Pular para o conteúdo principal

Curta-metragem mostra a trajetória da medalhista cega Terezinha Guilhermina

O filme sobre a atleta brasileira campeã nos Jogos Paralímpicos de Londres será exibido no dia 24/9, quinta, às 21h, no SescTV

Imagem: Divulgação

A velocista cega Terezinha Guilhermina conquistou, ao lado de seu guia, Guilherme Santana, duas medalhas de ouro nas provas de 100m e 200m rasos, nos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012. A união dos dois esportistas que marcaram a história do atletismo brasileiro é narrada no documentário A Valsa do Pódio (25’, 2013), dirigido por Bruno Carneiro e Daniel Hanai. A produção, que estreia no dia 24/8, quinta, às 21h, no SescTV, faz parte da série Diferente Como Todo Mundo, de curadoria de Zita Carvalhosa, que aborda deficientes físicos e mentais (assista também em sesctv.org.br/avivo).

                                                                                  
Nascida no município de Betim, interior de Minas Gerais, Terezinha descobriu, ainda criança, que tinha retinose pigmentar – doença hereditária que causa a degeneração da retina e ocasiona a perda gradual da visão. “Mesmo que tenha sido uma notícia drástica, para mim foi um bálsamo, porque eu tive que me preparar para sobreviver e aprender a ser feliz sem enxergar”, conta a atleta sobre a doença que acomete também mais quatro irmãos. 
O título do filme faz uma referência à dança realizada pela atleta, junto ao seu guia Guilherme, no pódio dos Jogos Paralímpicos de Londres. “Nós dois somos um, eu com venda e ele sem, mas a gente se completa na pista e forma um time”, comenta Terezinha. Eles falam sobre suas vitórias e trajetórias de vida e revelam a sintonia e o entrosamento que lhes deram fôlego para superar as adversidades e conseguir as medalhas. 

Serviço:
Série: 
Diferente Como Todo Mundo
Curadoria: Zita Carvalhosa
Curta:
A Valsa do Pódio (26’, 2013) 
Direção: Bruno Carneiro e Daniel Hanai
Estreia: 24/9, quinta às 21h
Reapresentações: 26/9, sábado, às 20h; 27/9, domingo, às 6h30 e às 13h30; 28/9, segunda, às 22h; 29/9, terça, às 15h30; e 30/9, quarta, às 6h30.
Classificação indicativa: Livre
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…