Pular para o conteúdo principal

Qual foi a última vez que você enviou uma carta pelo correio?

Por Fernanda Valente

Em época de e-mail's, whatsapp, facebook e outras mídias digitais, expomos a todos o que sentimos e nada mais é íntimo. Através de um "print" ou cópia, posso enviar para outra pessoa ver a declaração de amor que um amigo, famoso ou desconhecido fez pelo Facebook. Há quanto tempo você não escreve uma declaração de amor no papel?
Sempre gostei de escrever e receber cartas, de amigas ou namorado. Claro que quando eu era adolescente essas redes sociais não existiam. Ficaria muito triste se algum amigo ou ex-namorado tirassem fotos de cartas que escrevi e postassem na Internet para todos verem, curtir, comentar e compartilhar... Por quê?
Uma carta é individual, particular e íntima. Penso que o mesmo são para as relações amorosas. Vejo atualmente, casais cobrando declarações um do outro pelo Facebook. O fato da pessoa não ficar escrevendo o que sente para todos explicitamente não significa que seu parceiro não lhe ame. O amor hoje em dia anda compartilhado demais!
Quer fazer alguém feliz? Escreva uma carta. Deixe alguém sentir a emoção de receber uma carta pelo correio.com sua letra, sua assinatura ou beijo marcado de batom. Existe algo mais brega, íntimo e lindo? Quem sabe até pingar um pouquinho do seu perfume. Afinal, que graça tem a vida sem essas sensações? Toques e expressões. 
Há uns dois anos selecionei umas 50 pessoas que eu gosto muito e enviei cartões de Natal feitos por mim. Escrevi mensagens de amor nuns corações de papel. Alguns amigos me retribuíram com outro cartão. Fiquei muito feliz, pois em época de Internet quase ninguém faz isso. Outros amigos tiraram foto do cartão que enviei e agradeceram de forma exposta. 
Aprendi com isso que não preciso ficar mostrando para o outro o quanto eu sou amada. Existem pessoas que preferem não gritar amor. Eu sou uma dessas pessoas. Prefiro tocar com gestos ou lembranças eternas. A troca de cartas e palavras precisam de intimidade, pois a vida real são abraços apertados e não apenas "selfs".

Obs: Hoje é o dia nacional do selo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!