Pular para o conteúdo principal

SescTV estreia Diferente Como Todo Mundo, seleção de curtas-metragens sobre pessoas com deficiências físicas ou mentais

Os filmes participaram do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e estreiam no dia 20/7, quinta, às 21h, com curadoria de Zita Carvalhosa Curta: Escute. 

Com o objetivo de levar ao espectador, sentimentos, emoções, desafios pessoais e de interação social de deficientes físicos ou mentais, e proporcionar mais visibilidade a esses cidadãos, o SescTV estreia neste mês a série Diferente Como Todo Mundo, com curadoria de Zita Carvalhosa. Serão exibidas 20 produções, com durações entre 9 e 25 minutos, que participaram, em épocas distintas, do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo – fundado por Zita, em 1989, com correalização do Sesc desde 1996. O recorte inédito para a televisão surgiu a partir do programa de mesmo nome, que integrou a 27ª edição do festival, em 2016, em parceria com o Festival Internacional do Filme, em Cannes, na França. A partir de narrativas de pessoas com alguma deficiência, seja limitação do funcionamento físico-motor, problemas de mobilidade ou de crescimento, sejam questões mentais, psiquiátricas ou de memória, os curtas-metragens fazem dos deficientes protagonistas de suas próprias histórias. A primeira produção a ser apresentada, no dia 20/7, quinta, às 21h (assista também em sesctv.org.br/aovivo), é o premiado documentário Escute (25’, 2015), dirigido por Manoela Meyer. O filme aborda percepções e experiências de deficientes visuais no cinema, como profissionais ou meros admiradores da sétima arte. O curta ainda utiliza o recurso de audiodescrição. Mário Fioranni, neurocientista da Universidade Federal do Rio de Janeiro – URFJ e especialista em visão, fala sobre o sistema visual dos humanos que ocupa 1/3 do córtex. Ele explica que o ato de abrir o olho, aparentemente simples, é o mais sofisticado que o cérebro é capaz de fazer. “É o que gasta mais processamento do sistema nervoso”, comenta. Curioso e criativo, o cineasta João Júlio, 48 anos e cego desde os 30, foi ao 47º Festival de Brasília no Cinema Brasileiro e conta que as pessoas não entenderam o que foi fazer ali. Ele revela sua experiência em dirigir um filme mudo. O diretor da Associação de Deficientes Visuais e Amigos, Markiano Charan Filho, 70 anos e cego desde bebê, diz que o fato de deficientes visuais frequentarem cinema é tão importante como comer e andar. Cego desde os quatro anos, o italiano Mirco Mencacci, 53 anos e sound designer, fala sobre um curta-metragem que produziu sem barulho, porém com 64 sons. “Esse silêncio eu criei gravando dezenas e dezenas de horas de silêncio na igreja, mas pegando um conjunto de pequenos sons”, esclarece. A audiodescrição, recurso utilizado em obras cinematográficas para possibilitar o entendimento pelo deficiente visual, também é tema do filme. Bell Machado, audiodescritora especializada em cinema afirma que é importante respeitar a autoria e a linguagem do diretor no momento de elaborar a audiodescrição. Luís Henrique Mauch, fundador da Ong Mais Diferenças, vê o diretor como a melhor indicação para criar um roteiro de audiodescrição. Já Rubens Rewald, cineasta e professor da Universidade de São Paulo – USP, fica fascinado ao ver outras pessoas fazendo narrativas de um trabalho seu para aqueles que não enxergam ou têm pouca visão. “Para mim é incrível um monte de gente tentando narrar uma cena que eu tinha escrito, buscando a melhor palavra”. Além deste, o SescTV estreia em julho outro filme premiado, Criaturas que Nasciam em Segredo (21’, 1995), dirigido por Chico Teixeira. No ar dia 27, quinta, às 21h, o documentário reúne depoimentos de anões, homens e mulheres, sobre suas vidas na metrópole, abordando questões como o preconceito, a sexualidade, os sonhos, as dificuldades de encontrar trabalho e a vida familiar.
Serviço:
 
Estreia da série:
Diferente Como Todo Mundo
Curadoria: Zita Carvalhosa
 
1ª exibição:
Escute (25’, 2015)
Estreia: 20/7, quinta, às 21h
Reapresentações: 22/7, sábado, às 20h; 23/7, domingo, às 6h30 e às 13h30; 24/7, terça, às 15h30; e 26/6, quarta, às 6h30.
Classificação indicativa:Livre
Direção: Manoela Meyer
 
Criaturas que Nasciam em Segredo (21’, 1995)
Estreia: 27/7, quinta, às 21h
Classificação indicativa: 10 anos
Reapresentações: 29/7, sábado, às 20; 23/7, domingo, às 6h30 e às 13h30; 31/7, segunda, às 22h; 1/8, terça, às 15h30; e 2/8, quarta, às 6h30.
Direção: Chico Teixeira
 
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https://facebook.com/sesctv
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...