Pular para o conteúdo principal

Dez Comportamentos que destroem os melhores casamentos

Por Fernanda Santiago

Casamentos que parecem não ter mais jeito, onde os cônjuges não se respeitam e até que abusam fisicamente um do outro são assuntos abordados no livro Castelo de Cartas, de Gary Chapman. Autor de outros livros como “As cinco linguagens do amor”, “Agora você está falando a minha linguagem“, “A essência das cinco linguagens do amor”, entre outros... Gary explica em Castelo de Cartas as experiências de casais que estavam com os seus casamentos totalmente destruídos pela falta de comunicação, falta de tempo e principalmente falta de respeito, mas que através de conselho e análise pastoral na vida de cada um, pode descobrir o problema e ajudá-los a serem felizes, e principalmente, restaurados pela mudança.
O livro relata em todo o momento que devemos abandonar os mitos, aqueles que dizem que o ambiente determina o nosso estado mental. Um exemplo, será que eu não terei jeito se nasci num ambiente violento, ou o qual meus pais fumavam, me abusaram ou me rejeitaram? Ao contrário do que muitos dizem, a pessoa pode sim não ser refletida pelo ambiente que vive, pois as pessoas podem mudar de opção e viver melhor que seus pais ou ambiente determinado. Um casamento infeliz pode ser consertado. O divórcio não é a opção final de todos os problemas. Há esperança. Basta que o casal procure ajuda e tente analisar seus conceitos de vida.
Neste livro, Gary também enfatiza as cinco linguagens do amor e mostra o que cada um dos cônjuges precisam para aprender a falar a linguagem do outro:

1 - Palavras de afirmação
Dizer verbalmente a seu cônjuge as coisas boas que ele faz

2 - Tempo de qualidade
Dar atenção completa a seu cônjuge

3 - Presentes
Dar a seu cônjuge um presente que diz “eu estava pensando em você”

4 - Atos de serviço
Fazer a seu cônjuge algo que lhe é significativo

5 - Toque físico
Beijar, abraçar, dar tapinhas nas costas, segurar as mãos, ter relação sexual

Além das linguagens do amor, o autor também fala sobre os princípios da realidade da vida de cada um, e como aplicá-los no casamento:

1 - Sou responsável por minha própria atitude

2 - Minha atitude afeta minhas ações

3 - Não posso mudar os outros, mas posso influenciá-los

4 -Minhas emoções não controlam as minhas ações

5- Admitir minhas imperfeições não significa que eu seja um fracasso

6 - O amor é a mais poderosa arma para o bem do mundo

Como todos esses princípios que temos que viver em nossas vidas, Gary também explica sobre como aplicar a necessidade de amor, liberdade, relevância, recreação e paz com Deus em nossas vidas.
O cônjuge irresponsável, o que só pensa no trabalho, o que é controlador, o que não se comunica, que pratica abuso verbal e físico, o que pratica e sofre de abuso sexual, o alcoólico e usuário de drogas, o depressivo... São todos citados no livro através de análises de vida de cada um, onde cada casal conseguiu aprender a se autoconhecer e escolher a mudança para suas vidas. Se o seu casamento está a ponto de desabar, acredite que se você estiver disposto a mudar e procurar ajuda há esperança.

Castelo de Cartas - Dez comportamentos que destroem os melhores casamentos
Gary Chapman
Setembro, 2009.


Gary Chapman é graduado pelo Instituto Bíblico Moody, pela Faculdade Wheaton e pela Universidade de Wake Forest (Antropologia). Possui, também, pós-graduação e doutorado pelo Seminário Teológico dos Batistas do Sul e pela Universidade da Carolina do Norte. 

Comentários

Anônimo disse…
Parabéns querida Fernanda.Muito lindo e reflexivo é o seu artigo.Que Deus lhe abençoe sempre lhe dando inspiração e elevando a sua sensibilidade. Admiro tudo que você faz.Acredita,pois o que lhe digo é pura realidade.
Boa noite,minha amiga! ������
Luiz Augusto da Silva

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …