Pular para o conteúdo principal

Bailarina

Por Mário F Montini – 24.05.17

Nasci, voando no vento
No árido, a terra seca
Onde corria, brincando
O sol era o teto do dia
Na noite, sonhos, alegria

Embora o solo áspero
Os pés já não queimavam
A pele já não mais sentia
Tamanha era a alegria
De voar por aquelas cercanias

O sonho, o desejo de voar
Pulando os galhos secos
A vida que sempre vivia
Era a vontade, o desejo
De rodar, ser bailarina


Esticar os desejos dia a dia
Na imensa alegria de ver
Um broto de mandacaru
Que amanhã iria aparecer
Um verde de vida rejuvenescer

Esticar os sonhos acordada
Nos pulos das brincadeiras
Na terra seca assolada
Era juvenil a esperança
De ver a relva, molhada

Da criança, um sonho
O que fazer a bailarina
Senão buscar no sul da vida
Um novo senso de caminhar
Trabalhar e sobreviver agora

A bailarina nos sonhos da vida
Vai caminhar, agora molhada
Na terra de bênçãos, sonhada
No árduo trabalho, vivido
Na dança abençoada do viver
             


Comentários

Luiz Augusto da Silva disse…
Prezado amigo Mário Montini, gosto muito do seu rebuscado e bem ilustrado poema.Isento das lisonjas, isso traz-me alegria suprema. Parabéns e muitas inspirações sempre. Boa noite !☆☆☆Até brevemente...

Postagens mais visitadas deste blog

Uma dica de literatura folclórica para as crianças

*Por Thiago Grass

Desde pequeno sempre tive uma relação muito forte com a leitura. Gostava de ir à biblioteca na escola e ouvia muitas histórias dos meus avós. Curiosamente eles estão presentes até hoje nas narrativas que apresento às crianças. Sobretudo, as peripécias do meu avô, quando, por exemplo, ele encontrou com o Lobisomem no meio do mato, ou quando recebeu a visita da Pisadeira enquanto dormia, ou até mesmo quando criança teve que passar por uma estrada de terra abandonada habitada por um ser misterioso de capa vermelha e olhos brilhantes. A minha dica de leitura tem relação com esse universo do folclore, o qual me sinto intimamente ligado.  Livro – O mais Legal do Folclore Autor – Luciana Garcia 1ª edição 2003. Editora Caramelo Imaginem vocês que, num belo dia, O Saci acorda e percebe que perdeu sua touca. Pior, a roubaram! Justo a fonte do seu poder.  Para ajudar a descobrir quem foi, ele pede ajuda do incansável detetive Negrinho do Pastoreio, que encontra qualquer objeto perdido. …

Rainha frutífera

Uma homenagem especial de Luiz, a sua eterna esposa Vera, a rainha do lar, dos corações e frutífera musa de poesias, canções e emoções, entre filhos e suas gerações: 

Vieste a este mundo  Em missão especial  Realizar abençoada  A incumbência divinal.
Ligação umbilical faz a União maternal com  Corações ritmados por  Intervalos musicais, entoarem  A cantiga da vida, com batimentos naturais. Fazendo em um ambiente tranquilo  Executar milagrosamente  Repetidas notas divinais  Retiradas das partituras angelicais que  Estimulam com a arte musical, reger com  Intensa maestria a multiplicação que  Reforça o propósito celestial, enquanto  Aguarda-se o momento ideal.
Depois de nove meses  Abre-se a cortina transparente! 
Surge, surpreendentemente, um  Inocente ser inteligente!  Lindo! Atraente!  Que vem do seu âmago! O Amor em forma de gente.
Mãe! Celeiro da vida! Das gerações!  Tens muito valor! Vieste à esta Terra, com nobreza e esplendor para mostrar e doar: o verdadeiro amor. Diante do certo! Do errado! Na alegria! …

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …