Pular para o conteúdo principal

Há um lugar eterno

Por Fernanda Santiago


A eternidade é algo que me atrai. Não consigo acreditar que não veremos mais aqueles que amamos. Acredito que o nosso tempo aqui na Terra seja só um dia para Deus. Afinal, como descrever o infinito? Ontem fui a um velório de um parente do meu marido. Confesso que não gosto do cheiro daquelas coroas de flores e muito menos de velórios. A única coisa que realmente me faz refletir é que todos um dia estarão ali deitados num caixão. Não dá para saber o dia e hora. Só Deus tem marcado no seu caderno. Algumas mortes são naturais, outras impulsionadas por alguém e muitas suicidas. 
Não sou capaz de julgar onde cada pessoa estará, entre o céu ou inferno, pois este julgamento só cabe a Deus. E se as misericórdias dele duram para sempre e se renovam a cada manhã, então a eternidade, a todos pertence. É fácil apontar o dedo entre bons e maus, mas há muitos homens aparentemente bons que são maus e cruéis. Por isso sempre acreditarei que Deus olha para o coração, o que realmente é importante para Ele. 
Velório também é um lugar de encontros. Familiares e amigos que não se veem há anos. Vira roda de conversa. Não sei se o corpo ali no caixão escuta as conversas. A morte, talvez, poderia ser festa. Alguns choram, outros conversam e riem. Há os íntimos. Há os intrusos. Eu era uma intrusa, pois não tinha nenhuma intimidade com a pessoa. Só observei. 
Foi um velório digno, num cemitério bonito, daqueles que não tem jeito de cemitério. Meu filho quis brincar no parquinho. Algumas pessoas estavam vendo uma exposição de carros. Outras, tomando cafezinho ou chá com biscoitos. Um ambiente de encontro e despedida. Era tarde da noite e a viúva falou: _Vamos ter que fechar a sala. Ele não gosta de escuro, nem de ficar sozinho.
Ela falou como se ele ainda estivesse vivo. Mas ele passou a noite sozinho, na sala do seu velório. É quando a vida mostra que todos enfrentarão seus medos, até o da morte. Eu vi uma borboleta naquela sala. Por um instante pensei: será que Deus o deixou se transformar em borboleta só para poder assistir um pouco sua despedida? Não sei!
Cada um tem a sua história. Cada despedida será diferente. Cada um deixará um legado. E logo, todos se encontrarão novamente, pois acredito no infinito. Acredito que para Deus eu me reencontrarei com os meus amados que foram morar com Ele. Creio que esse reencontro será apenas daqui algumas horas. Pois o nosso tempo aqui na Terra não é o mesmo Tempo para Deus. Prefiro dizer para qualquer um que morre: _até daqui há pouco!
É assim que acredito na eternidade de Deus! Nosso tempo aqui é só um dia para ELE.


Comentários

Pois é minha Sintonia. Só Ele mesmo conhece a nossa história e a nossa trajetória no final da nossa história para a nossa maior glória . É isso que penso agora. Bjos ♡♡♢♡♡
Pois é minha Sintonia. Só Ele mesmo conhece a nossa história e a nossa trajetória no final da nossa história para a nossa maior glória . É isso que penso agora. Bjos ♡♡♢♡♡
Fernanda Valente disse…
O tempo a Deus pertence. Beijos ♥

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Atypical, o que você precisa saber sobre o autismo

Fernanda Santiago Valente Você quer saber um pouco mais como é a vida de um garoto com o transtorno do espectro autista que está entrando na vida adulta? Para isso vale a pena assistir a série Atypical que está na Netflix desde o começo do mês de agosto. Não tem como não se apaixonar pelo personagem Sam, que está na fase de descobertas e quer arranjar uma namorada. É nessa busca pela paixão que se desenrola a história. Vamos entender como funciona a sua personalidade e como a situação afeta aqueles que estão ao seu redor. Algo muito interessante a se observar é a relação dele com a psicóloga. Sam se apaixona por ela. Isso é muito comum acontecer com paciente e profissional de sexos opostos, geralmente os pacientes que tem algum tipo de transtorno sempre se apaixonam por seus psicólogos.


Sam, apresentando os sintomas mais nítidos do espectro autista é um adolescente que tem sentimentos como qualquer outro. A única diferença é que seus sentimentos não são interpretados de forma comum. O ro…