Pular para o conteúdo principal

Psicologia, Autoconhecimento e Autoestima: O reflexo de tudo

Por Fernanda Valente



No módulo de Psicologia do Desenvolvimento: quadros clínicos, da minha pós em Educação Especial e inclusiva, com a Dra. Patrícia Widmer, aprendi que estamos aqui neste mundo para problematizar as coisas e que o desafio da realidade é sempre diferente dos nossos planos. O que é o desenvolvimento e como ele acontece? Nosso senso comum faz parte da Psicologia. Este senso faz parte do nosso desenvolvimento. A Psicologia faz parte disso tudo. São os conhecimentos acumulado, intuitivo, espontâneo, vida prática, situações do nosso cotidiano que são diferentes do conhecimento cientifico: realidade e abstração.
A Psicologia começou com a Filosofia a partir de questões existenciais. Nossa mente está relacionada a nossa psiquê, nossa alma, o inconsciente. Faz parte do cérebro, mas não estamos vendo. Ela está relacionada às nossas fantasias, devaneios, brincadeiras, imaginação, etc. É um conhecimento que acumulamos através das nossas vivências. A Psicologia vai estudar o ser humano como um todo, englobando o nosso comportamento, emoções, desenvolvimento cognitivo, desenvolvimento infantil (citando os por quês da vida) e o apoio emocional que adquirimos.
Também está presente nos nossos sonhos, que nos faz repensar e voltar para nós mesmos. Deveríamos ter o hábito de anotar os nossos sonhos, pois quando dormimos a nossa consciência relaxa e a mente consciente não dá conta da complexidade e profundidade do nosso cérebro: São as impressões, o djavour, fragmentos de tudo o que fazemos e vivemos em sinapses.
A Psicologia também está no Senso Comum e visão de mundo do ser humano. O complexo é um termo da Psicologia. Dizemos o tempo todo: _Estou deprimido! _Fiquei Neurótico! _Ela é histérica! São termos que vão se socializando, mas na verdade, são doenças. São construídos domínios do conhecimento humano, a partir da ciência, senso comum, filosofia, religião e arte.
A ciência é um objeto de estudo da realidade através de uma linguagem mais rigorosa, métodos e técnicas específicas e processo acumulativo do conhecimento. Vamos estudar o homem, como principal objeto de estudo, tratando de diferentes ciências, concepções, dentro da História, Filosofia e Sociologia. Nisso, tratamos da subjetividade desse homem, que são o conjunto de todas as suas expressões, as visíveis, como o comportamento, as invisíveis, como os nossos sentimentos, as singulares, porque somos quem somos?; as genéricas (Por que somos todos assim?), o corpo, o pensamento, o afeto e a ação. São todas essas expressões que formam o ser humano.  Essa subjetividade está na nossa maneira de ver, sentir, pensar, fantasiar, sonhar e amar, constituindo a nosso jeito de ser. A subjetividade não é inata, sempre é construída. Quando o homem transforma o mundo externo, ele constrói e transforma a si mesmo.  Essas experiências causam impactos, quando somos afetados.
É por isso que estudamos também a autoestima, que tem a ver com o grau de satisfação sobre nós mesmo. Uma pessoa que não tem a autoestima boa não consegue fazer os outros felizes. A autoestima é importante para a nossa saúde mental, pois tem a ver com a nossa subjetividade em relação a construção pessoal e essa saúde subjetiva não é igual para todos. A autoestima não tem só a ver com beleza, significa o quanto estou satisfeita com quem eu sou. Tem a ver com os meus valores e cultura.
Para quem sofre alguma deficiência, devemos estimular a autoestima. Confiar no que estamos fazendo tem a ver com a nossa autoestima. Assim, acreditar na profissão que exerço, também tem poder de estimular a minha autoestima, pois acreditando naquilo que somos capazes, tudo flui.
Não é fórmula, mas sim, o interesse. Abaixo seguem alguns vídeos que abordaram a questão da autoestima. A maneira que nos vemos não é a mesma que o outro nos ver.
Em retratos, isso foi bem relatado. As mulheres tinham uma imagem muito baixa sobre elas mesmo. Penso que nós mulheres, nos subestimamos demais em relação a nossa imagem.


Entre a porta escrito “Bonita” e “Comum”, a maioria das mulheres optaram pela porta comum, outras entraram pela porta da Beleza, mostrando grande autoestima. Algumas ficaram em dúvida em qual porta entrar.

O adesivo da beleza serviu como uma palavra de afirmação: _Ei, você é bonita! Todas melhoraram a autoestima quando estavam usando o adesivo, mas quando falaram que ele não era real, a reação foi, “Eu só preciso acreditar no que eu sou”.
O que eu sou? Pudemos refletir sobre quem somos. Tem gente que repete sempre o mesmo comportamento, achando que obterá resultado diferente. Devemos sempre nos perguntar: Por que postei essa foto no Facebook ou no Instagram? Por que estou num trabalho que não me satisfaz? O que me alegra? Que tipo de sociedade eu quero ajudar a construir?
Não temos respostas para tudo, mas não podemos deixar de questionar sobre a vida. O que fazer para buscar o meu potencial? Como ser a melhor pessoa que posso ser? Se algo não me afetar, nunca buscarei ser quem realmente sou. O afeto só acontece se eu permitir.
Sempre há tempo para nos desenvolvermos naquilo que melhor podemos ser.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de celebrar

Celebramos aqueles que marcam, pais presentes que deixaram memórias. Parabéns a todos os papais que são presentes na vida dos seus filhos. Hoje, dois poemas em homenagens aos papais que já estão no plano celeste:

Ainda lembro o que passou
Por Fernanda Valente
Era um dia ensolarado Num quarto de hospital Dentro, tudo escuro Lá fora, algo que não veria mais Foi o último olhar Que carrego há 29 anos Parece que foi ontem... Ainda carrego a última frase dentro do coração: _Nunca corte o seu cabelo! (ele gostava de cabelos compridos) Ele sabia que iria partir Sabia que não voltaria mais Eu era uma criança Não compreendia ainda aquele olhar tão triste Lembro que ele emagreceu muito Lembro que já não tinha cabelos Eu era criança, mas lembro Lembro também dos bons momentos Eu o esperava chegar do trabalho Jamais ia dormir sem lhe dar um beijo Ele sempre chegava com um presente _canetas coloridas, lápis de cor, cadernos Era disso que eu gostava Foi com ele que aprendi a escrever Mas ele não me viu crescer...

Dedicação e Amor

Por Luiz Augusto da Silva
Quando ainda menino Os estudos iniciava Sempre muito animada Minha avó me incentiva. Fazia tudo com carinho Do fundo do coração  Fortalecida pelo amor Com muita dedicação.  Preparava minha merenda Pãezinhos com goiabada Um prazer muito grande Na sua voz eu notava. Seguia-me ao portão  Até eu virar a esquina Seguindo o meu caminho Para uma escola pequenina. Durante a minha infância  Nunca vi nada igual O seu amor é bondade Transcediam ao natural. Hoje mais uma vez Relembrando o seu amor Com saudades faço votos: Que no seu descanso eterno Hajam hinos de louvor.
Agosto/2008 In Memorian: Henriqueta Maria  da Silva. (avó materna)