Pular para o conteúdo principal

Positividade e negatividade

Por Caroline Trevisan 

Você já pensou em fugir? Sair sem destino? Olhar para o nada e refletir? Deixar de lado o que te faz mal? 
Isso tudo faria a diferença no seu dia-a-dia se fosse feito pelo menos uma vez e assim diminuiria aquela carga pesada de energia negativa, stress e preocupação. Quem já ouviu falar entenderá o que quero dizer, pensamento bom e estado bom atrai coisas boas e o mesmo acontece no negativo. 
Certo dia eu estava andando de volta para casa com meus pensamentos longe e um pouco estressantes. De repente, eu tropecei em uma parte da calçada que estava quebrada, quando eu vi já estava caída no chão. Resultado: luxei o pé, machuquei o joelho o qual eu não conseguia dobrar, pois doía muito. Mas fui ao médico, tomei remédio e fiquei melhor. 
Outro episódio aconteceu recentemente: eu caí na minha aula de dança, fui ao médico e foi diagnosticado como entorse e ganhei dois dias de atestado sendo que eu nem trabalho no fim de semana. Entretanto, fiz a compressa, tomei remédio de acordo com a recomendação médica e melhorei. 
No início da semana retornei a minha jornada de trabalho normal, mas pensando como faria com as minhas aulas de dança. Então resolvi ir novamente a uma consulta com o ortopedista, desta vez o do meu convênio. No raio x foi constatado o seguinte: quebrei o dedão do pé esquerdo e fiz uma pequena fratura no canto do pé direito. 
Conclusão: estou afastada 14 dias e com o pé imobilizado. 
Muitos ficariam tristes, nervosos e não aguentariam ficar de repouso. Eu estou com a minha mente calma e tranquila, mesmo preocupada em ajudar meus pais nas tarefas de casa e sei que é para o meu bem. Assim evitarei problemas futuros e terei tempo para adiantar umas pendências do blog, estudos, vida pessoal, etc. 
Moral da história: atraia pensamentos positivos. 


Comentários

Caroline gosto muito do pulicado.Você está bem certa na sua conclusão.Nada é melhor nesta vida tornar simples o complexo evitando confusão através da oração junto à meditação. Espero que goste do que
São palavras sincereras brotando do meu coração. Um be
Caroline gosto muito da sua publicação .Você está bem certa na sua conclusão.Nada há de melhor nesta vida tornar simples o complexo evitando confusão através da oração junto à meditação. Espero lhe agradar com meu escrito. São palavras sinceras saindo do meu coração e vêm do infinito.Gostou? Ah!Não gostou...Que pena!Mas sem convencimento sei que ao meu comentário pelo menos acha bonito. Beijos.O meu coração está aflito ♡(só riso)

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…