Pular para o conteúdo principal

SescTV estreia “No se Mira Impunemente”, documentário inédito sobre o teatro ibero-americano contemporâneo



O filme vai ao ar no canal no dia 16/9, sábado, às 22h, e também será exibido no Sesc Santos, no dia 26/9, às 20h, com a presença do diretor Cristiano Burlan
Inspirado na obra No Se Mira Impunemente pela Ventana, do diretor teatral e artista plástico polonês Tadeusz Kantor, o documentário No se Mira Impunemente, dirigido pelo diretor de cinema e teatro Cristiano Burlan propõe um diálogo sobre o teatro ibero-americano contemporâneo. A produção foi gravada durante o Mirada - Festival Ibero-americano de Artes Cênicas de Santos, 2016, realizado no litoral paulista. Contendo trechos de espetáculos apresentados na quarta edição do festival, a atração conversa com artistas e profissionais ligados à área teatral sobre temas tratados nessas obras, como a violência e o rompimento das fronteiras entre o teatro, as artes plásticas, a dança, a literatura e o cinema. 
Realizado pelo SescTV, o documentário inédito estreia no canal, no dia 16/9, sábado, às 22h (assista também em sesctv.org.br/avivo), e será exibido no Sesc Santos, no dia 26/9, terça-feira, às 20h. A exibição no Sesc Santos é gratuita e conta com um bate-papo após o filme, com participação do diretor Cristiano Burlan e dos curadores da última edição do Mirada.
Violência, sexo e morte são temas abordados no documentário, através do trabalho da atriz e dramaturga espanhola Angélica Liddell e seu espetáculo Qué Hare Yo Con Esta Espada? Para a artista, a violência é um ato que ajuda as pessoas a reconhecerem suas próprias naturezas. “O que faço é transformar a violência real em violência poética”, articula. Já o sexo e a morte, segundo Liddell, foram as primeiras proibições aplicadas ao ser humano. “Implicam a lei e a violação da lei, e, para mim, é importantíssimo levar o teatro para o terreno mítico, de transgressão”, explica.
A política também é um tema que permeia algumas das montagens que fizeram parte da 4ª edição do festival, como a peça A Trajédia Lantino-Americana, do diretor e dramaturgo Felipe Hirsch, inspirada no cenário sociopolítico do continente. A atriz Júlia Lemmertz, que participa da peça, diz que viver já é um ato político. “A política está em tudo, principalmente na arte”, completa. 
O crítico de teatro Daniel Schenker questiona sobre a importância de se definir o que é teatro, cinema ou dança, já que, para ele, há um encontro das fronteiras dessas manifestações artísticas. “Essa intersecção é alguma coisa que acontece bastante nos espetáculos de hoje. Eu acho interessante essa contaminação”, revela. O trabalho de Hirsch é um exemplo dessa mistura de fronteiras da arte. “Todo meu outro background vem de tudo que eu vi em cinema. Na música também, mas muito mais no cinema”, conta o diretor.
O documentário também aborda o teatro artesanal, representado no festival pelo grupo Clows de Shakespeare. “Você usa garrafa pet cortada ao meio, com areia e um pedaço de pau com uma rosa. Eu acho que é um pouco a síntese do que é a linguagem desse espetáculo escrito há mais de 400 anos”, esclarece o ator Marco França, se referindo à montagem Sua Incelência, Ricardo III, do dramaturgo inglês William Shakespeare, dirigida por Gabriel Villela. A peça mistura elementos da cultura brasileira com da Inglaterra Elizabetana.  
A produção ainda traz depoimentos do filósofo brasileiro Vladimir Safatle, que comenta, entre outros assuntos, sobre a capacidade que a arte tem de construir e desconstruir suas formas.
Sobre o Mirada - Festival Ibero-americano de Artes Cênicas de Santos
Realizado pelo Sesc São Paulo desde 2010, o festival bienal tem como objetivo traçar um panorama das produções teatrais contemporâneas de países da América Latina, Portugal e Espanha. Ao trazer essas produções, o festival discute questões importantes sobre o fazer cênico e sobre identidades, abrindo espaços para o diálogo intercultural. Além disso, destaca a transformação da herança ibero-americana e sua hibridização no encontro com outras culturas. A cada edição, o festival homenageia um país e prioriza alguns temas. Na edição de 2016, a Espanha foi a nação que teve uma atenção especial, participando com oito espetáculos, e os temas foram a troca, o diálogo, o olhar da criação, do pensamento e do sentir. 


Serviço:

Documentário
No se Mira Impunemente
Direção: Cristiano Burlan

Estreia no SescTV
Dia: 16/9, sábado, às 22h
Reapresentações:
Classificação indicativa: 16 anos

Lançamento no Sesc Santos
Dia: 26/9, terça, às 20h

Produção: Belas Filmes Produções 
Realização: SescTV 
Duração: 56 min


Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...