Pular para o conteúdo principal

A Educação Proibida

Museus de São Paulo: dicas de passeios e presentes para as mamães

Aproveite a dica e não fique de fora. Souvenirs, acessórios e catálogos são algumas das opções de presentes que vão agradar mães de todos os gostos

Os Museus da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo estão com excelentes opções de passeios para quem quiser agradar a mamãe neste fim de semana. As instituições recebem e oferecem atrações e atividades culturais para todos os públicos, possuindo também lojas com lembranças para os mais diversos gostos, mais uma maneira para agradar a mãe. Confira: 

Imagem: Isabella Matheus
A Pinacoteca de São Paulo tem ecobags nas cores branca ou preta a R$ 55 (cada), além de joias exclusivas como brincos, anéis e colares, feitos em prata ou folheados a ouro, inspirados na arquitetura da Pinacoteca, que foi desenvolvida pela designer Aurea Sacilotto, com preços que variam entre R$ 81 e R$ 600 (cada). 

Todos os produtos estão à venda na loja física da Pinacoteca (Praça da Luz, s/nº, 1º andar). Para compras acima R$200 é possível dividir o total em até três vezes sem juros nos cartões de crédito e débito das principais bandeiras. A loja não aceita cheque. Mais informações pelo telefone (11) 3324-0938.

Imagem: Thâmara Malfatti

A dica do Museu da Imigração é a caneca de porcelana de 330 ml por R$ 25 (cada) e a  Mala-Chapéu retrô média a R$ 230 (cada). 


Os produtos podem ser adquiridos na loja física dentro do Museu, na rua Visconde de Parnaíba, 1316, Bresser-Mooca, ou pelo site http://lojamuseudaimigracao.commercesuite.com.br/.

Imagem: Nelson Kon

Já na loja do Museu Afro Brasil, o público pode encontrar diversos estilos de colares étnicos como o  de Piriquitinho de pau-brasil verde pintado a R$ 35 (cada); o Jarina de marfim vegetal por R$ 95 (cada); e o de açaí laranja pintado a R$ 50 (cada). 



Os acessórios podem ser adquiridos direto na loja do museu, que fica na Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n  - Parque Ibirapuera - Portão 10 (acesso pelo portão 3). As formas de pagamento são em dinheiro e cartões de débito e créditos (as principais bandeiras).


Imagem: Ding Musa

Para as mães que gostam de arte e cinema, o Museu da Imagem e do Som (MIS-SP), sugere as gravuras da Frida Kahlo disponível nos tamanhos P (21x15cm) a R$ 38 (cada); M(30x21cm)  a R$ 68 (cada) e G (42x30cm) a R$ 98 (cada) em dois modelos diferentes; o catálogo da exposição O Mundo de Tim Burton custa R$ 64 (cada) e a cachaça Zé do Caixão, envelhecida em barris de carvalho, com 700 ml, por R$ 64 (cada). 

Os itens podem ser adquiridos na loja do espaço, que fica na Av. Europa, 158, Jardim Europa. Mais informações pelo telefone (11) 2117-4777.

Imagem: André Monteiro

No Museu do Café as compras também podem ser feitas na loja ou pela internet. As sugestões do espaço são a caneca Ágata por R$ 25 (cada); a xícara de Espresso com a logo do Museu por R$ 30 (cada) e a caderneta por R$ 28 (cada). O espaço aceita pagamentos em dinheiro e cartões de débito e crédito. Veja essas e outras opções no site http://loja.museudocafe.org.br.

Para conhecer a programação cultural de todo o estado, acesse a plataforma SP Estado da Cultura – http://www.estadodacultura.sp.gov.br
Acompanhe a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo nas mídias sociais:
Facebook: /culturasp
Twitter: @culturasp
Instagram: /culturasp
Spotify: /culturasp


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez Comportamentos que destroem os melhores casamentos

Por Fernanda Santiago
Casamentos que parecem não ter mais jeito, onde os cônjuges não se respeitam e até que abusam fisicamente um do outro são assuntos abordados no livro Castelo de Cartas, de Gary Chapman. Autor de outros livros como “As cinco linguagens do amor”, “Agora você está falando a minha linguagem“, “A essência das cinco linguagens do amor”, entre outros... Gary explica em Castelo de Cartas as experiências de casais que estavam com os seus casamentos totalmente destruídos pela falta de comunicação, falta de tempo e principalmente falta de respeito, mas que através de conselho e análise pastoral na vida de cada um, pode descobrir o problema e ajudá-los a serem felizes, e principalmente, restaurados pela mudança. O livro relata em todo o momento que devemos abandonar os mitos, aqueles que dizem que o ambiente determina o nosso estado mental. Um exemplo, será que eu não terei jeito se nasci num ambiente violento, ou o qual meus pais fumavam, me abusaram ou me rejeitaram? Ao cont…

Agosto acabou... UFA!

Fernanda Santiago

Nunca fui de acreditar em superstição, mas agosto nunca foi um mês agradável pra mim e nem mesmo para a História: a Primeira Guerra Mundial começou no dia 1º de agosto de 1914, as cidades de Hihoshima e Nagasaki foram atacadas com bombas atômicas nos dias 6 e 9 de agosto de 1945, matando mais de 200 mil pessoas, foi em 2 de agosto de 1934 que Adolf Hitler se tornou Chefe de Estado da Alemanha, entre outros fatos... Não é à toa que é considerado o mês dos desgosto ou da desgraça. A expressão "Mês do Cachorro Louco" tem a ver com com as cadelas que ficam no cio, devido as condições climáticas, os cachorros ficam "muito loucos" e brigam para possuir a fêmea.  E não é só bicho que fica louco: Getúlio Vargas se suicidou no dia 24 de agosto de 1954, muitos católicos e protestantes se mataram em nome de Deus na Irlanda do Norte, em 12 de agosto de 1968, Juscelino Kubitscheck morreu num acidente de carro, em agosto de 1976... Aqui em Santos, caiu um avião, qu…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …