Pular para o conteúdo principal

A Educação Proibida

Música turca e barroca são destaques no SescTV


Canal exibe show inédito do grupo instrumental Pera Ensemble no dia 31/5, quarta, às 22h

Crédito: Leco de Souza
Formado por músicos de diversos países, sobretudo da Alemanha e da Turquia, o grupo Pera Ensemble apresenta o espetáculo Café: o Oriente Encontra o Ocidente em programa inédito no SescTV. Com um repertório composto por música barroca e turca, o show, que tem direção para TV de Daniela Cucchiarelli, integrou o Festival SESC de Música de Câmara. A estreia acontece no dia 31/5, quarta, às 22h. (Assista também em sesctv.org.br/aovivo).

Criado em 2005, pelos músicos Mehmet Yesilcay e İhsan Ozer, ambos nativos de Istambul, na Turquia, Pera Ensemble recebeu esse nome em homenagem a um bairro turco chamado Pera. Formado atualmente por músicos alemães, norte-americanos, espanhóis, italianos, russos e turcos, o conjunto de música instrumental une a música barroca europeia dos séculos 16 e 17 a canções tradicionais turcas. Em seus shows, os artistas transmitem uma mensagem de convivência harmônica entre povos do mundo.

No espetáculo Café: o Oriente Encontra o Ocidente, dirigido por Mehmet Yesilcay, o grupo faz referência à miscigenação cultural que houve entre o oriente e o ocidente. O trabalho foi criado a partir da pesquisa histórica sobre como o grão de café começou a ser cultivado na Europa. Unindo instrumentos antigos e contemporâneos, os músicos apresentam um repertório inspirado em composições de artistas como Johann Sebastian Bach e André Campras. Para o diretor Mehmet Yesilcay a improvisação é um fator essencial no espetáculo. “Nós improvisamos e isso é muito interessante tanto para a música europeia, quanto para a música barroca”, comenta.


Fazem parte do Pera Ensemble: Francesca Lombardi Mazzulli (soprano), Massimiliano Toni (cravo), Mehmet Yesilcay (odu e colascione), Serkan Mesut Halili (kanun), Volkan Yilmaz (ney), Yahya Geylan (canto), David Kuckhermann e Ozan Paris (percussão), Sarah Perl (viola da gamba), Dmitry Lepekhov e Maria Kaluzhskikh (violinos), Massimiliano Toni (cravo), Francesca Lombardi Mazzulli (soprano) e Hasan Esen (kemence e viola d’amore).  

Sobre o SescTV:

SescTV é um canal de difusão cultural do Sesc em São Paulo, distribuído gratuitamente, que tem como missão ampliar a ação do Sesc para todo o Brasil. Sua grade de programação é permeada por espetáculos, documentários, filmes e entrevistas. As atrações apresentam shows gravados ao vivo com grandes nomes da música e da dança. Documentários sobre artes visuais, teatro e sociedade abordam nomes, fatos e ideias da cultura brasileira. Ciclos temáticos de filmes e programas de entrevistas sobre literatura, cinema e outras artes também estão presentes na programação.

Serviço:

Especial Musical
Pera Ensemble
Estreia: 31, quarta, às 22h.
Reapresentações: 1/6, quinta, às 2h; 3/6, sábado, às 19h; 4/6, domingo, às 7h e 5/6, domingo, às 0h.
Classificação indicativa: Livre
Produção: Recheio Digital
Direção Geral: Daniela Cucchiarelli

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez Comportamentos que destroem os melhores casamentos

Por Fernanda Santiago
Casamentos que parecem não ter mais jeito, onde os cônjuges não se respeitam e até que abusam fisicamente um do outro são assuntos abordados no livro Castelo de Cartas, de Gary Chapman. Autor de outros livros como “As cinco linguagens do amor”, “Agora você está falando a minha linguagem“, “A essência das cinco linguagens do amor”, entre outros... Gary explica em Castelo de Cartas as experiências de casais que estavam com os seus casamentos totalmente destruídos pela falta de comunicação, falta de tempo e principalmente falta de respeito, mas que através de conselho e análise pastoral na vida de cada um, pode descobrir o problema e ajudá-los a serem felizes, e principalmente, restaurados pela mudança. O livro relata em todo o momento que devemos abandonar os mitos, aqueles que dizem que o ambiente determina o nosso estado mental. Um exemplo, será que eu não terei jeito se nasci num ambiente violento, ou o qual meus pais fumavam, me abusaram ou me rejeitaram? Ao cont…

Agosto acabou... UFA!

Fernanda Santiago

Nunca fui de acreditar em superstição, mas agosto nunca foi um mês agradável pra mim e nem mesmo para a História: a Primeira Guerra Mundial começou no dia 1º de agosto de 1914, as cidades de Hihoshima e Nagasaki foram atacadas com bombas atômicas nos dias 6 e 9 de agosto de 1945, matando mais de 200 mil pessoas, foi em 2 de agosto de 1934 que Adolf Hitler se tornou Chefe de Estado da Alemanha, entre outros fatos... Não é à toa que é considerado o mês dos desgosto ou da desgraça. A expressão "Mês do Cachorro Louco" tem a ver com com as cadelas que ficam no cio, devido as condições climáticas, os cachorros ficam "muito loucos" e brigam para possuir a fêmea.  E não é só bicho que fica louco: Getúlio Vargas se suicidou no dia 24 de agosto de 1954, muitos católicos e protestantes se mataram em nome de Deus na Irlanda do Norte, em 12 de agosto de 1968, Juscelino Kubitscheck morreu num acidente de carro, em agosto de 1976... Aqui em Santos, caiu um avião, qu…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …