Pular para o conteúdo principal

Perda de memória e surf adaptado são temas de curtas-metragens que estreiam no SescTV

O documentário “Aloha”, de Nildo Ferreira e Paula Luana Maia, e a ficção “Dona Cristina Perdeu a Memória”, de Ana Luiza Azevedo, vão ao ar no dia 3/8, quinta, a partir das 21h
Imagem: Divulgação

Com curadoria de Zita Carvalhosa, a série Diferente Como Todo Mundo, sobre deficientes físicos ou mentais, que estreou em julho no SescTV,
 exibe, na sequência, dois curtas-metragens premiados. O documentário Aloha (15’, 2010), dirigido por Nildo Ferreira e Paula Luana Maia, fala sobre surfistas com necessidades especiais, que praticam o surf adaptado; e a ficção Dona Cristina Perdeu a Memória (13’, 2002), dirigida por Ana Luiza Azevedo, sobre a amizade entre um garoto de oito anos e sua vizinha, de 80, que confunde suas lembranças. As atrações vão ao ar no dia 3/8, quinta, a partir das 21h (assista também em sesctv.org.br/avivo).

O curta Aloha mostra como a tecnologia ajudou surfistas deficientes a se superarem e se unirem, com a pratica do surf adaptado. O surfista Henrique explica que essa modalidade do surf se ajusta de acordo com a necessidade de cada pessoa. Um dos mais importantes surfistas brasileiros, Taiu Bueno comenta sobre sua experiência em voltar a surfar - com uma prancha adaptada - depois de ficar 18 anos distantes das ondas, devido a um acidente que sofreu e imobilizou parte de seu corpo. “Hoje é um sonho se tornando realidade”, expressa. 
Logo depois, em Dona Cristina Perdeu a Memória, o garoto Antônio, em frequentes encontros matinais com sua vizinha, descobre que ela conta histórias diferentes sobre sua vida, seus parentes e os santos de cada dia, demonstrando esquecimento e falha da memória.  Dona Cristina acredita que o menino pode ajudá-la a recuperar suas lembranças. 
Sobre Diferente Como Todo Mundo:
É uma série inédita na televisão, que retrata personagens com deficiências físicas e mentais, sendo protagonistas de suas próprias histórias. Os filmes apresentados participaram, em épocas distintas, do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo – fundado por Zita Carvalhosa, em 1989, com correalização do Sesc desde 1996. O recorte é exibido com exclusividade pelo canal e conta com 20 produções brasileiras. A série surgiu a partir de programa de mesmo nome, que integrou a 27ª edição do festival, em 2016, em parceria com o Festival Internacional do Filme, em Cannes, na França.
Sobre o SescTV: 
SescTV é um canal de difusão cultural do Sesc em São Paulo, distribuído gratuitamente, que tem como missão ampliar a ação do Sesc para todo o Brasil. Sua grade de programação é permeada por espetáculos, documentários, filmes e entrevistas. As atrações apresentam shows gravados ao vivo com grandes nomes da música e da dança. Documentários sobre artes visuais, teatro e sociedade abordam nomes, fatos e ideias da cultura brasileira. Ciclos temáticos de filmes e programas de entrevistas sobre literatura, cinema e outras artes também estão presentes na programação.


Serviço:
Série: 
Diferente Como Todo Mundo
Curadoria: Zita Carvalhosa
Curta:
Aloha (15’, 2010) 
Estreia: 3/8, quinta, às 21h
Reapresentações: 5/8, sábado, às 20h; 6/8, domingo, às 6h30 e às 13h30; 7/8, segunda, às 22h; 8/8, terça, às 15h30; e 9/8, quarta, às 6h30.
Classificação indicativa: Livre
Direção: Nildo Ferreira e Paula Luana Maia
Dona Cristina Perdeu a Memória (14’, 2002) 
Estreia: 3/8, quinta, às 21h15
Reapresentações: 5/8, sábado, às 20h15; 6/8, domingo, às 6h45 e às 13h45; 7/8, segunda, às 22h15; 8/8, terça, às 15h45; e 9/8, quarta, às 6h45.
Classificação indicativa: Livre
Direção: Ana Luiza Azevedo
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de celebrar

Celebramos aqueles que marcam, pais presentes que deixaram memórias. Parabéns a todos os papais que são presentes na vida dos seus filhos. Hoje, dois poemas em homenagens aos papais que já estão no plano celeste:

Ainda lembro o que passou
Por Fernanda Valente
Era um dia ensolarado Num quarto de hospital Dentro, tudo escuro Lá fora, algo que não veria mais Foi o último olhar Que carrego há 29 anos Parece que foi ontem... Ainda carrego a última frase dentro do coração: _Nunca corte o seu cabelo! (ele gostava de cabelos compridos) Ele sabia que iria partir Sabia que não voltaria mais Eu era uma criança Não compreendia ainda aquele olhar tão triste Lembro que ele emagreceu muito Lembro que já não tinha cabelos Eu era criança, mas lembro Lembro também dos bons momentos Eu o esperava chegar do trabalho Jamais ia dormir sem lhe dar um beijo Ele sempre chegava com um presente _canetas coloridas, lápis de cor, cadernos Era disso que eu gostava Foi com ele que aprendi a escrever Mas ele não me viu crescer...

Psicologia, Autoconhecimento e Autoestima: O reflexo de tudo

Por Fernanda Valente


No módulo de Psicologia do Desenvolvimento: quadros clínicos, da minha pós em Educação Especial e inclusiva, com a Dra. Patrícia Widmer, aprendi que estamos aqui neste mundo para problematizar as coisas e que o desafio da realidade é sempre diferente dos nossos planos. O que é o desenvolvimento e como ele acontece? Nosso senso comum faz parte da Psicologia. Este senso faz parte do nosso desenvolvimento. A Psicologia faz parte disso tudo. São os conhecimentos acumulado, intuitivo, espontâneo, vida prática, situações do nosso cotidiano que são diferentes do conhecimento cientifico: realidade e abstração. A Psicologia começou com a Filosofia a partir de questões existenciais. Nossa mente está relacionada a nossa psiquê, nossa alma, o inconsciente. Faz parte do cérebro, mas não estamos vendo. Ela está relacionada às nossas fantasias, devaneios, brincadeiras, imaginação, etc. É um conhecimento que acumulamos através das nossas vivências. A Psicologia vai estudar o ser h…

Dedicação e Amor

Por Luiz Augusto da Silva
Quando ainda menino Os estudos iniciava Sempre muito animada Minha avó me incentiva. Fazia tudo com carinho Do fundo do coração  Fortalecida pelo amor Com muita dedicação.  Preparava minha merenda Pãezinhos com goiabada Um prazer muito grande Na sua voz eu notava. Seguia-me ao portão  Até eu virar a esquina Seguindo o meu caminho Para uma escola pequenina. Durante a minha infância  Nunca vi nada igual O seu amor é bondade Transcediam ao natural. Hoje mais uma vez Relembrando o seu amor Com saudades faço votos: Que no seu descanso eterno Hajam hinos de louvor.
Agosto/2008 In Memorian: Henriqueta Maria  da Silva. (avó materna)