Pular para o conteúdo principal

Em seu segundo livro, Enrico Cietta aborda questões econômicas da moda

Consultor italiano lança mundialmente o livro "Economia da Moda - Porque hoje um modelo de negócio vale mais que uma boa coleção", no qual defende que o modelo de negócios no mundo fashion é mais importante que as criações

O segundo livro de Enrico Cietta busca levar a empresários, profissionais e estudantes de moda conhecimentos e discussões acerca dos inúmeros negócios que a indústria fashion é capaz de gerar, direta ou indiretamente. Intitulada "Economia da Moda - Porque hoje um modelo de negócio vale mais que uma boa coleção", a obra terá lançamento mundial aqui no Brasil, pela editora Estação das Letras e Cores, com versões em inglês e italiano, além de português. 

O Brasil foi escolhido porque Enrico Cietta, nos últimos anos, fez uma série de consultorias para marcas nacionais e com isso conviveu de perto com questões de nosso país. Em sua opinião, aqui é um lugar muito interessante para experimentações, devido a fatores como: população jovem, facilidade com o celular e acessibilidade a internet. Algumas particularidades brasileiras também chamaram atenção do consultor italiano, como o caso das sacoleiras - fenômeno ainda mais forte em regiões como o Nordeste, em que há empresas que faturam até 90% via sacoleiras. Uma situação que não tem paralelo em qualquer outro país.
O atual livro amplia as discussões da obra "A revolução do fast-fashion - estratégias e modelos organizativos para competir nas indústrias híbridas", lançado em 2010.

Cietta esclarece que teve o intuito de facilitar a explicação dos temas debatidos em contextos acadêmicos, geralmente, com uma linguagem distante do dia-dia das empresas e do mercado. 
"Meu objetivo é explicar como o economista pode ajudar uma empresa de moda a crescer e que relações existem entre a teoria econômica e a gestão da empresa. Nesse livro, é apresentada pela primeira vez a teoria dos produtos criativos híbridos, cujos valores são construídos seja no aspecto físico/material como no criativo/imaterial; e de como esses produtos estão mudando a escolha dos consumidores e o jeito de competir das empresas".

Segundo ele, os estudos acadêmicos realizados até então "tratam quase sempre da economia da empresa, e não do setor específico da moda". É essa mudança de viés que o autor busca nos dez capítulos em que aborda, praticamente, toda a indústria fashion e suas nuances. De fato, existem percursos de leituras para o diferente público: empresários, acadêmicos e até pessoas comuns interessadas em conhecer o backstage da indústria da moda.

"Questões como a sustentabilidade ambiental, a velocidade do consumo de moda, o papel da internet, a ascensão do não-profissionalismo em algumas áreas da empresa, o trabalho escravo e a responsabilidade social, a cocriação e a fábrica compartilhada com o advento dos "creators" - só para fazer alguns exemplos - estão mudando estruturalmente o setor e são do interesse tanto de um público profissional quanto de pessoas comuns que querem entender melhor o setor".

Entre os temas discutidos, está o desafio das empresas se tornarem, de fato, sustentáveis. Segundo ele, hoje as marcas mais evoluídas do setor entendem que precisam agregar valor à cadeia inteira, e não apenas no produto final que chega na mão dos consumidores. Outro ponto interessante da obra é como a economia criativa pode ser usada pelas marcas. Cietta destaca que a moda não se trata de uma produção simples, mas sim um híbrido entre produto cultural e produto manufatureiro. Nesse setor não há consumo sem que exista o produto físico, diferente da indústria musical ou cinematográfica, por exemplo, e isso torna a cadeia de construção de valor e a competição no mercado ainda mais complexas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terminou a folia!

Terminou a folia;  não tirei a fantasia;  só transmito alegria; nada de melancolia. Sou Palhaço! Meus nervos são de aço. com meus versos,  meus sentimentos disfarço.  Sou Palhaço! Com nariz avermelhado; sapato pontiagudo; roupa colorida: No picadeiro,  a platéia alegro;  não iludo - convenço. Assim, conduzo a vida sem perder o compasso... Sou Palhaço! Sou Palhaço! 
13/02/2018 Luiz Augusto da Silva Olimpia - São Paulo

Os benefícios da caminhada

Fernanda Santiago
Existem inúmeras atividades físicas, mas a caminhada tem a menor taxa de abandono de todos eles. É simples e a mudança positiva que você pode fazer para efetivamente melhorar sua saúde cardíaca. Praticar a caminhada por pelo menos 30 minutos por dia pode ajudá-lo: Reduzir o risco de doença cardíaca coronáriaMelhorar a pressão arterial e os níveis de açúcar no sangueMelhorar o perfil lipídico no sangueManter o peso corporal e diminuir o risco de obesidadeMelhorar o bem estar mentalReduzir o risco de osteoporoseReduzir o risco de câncer de mama e de cólonReduzir o risco de não insulino-dependente (tipo 2) diabetes

São muitos benefícios para uma atividade tão simples. Se você mora perto da praia, melhor ainda. Se não tem uma praia próxima, procure um parque.  Caminhe, respire fundo e aprecie tudo ao redor. O corpo agradece!

A tradicional sopa de cebola francesa

Fernanda Santiago Valente Quem é que não gosta de uma sopa no tempo frio? Aqui no Brasil, muitos recomendam a sopa de cebola para quem está com dor de garganta ou gripado. Eu vou além. Amo todos os tipos de cremes e sopas, mas a de cebola tem um sabor especial. A sopa tradicional da cozinha parisiense merece toda a atenção.Algumas lendas da França afirmam que a sopa de cebola foi inventada por Louis XV, quando passavam por uma crise. Ele só tinha cebolas, manteiga e champanhe como alimentos, assim como toda a população de baixa renda. A receita ganhou novos temperos ao decorrer dos anos e conseguiu conquistar todo o mundo, principalmente nós brasileiros, pois amamos nos deliciar com uma sopinha nos períodos frios, não é mesmo? Ainda nas tradições parisienses, a sopa serve para alimentar também as emoções do dia do tão sonhado casamento. Eles tem o hábito de consumir a sopa após a festa. Isso se repete também em grandes eventos. Se por acaso acordarem de ressaca, também consomem a sopa,…