Pular para o conteúdo principal

Estamos preparados para a educação especial?

Por Fernanda Santiago e Sandra Santos


Obtivemos grande avanço na educação incluindo pessoas que antigamente não tinham acesso aos estudos e informações.  Hoje, podemos lidar com todo público.  A educação inclusiva já existe, mas como as creches de antigamente,  existe apenas na visão assistida. A creche atual já é ensino e não um lugar onde as crianças ficavam largadas. 
Os professores de educação especial  não podem apenas assistir, mas estudar e entender a deficiência do seu aluno especial, trabalhando dentro de suas condições e necessidades,  pois cada aluno, mesmo comum, tem o seu tempo de aprendizado.
Os novos professores especiais podem hoje desenvolver suas teorias,  trabalhando com deficientes auditivos, autistas, sindromes de dawn, deficientes físicos etc. Cada deficiência precisa ser atendida de acordo com a sua necessidade.  Por isso, é necessário que escolas públicas e privadas comecem a adaptar seus espaços com aparelhos,  materiais didáticos especiais, profissionais capacitados, para assim, incluir como um todo. A educação não pode ser assistida, mas vivida.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Atypical, o que você precisa saber sobre o autismo

Fernanda Santiago Valente Você quer saber um pouco mais como é a vida de um garoto com o transtorno do espectro autista que está entrando na vida adulta? Para isso vale a pena assistir a série Atypical que está na Netflix desde o começo do mês de agosto. Não tem como não se apaixonar pelo personagem Sam, que está na fase de descobertas e quer arranjar uma namorada. É nessa busca pela paixão que se desenrola a história. Vamos entender como funciona a sua personalidade e como a situação afeta aqueles que estão ao seu redor. Algo muito interessante a se observar é a relação dele com a psicóloga. Sam se apaixona por ela. Isso é muito comum acontecer com paciente e profissional de sexos opostos, geralmente os pacientes que tem algum tipo de transtorno sempre se apaixonam por seus psicólogos.


Sam, apresentando os sintomas mais nítidos do espectro autista é um adolescente que tem sentimentos como qualquer outro. A única diferença é que seus sentimentos não são interpretados de forma comum. O ro…