Pular para o conteúdo principal

Brigar para quê?


Por Caroline Trevisan
Imagem: Gabriella Fabbi
Às vezes nós cometemos erros bobos, falamos palavras da boca para fora ou explodimos mesmo por causa do copinho de paciência que não está mais suportando tal atitude ou situação. Mas e as consequências? Como fica o sentimento de quem a gente ama? A relação estará afetada e mudará algo?
Todas as essas perguntas não passam pela sua cabeça antes da hora da raiva e nem durante a discussão. Depois do acontecimento você se preocupa com isso e ainda fica culpando a si e ao outro também. Mas mantenha a calma e deixe de lado a sua impulsividade, pois é preciso pensar antes de qualquer atitude e claro, ter muito cuidado.
Antes de tudo  espere a poeira abaixar e chame a pessoa para conversar, deste modo você poderá explicar o seu lado e esclarecer o mal entendido.
Depois deixe a pessoa falar, ouça atentamente e deixe de lado a sua raiva e implicações pessoais.
Assim que a outra pessoa terminar de explicar, avalie e coloque tudo na balança antes de tomar uma decisão precipitada. Não vale a pena brigar por causa de coisas inúteis, mas sempre haverá esse momento.
Por último encontre uma solução, diga a pessoa, explique o motivo e pergunte se ela concorda com o que você disse.
Entretanto, lembre-se sempre de valorizar sempre quem realmente te ama, respeita e aceita todos os seus defeitos e qualidades.   

Comentários

Anônimo disse…
Querida amiga concordo contigo.Atos impensados são em qualquer tipo de relacionamento o pior inimigo. Diante das intempéries da vida o diálogo deve ser exercido para evitar mal entendido.Parabéns pelo reflexivo artigo.Boa noite ! Beijos respeitosos do seu amigo,Luiz Augusto da Silva. Até mais...Fique na paz;!

Postagens mais visitadas deste blog

Vaginismo: O silêncio de muitas mulheres

Por Fernanda Santiago Valente
Medo. Dor. Relação sexual não consumada e frustrada. São os sintomas mais comuns das mulheres com vaginismo, uma contração vaginal que causa desconforto, dor e dificuldade em obter uma penetração sexual.
Elas não conseguem usar absorvente interno, a ginecologista tem dificuldade em examiná-las e até a introdução de um cotonete no canal da vagina pode causar desconforto insuportável. Elas são as vagínicas, mulheres que tem medo de sexo, dor e pânico ao transar. Para se livrarem do incomodo, buscam tratamento através de terapia psicológica e fisioterapia pélvica. A cura existe, porém, o assunto é pouco explorado até por profissionais da área médica. Muito se fala em sexo, prazer, orgasmo, mas numa roda de amigas, poucas são capazes de confessar que não conseguem consumar a relação sexual. Vagínicas, em geral, passam meses e anos só nas preliminares e muitas vezes o sentimento de vergonha as impede de buscar um tratamento especializado.
Rumo à cura!
O assunto…

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Seis temas de atualidades que podem cair no Enem

Fique atento aos assuntos que você não pode deixar de saber para o Enem, de acordo com Daniel Pereira Leite, professor do Curso Poliedro
Estudar os principais acontecimentos do Brasil e do mundo é um ponto fundamental para alcançar uma boa nota na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que neste ano ocorre nos dias 4 e 11 de novembro. Questões que envolvem atualidades podem cair nas provas de Filosofia, Sociologia, História, Geografia, Ciências ou mesmo como tema de Redação, que tem um peso representativo na nota final dos candidatos. O professor de Atualidades do Curso Poliedro, Daniel Pereira Leite, aponta que para estudar atualidades os candidatos devem apostar em diversas fontes de informação, como matérias televisivas, sites, jornais e revistas. Além disso, devem estar atentos aos assuntos que envolvem questões sociais. “A tendência das provas que cobram assuntos atuais é verificar o quanto o estudante está informado diante dos acontecimentos mais comentados na mídia”, ind…