Pular para o conteúdo principal

Primeiras Impressões

Por Fernanda Santiago

Para os fãs da escritora britânica Jane Austen, indico a leitura de Primeiras Impressões, da brasileira Lais Rodrigues de Oliveira (LRDO)@leelooluke. Neste livro, a autora fez uma excelente adaptação do eterno clássico Orgulho & Preconceito, de Jane Austen, vivenciando a história no século XXI e com cenários brasileiros, como Búzios. 
Os personagens Darcy, Liz, Jane, Charles, Georgiana, Caroline... continuam fiéis em suas personalidades, mas a autora teve a ousadia de modernizar a história, trazendo toda a vivência ao mundo atual: os personagens trocam e-mails, vão à praia, festas, bares e jantares, situações totalmente diferentes das grandes festas da alta sociedade do século passado, sem contar que as mulheres ganham mais vida neste livro, fugindo de toda repressão da época. 
Eu não tinha lido nada de Jane Austen antes de ler este livro, acabei lendo Orgulho e Preconceito, onde conhecemos a família Bennet, composta pelo patriarca, esposa e suas cinco filhas: Jane, Lizzy, Mary, Kitty e Lydia.
As filhas mais velhas, Jane e Lizzie são as mais sensatas da família. Mary dedica sua vida aos estudos, enquanto Kitty e Lydia são bobas e fúteis, assim como sua mãe, dramática e muito exagerada. Já o patriarca da família, é um homem inteligente e reservado.
O clímax da história inicia com a chegada do jovem, rico e solteiro sr. Bingley a Netherfield Park, todas as mães da região ficam extasiadas com a possibilidade de casar alguma suas filhas com um pretendente tão "bom", a sra Bennet que não vê a hora de casar uma de suas filhas com Bingley.
Junto com Bingley, estão também suas duas irmãs e seu melhor amigo, o solteiro e ainda mais rico sr. Darcy, o sonho de todas as fãs de Jane Austen.
Ler Primeiras Impressões é dar uma nova visão a um clássico de dois séculos atrás. É muito bem escrito, repleto de cenários e detalhes. Indico até para quem não conhece o original. Os personagens do romance, Darcy e Lizzie, continuam apaixonantes e apesar de modernos ainda enfrentam a família conservadora de Darcy. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …