Pular para o conteúdo principal

Há um lugar eterno

Por Fernanda Santiago


A eternidade é algo que me atrai. Não consigo acreditar que não veremos mais aqueles que amamos. Acredito que o nosso tempo aqui na Terra seja só um dia para Deus. Afinal, como descrever o infinito? Ontem fui a um velório de um parente do meu marido. Confesso que não gosto do cheiro daquelas coroas de flores e muito menos de velórios. A única coisa que realmente me faz refletir é que todos um dia estarão ali deitados num caixão. Não dá para saber o dia e hora. Só Deus tem marcado no seu caderno. Algumas mortes são naturais, outras impulsionadas por alguém e muitas suicidas. 
Não sou capaz de julgar onde cada pessoa estará, entre o céu ou inferno, pois este julgamento só cabe a Deus. E se as misericórdias dele duram para sempre e se renovam a cada manhã, então a eternidade, a todos pertence. É fácil apontar o dedo entre bons e maus, mas há muitos homens aparentemente bons que são maus e cruéis. Por isso sempre acreditarei que Deus olha para o coração, o que realmente é importante para Ele. 
Velório também é um lugar de encontros. Familiares e amigos que não se veem há anos. Vira roda de conversa. Não sei se o corpo ali no caixão escuta as conversas. A morte, talvez, poderia ser festa. Alguns choram, outros conversam e riem. Há os íntimos. Há os intrusos. Eu era uma intrusa, pois não tinha nenhuma intimidade com a pessoa. Só observei. 
Foi um velório digno, num cemitério bonito, daqueles que não tem jeito de cemitério. Meu filho quis brincar no parquinho. Algumas pessoas estavam vendo uma exposição de carros. Outras, tomando cafezinho ou chá com biscoitos. Um ambiente de encontro e despedida. Era tarde da noite e a viúva falou: _Vamos ter que fechar a sala. Ele não gosta de escuro, nem de ficar sozinho.
Ela falou como se ele ainda estivesse vivo. Mas ele passou a noite sozinho, na sala do seu velório. É quando a vida mostra que todos enfrentarão seus medos, até o da morte. Eu vi uma borboleta naquela sala. Por um instante pensei: será que Deus o deixou se transformar em borboleta só para poder assistir um pouco sua despedida? Não sei!
Cada um tem a sua história. Cada despedida será diferente. Cada um deixará um legado. E logo, todos se encontrarão novamente, pois acredito no infinito. Acredito que para Deus eu me reencontrarei com os meus amados que foram morar com Ele. Creio que esse reencontro será apenas daqui algumas horas. Pois o nosso tempo aqui na Terra não é o mesmo Tempo para Deus. Prefiro dizer para qualquer um que morre: _até daqui há pouco!
É assim que acredito na eternidade de Deus! Nosso tempo aqui é só um dia para ELE.


Comentários

Pois é minha Sintonia. Só Ele mesmo conhece a nossa história e a nossa trajetória no final da nossa história para a nossa maior glória . É isso que penso agora. Bjos ♡♡♢♡♡
Pois é minha Sintonia. Só Ele mesmo conhece a nossa história e a nossa trajetória no final da nossa história para a nossa maior glória . É isso que penso agora. Bjos ♡♡♢♡♡
Fernanda Valente disse…
O tempo a Deus pertence. Beijos ♥

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!