Pular para o conteúdo principal

Energize-se

Por Caroline Trevisan
Imagem: Freeimages
Vocês pensam que não, mas as cores e suas combinações têm significados, o que também podem estar ligados aos seus humores:
 * Vermelho: Cor quente, ativa e estimulante, representa força, coragem, sexualidade e saúde. Você pode usa-la para alegrar e atrair atenção. Prefira acessórios e detalhes em vermelho, evite o vermelho puro e em excesso.
 * Laranja: Transmite força, curiosidade, otimismo, expansão e equilíbrio emocional. Usadas em tonalidades mais suaves, representa amor e afetividade.
 * Amarelo: Representa dias quentes bonitos e agradáveis, atrai pensamentos otimistas e auto-satisfação. Essa cor é muito boa para a comunicação, criatividade, atenção e bom-humor.
 * Marrom: Ligada a ideia de comprometimento, base forte, responsabilidade e constância. Pode ser usada em ambientes de trabalho e salas de reunião, pois ajudam na concentração. Porém não deve ser, em excesso por absorver com facilidade as energias negativas.
 * Verde: Harmonia, equilíbrio, esperança, fertilidade e renovação. Acalma e ajuda no processo de cura, principalmente, no aspecto emocional.
 * Azul: Sugere a espiritualidade, ordem, quietude e tranquilidade. Muito empregado em locais de relaxamento como quartos e salas de descanso, pois transmitem paz e sonolência. Estimular no azul pode te dar uma sensação de solidão e estimulá-la.
 * Violeta: Purifica os pensamentos, transforma a energia negativa em positiva, sempre presente em trabalhos ligados à arte, pois estimulam a consciência.
* Preto: Normalmente representa a ausência ou rejeição a algo. Mas também pode indicar poder, seriedade e sobriedade.
* Branco: Pureza e amor divino são agregados a essa cor, ligada ao desprendimento material e aceitação. Pode ser usada em qualquer ambiente, porém o excesso dela pode causar tédio. Então procure colocar detalhes em outras cores para quebrar o excesso.
Impressionante como as nossas roupas transparecem como nós estamos não é mesmo? Espero que coloquem em prática essas dicas e compartilhe essa experiência. Fiquem à vontade para comentar abaixo também.
Beijos e uma ótima semana a todos!

Comentários

Luiz Augusto da silva disse…
Caroline gosto muito da sua publicação sobre as cores.Parabéns!
Bom dia e feliz sexta-feira.
Beijos ♡♡
Obrigada Luiz!
Ótima sexta-feira! Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …