Pular para o conteúdo principal

Rainha frutífera

Uma homenagem especial de Luiz, a sua eterna esposa Vera, a rainha do lar, dos corações e frutífera musa de poesias, canções e emoções, entre filhos e suas gerações: 


Vieste a este mundo 
Em missão especial 
Realizar abençoada 
A incumbência divinal.

Ligação umbilical faz a União maternal com 
Corações ritmados por 
Intervalos musicais, entoarem 
A cantiga da vida, com batimentos naturais.
Fazendo em um ambiente tranquilo 
Executar milagrosamente 
Repetidas notas divinais 
Retiradas das partituras angelicais que 
Estimulam com a arte musical, reger com 
Intensa maestria a multiplicação que 
Reforça o propósito celestial, enquanto 
Aguarda-se o momento ideal.

Depois de nove meses 
Abre-se a cortina transparente! 

Surge, surpreendentemente, um 
Inocente ser inteligente! 
Lindo! Atraente! 
Que vem do seu âmago!
O Amor em forma de gente.

Mãe! Celeiro da vida! Das gerações! 
Tens muito valor! Vieste à esta Terra,
com nobreza e esplendor para mostrar e doar:
o verdadeiro amor.
Diante do certo! Do errado! Na alegria! Na dor! 
Perto! Distante! Seja lá aonde for. 

Querida esposa! Celeiro dos nossos filhos! 
Sustentáculo da nossa família. 
Parabéns! Saúde! Paz!
Hoje e sempre: você é agora, uma estrela que brilha!
Saudades eternas, 
Do seu esposo e filhos. 
Te amamos muito…

Autor: Luiz Augusto da Silva

Uma homenagem agora a todas as mães que dão a luz à vida: 

MÃEZINHA QUERIDA
Imagem: Benjamin Earwicker
Há sessenta e oito anos
O seu ventre eu habitava
Já sentia o seu carinho
Enquanto me esperava.

Mãe: deu-me à luz...
Naturalmente, chorei!
Senti intensa alegria:
_Seu lindo rosto avistei!

Em um mundo bem diferente:
_Desligado do umbilical cordão.
Ganhei vida! Mais vida!
Com  saborosa amamentação.

O tempo não parou...
Recebi seu aconchego.
Protegido em seu braços
Mãe! Nunca senti medo.
Colado! Aconchegado!
Juntinho aos seus  seios
Mãe! Fomos até à igreja:
_Nosso primeiro passeio.

Mãe! Vestes de tão lindas
Que a todos encantavam
Mostravam a habilidade
Do carinho que bordavas!

Ainda pequenino:
Sacramentado! Batizado!
_Avó Henriqueta - madrinha.
_Tio Agostinho - padrinho!

Mãe! Desde a minha infância
Ungido! Protegido pelo Divino!
Por mais velho que eu seja...
Prá senhora mãe! Serei menino!

Conforme me contaram:
Meus dias  tentei descrever!
Mãe! Aproveito deste momento,  
Para ao nosso Deus agradecer!

Não tenho! Não "existem" palavras.
Para agora lhe dizer! Porém, mãe!
Com muito amor vou lhe gradecer!:
_Mãe, obrigado!: Sou ser do seu ser! 

Autor: Luiz Augusto da Silva 

Comentários

Anônimo disse…
Querida Sintonia despertar e deparar com a linda publicação e as belas ilustrações das minhas poesias faz o meu coração o meu coração transbodar de emoção. Faltam-me vocábulos para descrever o carinho por dedicado por você .Sendo assim limito-me a dizer:muito obrigado!Obrigado mesmo!
Bom dia e lindo domingo !Feliz Dia das Mães! Beijos no seu generoso coração! ♡
Deus lhe proteja e faça acontecer sempre na sua vida e da sua família tudo de bom com proteção,amor e união !♡♡♡♡
Até mais! Fica na paz !
Unknown disse…
Bom dia caro amigo Poeta. Muito linda a sua homenagem ao dias das mães. Bom domingo. Feliz Dia das Mães. Bjs. Slafa
Anônimo disse…
Querida amiga Slafa você é muito gentil.Estou feliz por achar linda a minha homenagem.Tenha um bom dia e um lindo domingo.Feliz Dia das Mães juntinha com a sua mãezinha com muita alegria, amor e carinho.Deus abençoe vocês com luz e paz !Beijos ♡♡♡♡ Até mais ! !♡♡♡♡
Luiz Augusto da Silva

Postagens mais visitadas deste blog

Filme: A minha canção de Amor

Fernanda Santiago Valente
O roteiro do filme embora pareça um pouco descosturado, apresenta uma fiel mensagem sobre pessoas solitárias que se esbarram com alguma tragédia na vida. Os personagens centrais da história é Jane, uma cantora que ficou paraplégica após um acidente e Joey,  um amigo que conheceu numa clínica psiquiátrica, que apresenta um transtorno mental que pode ser classificado como a esquizofrenia, pois ouve vozes e vê anjos. A história mostra a não aceitação de Jane por estar nessa condição. Joey, embora perturbado, também foi afetado pelo transtorno após perder toda a sua família. Ele não escolheu isso. No entanto, esses dois solitários se atraem perante suas condições. Podemos sim admitir que deprimidos atraem deprimidos. O percorrer da história é todo um incentivo de Joey, que faz de tudo para que Jane volte a cantar e a se encontrar com o seu filho que acabou deixando para trás por falta de trabalho e recursos financeiros. Uma carta escondida de Jane, enviada por seu…

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)

Obra infantil da brasileira Zia Stuhaug levanta a importância da educação e incentivo à leitura nas crianças

A doce obra “A galinha Suruca da Dona Georgina” conta uma história apaixonante e educativa sobre uma galinha da Angola que decide fugir de casa porque não quer ir à escola. Suruca chegou em um navio a vapor. Dona Georgina lhe deu casa, comida e muito amor. A galinha fez novos amigos e estava feliz com a nova vida, mas sua dona queria que ela estudasse e a matriculou na escola. Suruca não gosta nem um pouco disso e foge, mas problemas fazem parte de sua jornada. Será que ela conseguirá encontrar o caminho de volta para casa? Com ilustrações coloridas e atrativas, os pequenos leitores têm a chance de se deliciar com uma trama divertida, e ao mesmo tempo aprender uma lição indispensável: a importância do estudo. “Então, Dona Georgina comprou cadernos, lápis, apontador e um livro de aventura. Colocou tudo em uma mochila e, falando sem parar, entregou-a a Suruca. Dona Georgina não sabia ler nem escrever, mas fazia gosto que Suruca estudasse (p. 22) Zia Stuhaug, autora renomada, usa uma linguag…