Pular para o conteúdo principal

Pratique o perdão!

Fernanda Santiago Valente

Perdoem como o Senhor lhes perdoou (Cl. 3. 13)

Perdoar nos torna livres. Deus sempre nos perdoa, mas por que será que é tão difícil liberarmos perdão a alguém ou até a nós mesmos? A falta de perdão nos adoece, nos causa ira ou amargura. É um peso. Não é a pessoa que nos fez mal que a falta de perdão destrói, é a nós mesmos.
Hoje reconheço que demorei demais para perdoar uma pessoa que amei demais no passado. Ela traiu a minha confiança, sonhos e tudo aquilo o que eu sentia por ela. Demorou muito para eu arrancar a dor e parar de pensar em tudo aquilo, mesmo seguindo a vida através de outros caminhos. Tive que reconhecer também que eu também estava precisando perdoar Deus. Afinal, ninguém quer ser frustrado no roteiro da vida, não é mesmo?
Tive que me perdoar também. Não é fácil reconhecer e nem assumir isso. Só Deus tem o poder de ir no mais profundo da nossa alma e nos mostrar o que devemos fazer. Sem perdão bloqueamos as bênçãos de Deus nas nossas vidas.
Faz apenas três anos que me sinto curada em questão de perdoar a Deus, a pessoa que me trais e também a mim mesmo. Só que demorei demais para perceber que eu também deveria me perdoar: por ter culpado a Deus e pessoas ao meu redor por imprevistos e dores que aconteceram comigo. Aprendi que não estamos livres dos acontecimentos ruins, mesmo acreditando em Deus. O mais difícil de fazer e a atitude mais correta é esperar e confiar em Deus. É Deus quem nos ajuda a passar pela dor. É Ele também quem nos fortalece.  
Perdoar é parar de se lamentar pelas situações que deram errado, é aprender a lição e perceber que a dor já não existe. É entender que você não precisa se tornar o melhor amigo daquele que te traiu ou magoou, mas lembrar da pessoa sem amargura, ira ou ódio no coração. É desejar a ela o mesmo amor de Deus. Isso para mim é um milagre.
No nosso dia a dia dentro de todos os nossos relacionamentos teremos que perdoar situações pequenas ou grandes. As situações pequenas são aqueles desentendimentos ou picuinhas que acontecem entre amigos, colegas de trabalho, família... Agora as situações mais difíceis com certeza é uma traição, roubo, uma humilhação, um homicídio, e por aí vai. São lacunas que ficam no coração, feridas que demoram para fechar ou cicatrizar. É necessário cuidar muito bem do nosso coração. Precisamos ficar inteiros para Deus, para a vida, para nós mesmos e para os outros. Isso só acontece quando há perdão.
A falta de perdão nos rouba a vida, pois a amargura tem o poder de nos deixar doentes e paralisados. A vida daqueles que nos feriram segue e a nossa fica presa. Por isso, peça sempre forças a Deus para perdoar. Aceite o presente de hoje. Recupere a sua autoestima. Ame o amor de Deus. Também peça perdão. O primeiro a pedir perdão é sempre o mais feliz. Aceite! As pessoas que amamos não são perfeitas, são falhas.
Para quem você precisa pedir perdão? Quem você precisa perdoar?  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…