Pular para o conteúdo principal

Bailarina

Por Mário F Montini – 24.05.17

Nasci, voando no vento
No árido, a terra seca
Onde corria, brincando
O sol era o teto do dia
Na noite, sonhos, alegria

Embora o solo áspero
Os pés já não queimavam
A pele já não mais sentia
Tamanha era a alegria
De voar por aquelas cercanias

O sonho, o desejo de voar
Pulando os galhos secos
A vida que sempre vivia
Era a vontade, o desejo
De rodar, ser bailarina


Esticar os desejos dia a dia
Na imensa alegria de ver
Um broto de mandacaru
Que amanhã iria aparecer
Um verde de vida rejuvenescer

Esticar os sonhos acordada
Nos pulos das brincadeiras
Na terra seca assolada
Era juvenil a esperança
De ver a relva, molhada

Da criança, um sonho
O que fazer a bailarina
Senão buscar no sul da vida
Um novo senso de caminhar
Trabalhar e sobreviver agora

A bailarina nos sonhos da vida
Vai caminhar, agora molhada
Na terra de bênçãos, sonhada
No árduo trabalho, vivido
Na dança abençoada do viver
             


Comentários

Luiz Augusto da Silva disse…
Prezado amigo Mário Montini, gosto muito do seu rebuscado e bem ilustrado poema.Isento das lisonjas, isso traz-me alegria suprema. Parabéns e muitas inspirações sempre. Boa noite !☆☆☆Até brevemente...

Postagens mais visitadas deste blog

Filme: A minha canção de Amor

Fernanda Santiago Valente
O roteiro do filme embora pareça um pouco descosturado, apresenta uma fiel mensagem sobre pessoas solitárias que se esbarram com alguma tragédia na vida. Os personagens centrais da história é Jane, uma cantora que ficou paraplégica após um acidente e Joey,  um amigo que conheceu numa clínica psiquiátrica, que apresenta um transtorno mental que pode ser classificado como a esquizofrenia, pois ouve vozes e vê anjos. A história mostra a não aceitação de Jane por estar nessa condição. Joey, embora perturbado, também foi afetado pelo transtorno após perder toda a sua família. Ele não escolheu isso. No entanto, esses dois solitários se atraem perante suas condições. Podemos sim admitir que deprimidos atraem deprimidos. O percorrer da história é todo um incentivo de Joey, que faz de tudo para que Jane volte a cantar e a se encontrar com o seu filho que acabou deixando para trás por falta de trabalho e recursos financeiros. Uma carta escondida de Jane, enviada por seu…

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)

Obra infantil da brasileira Zia Stuhaug levanta a importância da educação e incentivo à leitura nas crianças

A doce obra “A galinha Suruca da Dona Georgina” conta uma história apaixonante e educativa sobre uma galinha da Angola que decide fugir de casa porque não quer ir à escola. Suruca chegou em um navio a vapor. Dona Georgina lhe deu casa, comida e muito amor. A galinha fez novos amigos e estava feliz com a nova vida, mas sua dona queria que ela estudasse e a matriculou na escola. Suruca não gosta nem um pouco disso e foge, mas problemas fazem parte de sua jornada. Será que ela conseguirá encontrar o caminho de volta para casa? Com ilustrações coloridas e atrativas, os pequenos leitores têm a chance de se deliciar com uma trama divertida, e ao mesmo tempo aprender uma lição indispensável: a importância do estudo. “Então, Dona Georgina comprou cadernos, lápis, apontador e um livro de aventura. Colocou tudo em uma mochila e, falando sem parar, entregou-a a Suruca. Dona Georgina não sabia ler nem escrever, mas fazia gosto que Suruca estudasse (p. 22) Zia Stuhaug, autora renomada, usa uma linguag…