Pular para o conteúdo principal

Qual é o choque?

Por Fernanda Valente

Alguém já apontou a arma para você? Se sim, logo de primeira levou um choque. As pernas começaram a tremer e a reação é de que o coração vá pular fora. Senti isso quando tinha uns 20 anos e caminhava por uma rua escura. Difícil lembrar a fisionomia da pessoa armada, mas com a arma apontada pediu meu dinheiro. Joguei tudo. Só lembro que o cara falou: _Se você não tiver nada te apago agora mesmo!
Este momento foi o suficiente para eu evitar ruas escuras até hoje. Também evito de sair sozinha. Foi um choque que trouxe uma prevenção, apesar de eu achar que em nenhum lugar estamos livres dessas fatalidades e é disso que eu quero falar. 
Em algum momento você levará um choque: um parceiro que olhará dentro dos seus olhos e dirá: Eu não te amo mais!; uma amiga que trairá sua amizade; uma pessoa que você admirava, mas que descobre de repente que é uma provocadora de contendas; alguém que tira a máscara e assume o lado ruim do que realmente é. 
A vida é cheia desses choques, mas o importante é saber o que fará com eles. Um desses choques me evitou caminhos escuros, mas algo que não se dar para evitar são os relacionamentos. Não é porque um amor não deu certo que não me darei bem com outro. Não é por causa de uma intriga que não confiarei mais em outras pessoas. E a face ruim que alguém me mostra pode sim ser algo positivo. Afinal, são esses que conseguem nos levantar, pois após um choque é necessário encarar. Pode ser como um tiro no coração, mas depois de tudo terá uma outra visão. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de celebrar

Celebramos aqueles que marcam, pais presentes que deixaram memórias. Parabéns a todos os papais que são presentes na vida dos seus filhos. Hoje, dois poemas em homenagens aos papais que já estão no plano celeste:

Ainda lembro o que passou
Por Fernanda Valente
Era um dia ensolarado Num quarto de hospital Dentro, tudo escuro Lá fora, algo que não veria mais Foi o último olhar Que carrego há 29 anos Parece que foi ontem... Ainda carrego a última frase dentro do coração: _Nunca corte o seu cabelo! (ele gostava de cabelos compridos) Ele sabia que iria partir Sabia que não voltaria mais Eu era uma criança Não compreendia ainda aquele olhar tão triste Lembro que ele emagreceu muito Lembro que já não tinha cabelos Eu era criança, mas lembro Lembro também dos bons momentos Eu o esperava chegar do trabalho Jamais ia dormir sem lhe dar um beijo Ele sempre chegava com um presente _canetas coloridas, lápis de cor, cadernos Era disso que eu gostava Foi com ele que aprendi a escrever Mas ele não me viu crescer...

Psicologia, Autoconhecimento e Autoestima: O reflexo de tudo

Por Fernanda Valente


No módulo de Psicologia do Desenvolvimento: quadros clínicos, da minha pós em Educação Especial e inclusiva, com a Dra. Patrícia Widmer, aprendi que estamos aqui neste mundo para problematizar as coisas e que o desafio da realidade é sempre diferente dos nossos planos. O que é o desenvolvimento e como ele acontece? Nosso senso comum faz parte da Psicologia. Este senso faz parte do nosso desenvolvimento. A Psicologia faz parte disso tudo. São os conhecimentos acumulado, intuitivo, espontâneo, vida prática, situações do nosso cotidiano que são diferentes do conhecimento cientifico: realidade e abstração. A Psicologia começou com a Filosofia a partir de questões existenciais. Nossa mente está relacionada a nossa psiquê, nossa alma, o inconsciente. Faz parte do cérebro, mas não estamos vendo. Ela está relacionada às nossas fantasias, devaneios, brincadeiras, imaginação, etc. É um conhecimento que acumulamos através das nossas vivências. A Psicologia vai estudar o ser h…

Dedicação e Amor

Por Luiz Augusto da Silva
Quando ainda menino Os estudos iniciava Sempre muito animada Minha avó me incentiva. Fazia tudo com carinho Do fundo do coração  Fortalecida pelo amor Com muita dedicação.  Preparava minha merenda Pãezinhos com goiabada Um prazer muito grande Na sua voz eu notava. Seguia-me ao portão  Até eu virar a esquina Seguindo o meu caminho Para uma escola pequenina. Durante a minha infância  Nunca vi nada igual O seu amor é bondade Transcediam ao natural. Hoje mais uma vez Relembrando o seu amor Com saudades faço votos: Que no seu descanso eterno Hajam hinos de louvor.
Agosto/2008 In Memorian: Henriqueta Maria  da Silva. (avó materna)