Pular para o conteúdo principal

Banda Èkó Afrobeat mistura sons africanos com diversos ritmos em dois programas inéditos

A big band brasileira participa de um documentário e um show, que o SescTV estreia no dia 12/11, domingo, a partir das 21h
Foto: Piu Dip

Com inspiração na obra do multi-instrumentista e compositor nigeriano Fela Kuti (1938 – 1997), a big band Èkó Afrobeat, formada por artistas diferentes regiões do País, mescla elementos da música africana com funk, jazz e principalmente MPB. A trajetória e sonoridade do grupo são comentadas por seus integrantes em documentário da série Passagem de Som, que o SescTV estreia no dia 12/11, domingo, às 21h. Na sequência, o show da banda é exibido na série Instrumental Sesc Brasil. Inéditas, as produções têm direção geral de Max Alvim e podem ser assistidas também pela internet em sesctv.org.br.  

No Passagem de Som, o guitarrista Igor Brasil esclarece que o afrobeat é um ritmo das grandes cidades, resultado de uma fusão entre a música africana, o funk e o jazz. “Fela Kuti, que morou em Londres e nos Estados Unidos, criou o gênero musical em 1963”, diz. Brasil lembra que o artista nigeriano nasceu em uma família de classe média alta, filho de um pastor e professor e de uma ativista política na Nigéria. “Tem muito sentido ele fazer suas composições como fez. A formação de Fela, tanto como músico e como conhecimento político, era bem forte”, explica. Além deste, a banda tem como principais referências o som do baterista Tony Allen, também nigeriano, e do guitarrista Ebo Taylor, de Gana. 
Criada em 2013 em São Paulo, a Èkó Afrobeat surgiu em 2009 como Clube de Bolso Afrobeat, um projeto paralelo da banda de black music instrumental Clube de Bolso, que flertava com o afrofunk. Em 2017, o grupo lançou seu primeiro disco, com o título Èkó Afrobeat, que traz cinco músicas instrumentais e cinco cantadas, e começou fazer shows e realizar tributos a artistas que influenciaram a carreira da big band
Na capital paulista, os músicos visitam o restaurante africano Biyou`z, onde conversam com a proprietária e camaronesa Melamito Biyouha. Ela fala sobre a culinária africana e sobre o makossa e o bikutsi, ritmos típicos de Camarões. No centro de dança afro Crisantempo, eles conhecem a bailarina, antropóloga e pesquisadora Luciane Ramos, que se dedica a um trabalho de doutorado sobre danças da região Oeste da África, pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Ramos, que utiliza percussão ao vivo em suas aulas, convida a Èkó Afrobeat a participar da atividade “Corpo em Diáspora”.  O Passagem de Som  também acompanha o ensaio do grupo para show da série Instrumental Sesc Brasil, que vai ao ar na sequência. No repertório, afrobeat mesclado à MPB e à experiência musical de cada integrante da big band
Músicos: Evandro Bezerra (trombone), Edmar Pereira (sax barítono), Mauricio Orsolini (teclados), Bruno Prado (percussão), Mauricio Base (percussão), Rodrigo Bento (sax tenor), Eduardo Marques (bateria), Paulo Kishimoto (baixo), Igor Brasil (guitarra) e Nataniel de Oliveira (trompete).
Repertório: Victory (Ebo Taylor), Sambou África (Sheila Sanches e Chico Santana), Kalakuti (Igor Brasil), Reyes (Igor Brasil), 10 de Abril (Igor Brasil) e Enemy (Igor Brasil e Bruna Prado).


  

Serviço:
Passagem de Som / Instrumental Sesc Brasil
Ékò Afrobeat
Estreia: 12/11, domingo, a partir das 21h
Reapresentações: 13/11, segunda, às 16h30; 14/11, terça, às 9h30; 15/11, quarta, às 11h; 16/11, quinta, às 13h; e 18/11, sábado, às 14h.
Classificação Indicativa: Livre
Direção Geral: Max Alvim
Produtora: Canal Independente
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seres Especiais

Por Luiz Augusto da Silva

Devemos sempre insistir na busca dos ideais. Perseverar sem cansaço, até às metas finais. Recorrermos aos meios, humanos e materiais. Confiantes no apoio, dos Seres Especiais. Sermos sempre otimistas, acreditando nas forças divinas. Fortalecidos pelo altruísmo, impulsos que reanimam. Felizmente neste mundo, os amigos aparecem. Aumentam as energias, que aos idealistas fortalecem. Agosto /2008 (Modificado)

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…