Pular para o conteúdo principal

Bianca Gismonti Trio apresenta ritmos brasileiros no SescTV

Documentário e show inéditos com o trio vão ao ar no dia 5/3, domingo, a partir das 21h

Bianca Gismonti. Foto: Piu Dip.

O SescTV exibe documentário da série Passagem de Som e show da série Instrumental Sesc Brasil inéditos com Bianca Gismonti Trio. O primeiro transita pela trajetória musical da pianista e compositora, e passeia pela Casa de Vidro da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi. O segundo apresenta repertório autoral de Bianca, além de composições de seu pai, o compositor e multi-instrumentista Egberto Gismonti, além de músicas de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. Com direção geral de Max Alvim, as atrações estreiam no dia 5/3, domingo, a partir das 21h (Assista também em sesctv.org.br/aovivo).

Bianca nasceu em 1982, no Rio de Janeiro. Aos nove anos começou a tocar piano e aos 15 já acompanhava o pai, Egberto, em shows pelo mundo.  No Passagem de Som, a artista diz que as canções que ouvia na década de 1990 foram as que mais permaneceram em sua memória. “Um período que eu escutava muito a música moderna, contemporânea, MPB sempre”. Mas o fato de seu pai ser contratado do selo europeu ECM, especializado em jazz, também a incentivou a ouvir importantes nomes do gênero, como Keith Jarret, Herdei Hancock e Bill Evans. Tudo isso moldou a sua formação musical.

Bianca conta que o trio nasceu sem pretensão nenhuma. Começou a tocar com Júlio Falavinha, baterista e seu marido, e juntos decidiram convidar o baixista Antônio Porto. “O trio foi se formando naturalmente”, comenta. Hoje, o grupo possui dois discos lançados: Sonhos de Nascimento, em 2013, e Primeiro Céu, em 2015, com composições que transitam entre a música instrumental e a popular. “Muitas delas são homenagens a pessoas que admiro”, fala a artista. “Enquanto Eu Canto foi criada para a cantora Joana Duah”, explica. Em um estúdio na capital paulista, Bianca e Joana recordam como se conheceram.

Além de tocar em trio, Bianca também faz um trabalho em duo, desde 2005, com a pianista Cláudia Castelo Branco, chamado Gisbranco. A dupla passeia pela música popular e erudita, explorando ritmos brasileiros, latinos e jazz. A parceria resultou na gravação de três álbuns e um DVD.

O documentário mostra ainda a visita da pianista à Casa de Vidro, no bairro do Morumbi, na cidade de São Paulo. Para Bianca, esta obra de Lina Bo Bardi, arquiteta italiana naturalizada brasileira, sempre teve uma mistura do interior com a cidade, do intelectual com o natural. “Sempre teve essa mescla muito forte na minha família”, diz.

No Teatro Anchieta do Sesc Consolação, o Passagem de Som registra o ensaio do show de Bianca Gismonti Trio - que já se apresentou na Inglaterra, Espanha, Portugal e Japão - para o show da série Instrumental Sesc Brasil exibido na sequência. No repertório, músicas dos dois álbuns do trio, de autoria de Bianca, algumas de Egberto Gismonti e também de Tom Jobim e Vinícius de Moraes.

SERVIÇO:

Passagem de Som / Instrumental Sesc Brasil
Bianca Gismont Trio
Estreia: 5/3, domingo, a partir das 21h
Reapresentações: 6/3, segunda, às 16h30; 7/3 terça, às 9h30; 8/3, quarta, às 11h; 9/3, quinta, às 13h; e 11/3, sábado, às 14h.
Classificação indicativa: Livre
Produção: Canal Independente
Direção Geral: Max Alvim

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma dica de literatura folclórica para as crianças

*Por Thiago Grass

Desde pequeno sempre tive uma relação muito forte com a leitura. Gostava de ir à biblioteca na escola e ouvia muitas histórias dos meus avós. Curiosamente eles estão presentes até hoje nas narrativas que apresento às crianças. Sobretudo, as peripécias do meu avô, quando, por exemplo, ele encontrou com o Lobisomem no meio do mato, ou quando recebeu a visita da Pisadeira enquanto dormia, ou até mesmo quando criança teve que passar por uma estrada de terra abandonada habitada por um ser misterioso de capa vermelha e olhos brilhantes. A minha dica de leitura tem relação com esse universo do folclore, o qual me sinto intimamente ligado.  Livro – O mais Legal do Folclore Autor – Luciana Garcia 1ª edição 2003. Editora Caramelo Imaginem vocês que, num belo dia, O Saci acorda e percebe que perdeu sua touca. Pior, a roubaram! Justo a fonte do seu poder.  Para ajudar a descobrir quem foi, ele pede ajuda do incansável detetive Negrinho do Pastoreio, que encontra qualquer objeto perdido. …

Rainha frutífera

Uma homenagem especial de Luiz, a sua eterna esposa Vera, a rainha do lar, dos corações e frutífera musa de poesias, canções e emoções, entre filhos e suas gerações: 

Vieste a este mundo  Em missão especial  Realizar abençoada  A incumbência divinal.
Ligação umbilical faz a União maternal com  Corações ritmados por  Intervalos musicais, entoarem  A cantiga da vida, com batimentos naturais. Fazendo em um ambiente tranquilo  Executar milagrosamente  Repetidas notas divinais  Retiradas das partituras angelicais que  Estimulam com a arte musical, reger com  Intensa maestria a multiplicação que  Reforça o propósito celestial, enquanto  Aguarda-se o momento ideal.
Depois de nove meses  Abre-se a cortina transparente! 
Surge, surpreendentemente, um  Inocente ser inteligente!  Lindo! Atraente!  Que vem do seu âmago! O Amor em forma de gente.
Mãe! Celeiro da vida! Das gerações!  Tens muito valor! Vieste à esta Terra, com nobreza e esplendor para mostrar e doar: o verdadeiro amor. Diante do certo! Do errado! Na alegria! …

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …