Pular para o conteúdo principal

Banda Èkó Afrobeat mistura sons africanos com diversos ritmos em dois programas inéditos

A big band brasileira participa de um documentário e um show, que o SescTV estreia no dia 12/11, domingo, a partir das 21h
Foto: Piu Dip

Com inspiração na obra do multi-instrumentista e compositor nigeriano Fela Kuti (1938 – 1997), a big band Èkó Afrobeat, formada por artistas diferentes regiões do País, mescla elementos da música africana com funk, jazz e principalmente MPB. A trajetória e sonoridade do grupo são comentadas por seus integrantes em documentário da série Passagem de Som, que o SescTV estreia no dia 12/11, domingo, às 21h. Na sequência, o show da banda é exibido na série Instrumental Sesc Brasil. Inéditas, as produções têm direção geral de Max Alvim e podem ser assistidas também pela internet em sesctv.org.br.  

No Passagem de Som, o guitarrista Igor Brasil esclarece que o afrobeat é um ritmo das grandes cidades, resultado de uma fusão entre a música africana, o funk e o jazz. “Fela Kuti, que morou em Londres e nos Estados Unidos, criou o gênero musical em 1963”, diz. Brasil lembra que o artista nigeriano nasceu em uma família de classe média alta, filho de um pastor e professor e de uma ativista política na Nigéria. “Tem muito sentido ele fazer suas composições como fez. A formação de Fela, tanto como músico e como conhecimento político, era bem forte”, explica. Além deste, a banda tem como principais referências o som do baterista Tony Allen, também nigeriano, e do guitarrista Ebo Taylor, de Gana. 
Criada em 2013 em São Paulo, a Èkó Afrobeat surgiu em 2009 como Clube de Bolso Afrobeat, um projeto paralelo da banda de black music instrumental Clube de Bolso, que flertava com o afrofunk. Em 2017, o grupo lançou seu primeiro disco, com o título Èkó Afrobeat, que traz cinco músicas instrumentais e cinco cantadas, e começou fazer shows e realizar tributos a artistas que influenciaram a carreira da big band
Na capital paulista, os músicos visitam o restaurante africano Biyou`z, onde conversam com a proprietária e camaronesa Melamito Biyouha. Ela fala sobre a culinária africana e sobre o makossa e o bikutsi, ritmos típicos de Camarões. No centro de dança afro Crisantempo, eles conhecem a bailarina, antropóloga e pesquisadora Luciane Ramos, que se dedica a um trabalho de doutorado sobre danças da região Oeste da África, pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Ramos, que utiliza percussão ao vivo em suas aulas, convida a Èkó Afrobeat a participar da atividade “Corpo em Diáspora”.  O Passagem de Som  também acompanha o ensaio do grupo para show da série Instrumental Sesc Brasil, que vai ao ar na sequência. No repertório, afrobeat mesclado à MPB e à experiência musical de cada integrante da big band
Músicos: Evandro Bezerra (trombone), Edmar Pereira (sax barítono), Mauricio Orsolini (teclados), Bruno Prado (percussão), Mauricio Base (percussão), Rodrigo Bento (sax tenor), Eduardo Marques (bateria), Paulo Kishimoto (baixo), Igor Brasil (guitarra) e Nataniel de Oliveira (trompete).
Repertório: Victory (Ebo Taylor), Sambou África (Sheila Sanches e Chico Santana), Kalakuti (Igor Brasil), Reyes (Igor Brasil), 10 de Abril (Igor Brasil) e Enemy (Igor Brasil e Bruna Prado).


  

Serviço:
Passagem de Som / Instrumental Sesc Brasil
Ékò Afrobeat
Estreia: 12/11, domingo, a partir das 21h
Reapresentações: 13/11, segunda, às 16h30; 14/11, terça, às 9h30; 15/11, quarta, às 11h; 16/11, quinta, às 13h; e 18/11, sábado, às 14h.
Classificação Indicativa: Livre
Direção Geral: Max Alvim
Produtora: Canal Independente
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vaginismo: O silêncio de muitas mulheres

Por Fernanda Santiago Valente
Medo. Dor. Relação sexual não consumada e frustrada. São os sintomas mais comuns das mulheres com vaginismo, uma contração vaginal que causa desconforto, dor e dificuldade em obter uma penetração sexual.
Elas não conseguem usar absorvente interno, a ginecologista tem dificuldade em examiná-las e até a introdução de um cotonete no canal da vagina pode causar desconforto insuportável. Elas são as vagínicas, mulheres que tem medo de sexo, dor e pânico ao transar. Para se livrarem do incomodo, buscam tratamento através de terapia psicológica e fisioterapia pélvica. A cura existe, porém, o assunto é pouco explorado até por profissionais da área médica. Muito se fala em sexo, prazer, orgasmo, mas numa roda de amigas, poucas são capazes de confessar que não conseguem consumar a relação sexual. Vagínicas, em geral, passam meses e anos só nas preliminares e muitas vezes o sentimento de vergonha as impede de buscar um tratamento especializado.
Rumo à cura!
O assunto…

Seis temas de atualidades que podem cair no Enem

Fique atento aos assuntos que você não pode deixar de saber para o Enem, de acordo com Daniel Pereira Leite, professor do Curso Poliedro
Estudar os principais acontecimentos do Brasil e do mundo é um ponto fundamental para alcançar uma boa nota na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que neste ano ocorre nos dias 4 e 11 de novembro. Questões que envolvem atualidades podem cair nas provas de Filosofia, Sociologia, História, Geografia, Ciências ou mesmo como tema de Redação, que tem um peso representativo na nota final dos candidatos. O professor de Atualidades do Curso Poliedro, Daniel Pereira Leite, aponta que para estudar atualidades os candidatos devem apostar em diversas fontes de informação, como matérias televisivas, sites, jornais e revistas. Além disso, devem estar atentos aos assuntos que envolvem questões sociais. “A tendência das provas que cobram assuntos atuais é verificar o quanto o estudante está informado diante dos acontecimentos mais comentados na mídia”, ind…

Dez Comportamentos que destroem os melhores casamentos

Por Fernanda Santiago
Casamentos que parecem não ter mais jeito, onde os cônjuges não se respeitam e até que abusam fisicamente um do outro são assuntos abordados no livro Castelo de Cartas, de Gary Chapman. Autor de outros livros como “As cinco linguagens do amor”, “Agora você está falando a minha linguagem“, “A essência das cinco linguagens do amor”, entre outros... Gary explica em Castelo de Cartas as experiências de casais que estavam com os seus casamentos totalmente destruídos pela falta de comunicação, falta de tempo e principalmente falta de respeito, mas que através de conselho e análise pastoral na vida de cada um, pode descobrir o problema e ajudá-los a serem felizes, e principalmente, restaurados pela mudança. O livro relata em todo o momento que devemos abandonar os mitos, aqueles que dizem que o ambiente determina o nosso estado mental. Um exemplo, será que eu não terei jeito se nasci num ambiente violento, ou o qual meus pais fumavam, me abusaram ou me rejeitaram? Ao cont…