouco”. Lógico que não é fácil acostumar-se às manias do outro, praticar a aceitação e ainda lidar com os problemas de casa, filhos, mas a melhor saída para alguma briga é o diálogo SEMPRE! Caso contrário, não há como superar essas etapas.
Por outro lado, companheirismo é o que esse casal tem para dar e vender, sempre juntos quando podem e raramente, separados, o que é muito bom para reforçar o relacionamento. É preciso, acima de tudo, ter respeito com o próximo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seres Especiais

Por Luiz Augusto da Silva

Devemos sempre insistir na busca dos ideais. Perseverar sem cansaço, até às metas finais. Recorrermos aos meios, humanos e materiais. Confiantes no apoio, dos Seres Especiais. Sermos sempre otimistas, acreditando nas forças divinas. Fortalecidos pelo altruísmo, impulsos que reanimam. Felizmente neste mundo, os amigos aparecem. Aumentam as energias, que aos idealistas fortalecem. Agosto /2008 (Modificado)

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…