Pular para o conteúdo principal

Qual foi a última vez que você enviou uma carta pelo correio?

Por Fernanda Valente

Em época de e-mail's, whatsapp, facebook e outras mídias digitais, expomos a todos o que sentimos e nada mais é íntimo. Através de um "print" ou cópia, posso enviar para outra pessoa ver a declaração de amor que um amigo, famoso ou desconhecido fez pelo Facebook. Há quanto tempo você não escreve uma declaração de amor no papel?
Sempre gostei de escrever e receber cartas, de amigas ou namorado. Claro que quando eu era adolescente essas redes sociais não existiam. Ficaria muito triste se algum amigo ou ex-namorado tirassem fotos de cartas que escrevi e postassem na Internet para todos verem, curtir, comentar e compartilhar... Por quê?
Uma carta é individual, particular e íntima. Penso que o mesmo são para as relações amorosas. Vejo atualmente, casais cobrando declarações um do outro pelo Facebook. O fato da pessoa não ficar escrevendo o que sente para todos explicitamente não significa que seu parceiro não lhe ame. O amor hoje em dia anda compartilhado demais!
Quer fazer alguém feliz? Escreva uma carta. Deixe alguém sentir a emoção de receber uma carta pelo correio.com sua letra, sua assinatura ou beijo marcado de batom. Existe algo mais brega, íntimo e lindo? Quem sabe até pingar um pouquinho do seu perfume. Afinal, que graça tem a vida sem essas sensações? Toques e expressões. 
Há uns dois anos selecionei umas 50 pessoas que eu gosto muito e enviei cartões de Natal feitos por mim. Escrevi mensagens de amor nuns corações de papel. Alguns amigos me retribuíram com outro cartão. Fiquei muito feliz, pois em época de Internet quase ninguém faz isso. Outros amigos tiraram foto do cartão que enviei e agradeceram de forma exposta. 
Aprendi com isso que não preciso ficar mostrando para o outro o quanto eu sou amada. Existem pessoas que preferem não gritar amor. Eu sou uma dessas pessoas. Prefiro tocar com gestos ou lembranças eternas. A troca de cartas e palavras precisam de intimidade, pois a vida real são abraços apertados e não apenas "selfs".

Obs: Hoje é o dia nacional do selo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Espetáculo narra a história da escritora Conceição Evaristo na Oficina Cultural Alfredo Volpi

O trabalho tem trilha sonora ao vivo, unindo literatura e música
Uma das principais escritoras da literatura brasileira, Conceição Evaristo é homenageada no espetáculo Canto de vida e obra: Conceição Evaristo, que acontece no dia 30 de novembro, quinta-feira às 20h na Oficina Cultural Alfredo Volpi, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo gerenciada pela Poiesis. O trabalho do Coletivo Morabeza transforma a história da escritora em uma narrativa literária e musical. Encenado desde agosto de 2016, já foi apresentado em espaços como Sesc Santos, Itaú Cultural, Sesc 24 de Maio, entre outros.
Nascida em Belo Horizonte em 1946, Conceição Evaristo conciliou os estudos com o trabalho como empregada doméstica até concluir o curso Normal – habilitado para lecionar no ensino fundamental, em 1971, aos 25 anos. Mudou-se então para o Rio de Janeiro, onde passou em um concurso público para o magistério e estudou Letras na Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Também é mest…