Pular para o conteúdo principal

Lúpus é controlado com medicação e estilo de vida adequado


Ilustração: Fernanda Valente
Hoje é o dia Mundial contra o Lúpus. De nome estranho e causas ainda desconhecidas, o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é difícil de ser prevenido. O que a medicina sabe é que a doença inflamatória crônica é multissistêmica (afeta todos os sistemas do corpo), de natureza autoimune (quando o sistema imunológico ataca e destrói tecidos saudáveis do corpo) e não contagiosa. Acredita-se que pode ser desencadeado por um processo multifatorial, isto é, um conjunto de fatores genéticos, ambientais, hormonais e infecciosos, mas ainda não confirmados por estudos.
“Não é uma doença infectocontagiosa, traumática ou degenerativa, em que um esquema de prevenção possa ser implantado em nível de saúde pública, visando evitar possíveis causas e/ou diminuir riscos para se adquirir a doença. No entanto, apesar de não existir uma cura definida, há tratamentos para evitar exacerbações e possíveis complicações da doença. Por isso, o conhecimento cada vez maior do Lúpus pelos profissionais da área e pelos agentes de saúde possibilita um diagnóstico o mais precoce possível”, afirma a reumatologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Elisa Terezinha Hacbarth Freire.
Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, existem cerca de 65 mil pessoas com lúpus no Brasil, sendo a maioria mulheres em idade reprodutiva (entre 20 e 30 anos). Ou seja, a cada 1.700 mulheres, uma tem a doença. “Não podemos mais dizer que se trata de uma doença rara, mas, sim, subdiagnosticada”, explica a especialista.
Apenas exames laboratoriais podem ajudar no diagnóstico do LES, feitos a partir de critérios clínicos e imunológicos específicos. E, assim como qualquer outra doença, quanto mais cedo o paciente for diagnosticado e tratado, maior a chance, ao longo dos anos, de se evitar acúmulo de lesões em órgãos, resultantes dos picos de atividade da doença.
“O mais correto a se fazer é orientar os pacientes portadores de lúpus a prevenirem uma reativação da doença, mantendo um controle periódico assertivo, com uso de medicação de forma adequada e estilo de vida apropriado”, afirma a reumatologista. “A falta de tratamento desencadeia a atividade da doença que leva a quadros graves, envolvendo múltiplos sistemas, como disfunções renais, vasculares, cardíacas, pulmonares, gastrointestinais, danos hematológicos e até a morte”, completa.
Os sintomas do lúpus são variados: artrite, a redução parcial ou total de pelos ou cabelos em uma determinada área de pele, erupções cutâneas, sensibilidade extrema da pele à luz solar, úlceras orais, febre, alterações neuropsiquiátricas, renais, cardíacas e pulmonares.
O tratamento consiste tanto no uso de medicamentos, quanto na adoção de em um estilo de vida diferente, como: dieta rica em cálcio, atividade física regular, tratamento de dislipidemias e hipertensão e cuidados especiais em relação à gestação. Também é importante minimizar a exposição à luz solar, pois a luz UV desencadeia apoptose celular, ou seja, morte de células na pele, gerando um quadro inflamatório com formação de auto-anticorpos e desencadeando crises e quadros cutâneos. “Se tratada corretamente, pessoas com LES podem ter uma vida normal, porém, sempre tomando certos cuidados, e buscando orientação médica em caso de dúvidas ou aparecimento de quaisquer sintomas”, finaliza a especialista.

Créditos: Elisa Terezinha Hacbarth Freire, reumatologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Comentários

Anônimo disse…
Confesso que não tinha informações e rararamente escutei falar sobre esta doença.Gosto muito das informações. Convém ressaltar que para qualquer doença o diagnóstico precoce ajuda muito. Antes prevenir do que remediar.
Parabéns pela matéria.👏👏👏👏
Abraços
Luiz Augusto da Silva

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...