Pular para o conteúdo principal

Longa-metragem Deserto Azul, dirigido por Eder Santos, é exibido pela primeira vez na televisão

Premiado, o filme de ficção científica traz um mundo futurista e um homem em crise existencial


Dirigido por Eder Santos, um dos principais nomes da videoarte no Brasil, o longa-metragem de ficção científica Deserto Azul, lançado em 2013, será exibido pela primeira vez na televisão, no dia 25/03, sábado, às 22h, no SescTV (assista também em sesctv.org.br/aovivo). Segundo longa do diretor, o filme se passa em um mundo futurista, no qual um homem em crise existencial busca a transcendência. A produção - que recebeu os prêmios de Melhor Fotografia no Festival de Jakarta, na Indonésia, e de Melhor Narrativa no Festival do México em 2015 – foi filmada em Brasília e no Deserto do Atacama, no Chile.


O filme tem como cenário um planeta que se esvaziou após passar por mudanças, onde não existem mais religiões, atividades físicas, memórias e dogmas. Nesse vazio, o protagonista, sem nome, “ele”, interpretado por Odilon Esteves, segue por uma jornada evolutiva com o objetivo de entender o sentido da vida e o porquê da existência humana.

Sua curiosidade o leva a caminhar pelo deserto do Atacama, onde conversa com um pintor, encenado por Chico Díaz, que tinge as dunas de areias de azul. Eles conversam sobre signos, metafísica, destino e medo.  A produção também mostra que, em meio a sonhos, intuições e símbolos, “ele” mantém contato com sua alma gêmea, interpretada por Maria Luísa Mendonça. Os atores Ângelo Antônio e Michelle Castro também estão no elenco.

Para gravar Deserto Azul, o diretor usou trechos de textos do primeiro livro de arte de Yoko Ohno, Grapefruit, publicado em 1964, que teria inspirado o músico inglês John Lennon a escrever um de seus maiores sucessos solo, a canção Imagine. Viúva do ex-The Beatles, Yoko gostou do resultado do filme, que foi exibido na Inglaterra e teve lançamento em Tóquio, sua cidade natal.

O longa tem direção de fotografia de Pedro Farkas e música de Stephen Vitiello. O cenário é composto por obras dos artistas Adriana Varejão, Alex Fischer, Carlitos Carvalhosa, Darlan Rosa, Janaina Mello, João Grilo, Leandro Aragão, Miguel Ferreira, Nydia Negromonte, Optmat e Rita Meyers



SERVIÇO:
 
Filme de ficção
Deserto Azul
Estreia: 25/3, sábado, às 22h
Reapresentação: 29/03, quarta, às 24h
Duração: 92 minutos
Classificação indicativa: 12 anos
Direção: Eder Santos
Produção: Trem Chic
Realização: Sesc
 
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https:facebook.com/sesctv


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...