Pular para o conteúdo principal

Bianca Gismonti Trio apresenta ritmos brasileiros no SescTV

Documentário e show inéditos com o trio vão ao ar no dia 5/3, domingo, a partir das 21h

Bianca Gismonti. Foto: Piu Dip.

O SescTV exibe documentário da série Passagem de Som e show da série Instrumental Sesc Brasil inéditos com Bianca Gismonti Trio. O primeiro transita pela trajetória musical da pianista e compositora, e passeia pela Casa de Vidro da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi. O segundo apresenta repertório autoral de Bianca, além de composições de seu pai, o compositor e multi-instrumentista Egberto Gismonti, além de músicas de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. Com direção geral de Max Alvim, as atrações estreiam no dia 5/3, domingo, a partir das 21h (Assista também em sesctv.org.br/aovivo).

Bianca nasceu em 1982, no Rio de Janeiro. Aos nove anos começou a tocar piano e aos 15 já acompanhava o pai, Egberto, em shows pelo mundo.  No Passagem de Som, a artista diz que as canções que ouvia na década de 1990 foram as que mais permaneceram em sua memória. “Um período que eu escutava muito a música moderna, contemporânea, MPB sempre”. Mas o fato de seu pai ser contratado do selo europeu ECM, especializado em jazz, também a incentivou a ouvir importantes nomes do gênero, como Keith Jarret, Herdei Hancock e Bill Evans. Tudo isso moldou a sua formação musical.

Bianca conta que o trio nasceu sem pretensão nenhuma. Começou a tocar com Júlio Falavinha, baterista e seu marido, e juntos decidiram convidar o baixista Antônio Porto. “O trio foi se formando naturalmente”, comenta. Hoje, o grupo possui dois discos lançados: Sonhos de Nascimento, em 2013, e Primeiro Céu, em 2015, com composições que transitam entre a música instrumental e a popular. “Muitas delas são homenagens a pessoas que admiro”, fala a artista. “Enquanto Eu Canto foi criada para a cantora Joana Duah”, explica. Em um estúdio na capital paulista, Bianca e Joana recordam como se conheceram.

Além de tocar em trio, Bianca também faz um trabalho em duo, desde 2005, com a pianista Cláudia Castelo Branco, chamado Gisbranco. A dupla passeia pela música popular e erudita, explorando ritmos brasileiros, latinos e jazz. A parceria resultou na gravação de três álbuns e um DVD.

O documentário mostra ainda a visita da pianista à Casa de Vidro, no bairro do Morumbi, na cidade de São Paulo. Para Bianca, esta obra de Lina Bo Bardi, arquiteta italiana naturalizada brasileira, sempre teve uma mistura do interior com a cidade, do intelectual com o natural. “Sempre teve essa mescla muito forte na minha família”, diz.

No Teatro Anchieta do Sesc Consolação, o Passagem de Som registra o ensaio do show de Bianca Gismonti Trio - que já se apresentou na Inglaterra, Espanha, Portugal e Japão - para o show da série Instrumental Sesc Brasil exibido na sequência. No repertório, músicas dos dois álbuns do trio, de autoria de Bianca, algumas de Egberto Gismonti e também de Tom Jobim e Vinícius de Moraes.

SERVIÇO:

Passagem de Som / Instrumental Sesc Brasil
Bianca Gismont Trio
Estreia: 5/3, domingo, a partir das 21h
Reapresentações: 6/3, segunda, às 16h30; 7/3 terça, às 9h30; 8/3, quarta, às 11h; 9/3, quinta, às 13h; e 11/3, sábado, às 14h.
Classificação indicativa: Livre
Produção: Canal Independente
Direção Geral: Max Alvim

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filme: A minha canção de Amor

Fernanda Santiago Valente
O roteiro do filme embora pareça um pouco descosturado, apresenta uma fiel mensagem sobre pessoas solitárias que se esbarram com alguma tragédia na vida. Os personagens centrais da história é Jane, uma cantora que ficou paraplégica após um acidente e Joey,  um amigo que conheceu numa clínica psiquiátrica, que apresenta um transtorno mental que pode ser classificado como a esquizofrenia, pois ouve vozes e vê anjos. A história mostra a não aceitação de Jane por estar nessa condição. Joey, embora perturbado, também foi afetado pelo transtorno após perder toda a sua família. Ele não escolheu isso. No entanto, esses dois solitários se atraem perante suas condições. Podemos sim admitir que deprimidos atraem deprimidos. O percorrer da história é todo um incentivo de Joey, que faz de tudo para que Jane volte a cantar e a se encontrar com o seu filho que acabou deixando para trás por falta de trabalho e recursos financeiros. Uma carta escondida de Jane, enviada por seu…

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)

Obra infantil da brasileira Zia Stuhaug levanta a importância da educação e incentivo à leitura nas crianças

A doce obra “A galinha Suruca da Dona Georgina” conta uma história apaixonante e educativa sobre uma galinha da Angola que decide fugir de casa porque não quer ir à escola. Suruca chegou em um navio a vapor. Dona Georgina lhe deu casa, comida e muito amor. A galinha fez novos amigos e estava feliz com a nova vida, mas sua dona queria que ela estudasse e a matriculou na escola. Suruca não gosta nem um pouco disso e foge, mas problemas fazem parte de sua jornada. Será que ela conseguirá encontrar o caminho de volta para casa? Com ilustrações coloridas e atrativas, os pequenos leitores têm a chance de se deliciar com uma trama divertida, e ao mesmo tempo aprender uma lição indispensável: a importância do estudo. “Então, Dona Georgina comprou cadernos, lápis, apontador e um livro de aventura. Colocou tudo em uma mochila e, falando sem parar, entregou-a a Suruca. Dona Georgina não sabia ler nem escrever, mas fazia gosto que Suruca estudasse (p. 22) Zia Stuhaug, autora renomada, usa uma linguag…