Pular para o conteúdo principal

Banda Èkó Afrobeat mistura sons africanos com diversos ritmos em dois programas inéditos

A big band brasileira participa de um documentário e um show, que o SescTV estreia no dia 12/11, domingo, a partir das 21h
Foto: Piu Dip

Com inspiração na obra do multi-instrumentista e compositor nigeriano Fela Kuti (1938 – 1997), a big band Èkó Afrobeat, formada por artistas diferentes regiões do País, mescla elementos da música africana com funk, jazz e principalmente MPB. A trajetória e sonoridade do grupo são comentadas por seus integrantes em documentário da série Passagem de Som, que o SescTV estreia no dia 12/11, domingo, às 21h. Na sequência, o show da banda é exibido na série Instrumental Sesc Brasil. Inéditas, as produções têm direção geral de Max Alvim e podem ser assistidas também pela internet em sesctv.org.br.  

No Passagem de Som, o guitarrista Igor Brasil esclarece que o afrobeat é um ritmo das grandes cidades, resultado de uma fusão entre a música africana, o funk e o jazz. “Fela Kuti, que morou em Londres e nos Estados Unidos, criou o gênero musical em 1963”, diz. Brasil lembra que o artista nigeriano nasceu em uma família de classe média alta, filho de um pastor e professor e de uma ativista política na Nigéria. “Tem muito sentido ele fazer suas composições como fez. A formação de Fela, tanto como músico e como conhecimento político, era bem forte”, explica. Além deste, a banda tem como principais referências o som do baterista Tony Allen, também nigeriano, e do guitarrista Ebo Taylor, de Gana. 
Criada em 2013 em São Paulo, a Èkó Afrobeat surgiu em 2009 como Clube de Bolso Afrobeat, um projeto paralelo da banda de black music instrumental Clube de Bolso, que flertava com o afrofunk. Em 2017, o grupo lançou seu primeiro disco, com o título Èkó Afrobeat, que traz cinco músicas instrumentais e cinco cantadas, e começou fazer shows e realizar tributos a artistas que influenciaram a carreira da big band
Na capital paulista, os músicos visitam o restaurante africano Biyou`z, onde conversam com a proprietária e camaronesa Melamito Biyouha. Ela fala sobre a culinária africana e sobre o makossa e o bikutsi, ritmos típicos de Camarões. No centro de dança afro Crisantempo, eles conhecem a bailarina, antropóloga e pesquisadora Luciane Ramos, que se dedica a um trabalho de doutorado sobre danças da região Oeste da África, pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Ramos, que utiliza percussão ao vivo em suas aulas, convida a Èkó Afrobeat a participar da atividade “Corpo em Diáspora”.  O Passagem de Som  também acompanha o ensaio do grupo para show da série Instrumental Sesc Brasil, que vai ao ar na sequência. No repertório, afrobeat mesclado à MPB e à experiência musical de cada integrante da big band
Músicos: Evandro Bezerra (trombone), Edmar Pereira (sax barítono), Mauricio Orsolini (teclados), Bruno Prado (percussão), Mauricio Base (percussão), Rodrigo Bento (sax tenor), Eduardo Marques (bateria), Paulo Kishimoto (baixo), Igor Brasil (guitarra) e Nataniel de Oliveira (trompete).
Repertório: Victory (Ebo Taylor), Sambou África (Sheila Sanches e Chico Santana), Kalakuti (Igor Brasil), Reyes (Igor Brasil), 10 de Abril (Igor Brasil) e Enemy (Igor Brasil e Bruna Prado).


  

Serviço:
Passagem de Som / Instrumental Sesc Brasil
Ékò Afrobeat
Estreia: 12/11, domingo, a partir das 21h
Reapresentações: 13/11, segunda, às 16h30; 14/11, terça, às 9h30; 15/11, quarta, às 11h; 16/11, quinta, às 13h; e 18/11, sábado, às 14h.
Classificação Indicativa: Livre
Direção Geral: Max Alvim
Produtora: Canal Independente
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …