Pular para o conteúdo principal

Programação para o dia da consciência negra

As atrações vão ao ar no dia 20 de novembro
Foto: Mundano Produções e Divina Imagem  Produções.

No Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, o SescTV preparou uma programação especial com a temática negritude. São três documentários, três shows e um espetáculo de danças, que o canal apresenta a partir das 11h. (Assista também pela internet em sesctv.org.br/avivo).

Às 11h, o documentário Sotigui Kouyaté – Um Griot no Brasil - resultado da palestra Encontro com Sotigui Kouyaté e do workshop Práticas para uma Escuta, a Comunicação e a Sensibilidade, ocorridos em novembro de 2006, no Teatro Sesc Anchieta, em São Paulo -, mostra o ator e diretor africano, falecido em 2010, que fala sobre a memória de seu continente. O filme tem direção de Alexandre Handfest.

Às 12h, no show Homenagem a Wilson Simonal, os filhos Max de Castro e Simoninha interpretam composições que foram sucessos na carreira do pai, Wilson Simonal (1939 – 2000), como Sá Maria; Vesti Azul; Balanço na Zona Sul; Tributo a Martin Luther King; além de País Tropical, de Jorge Ben Jor. Com direção de Rodrigo Corelli, o programa que foi gravado ao vivo no Sesc Santo – SP.

Às 13h, o documentário Sete Dias em Burkina aborda a história e a cultura de Burkina Faso, país da África Ocidental, que abriga um dos festivais de música mais importante do continente, o NAK – Festival Noites Atípicas de Koudougou, cidade a 100km da capital Uagadugu. A produção tem direção de Carlinhos Antunes e Márcio Werneck.

Às 14h, é a vez do show do instrumentista e compositor etíope Mulatu Astatke, considerado o pai do ethio-jazz, gênero que mistura cool jazz com funk, ritmos caribenhos, árabes e indianos. Gravado no Sesc Vila Mariana, na capital paulista, o espetáculo tem direção para TV de Daniel Pereira.

Às 15h, o espetáculo Babilônia: Il Terzo Paradiso, dirigido e coreografado por Ismael Ivo, reflete sobre valores que já não existem mais em uma sociedade cada vez mais consumista, questionando as dificuldades de convivência e compartilhamento. A dança é exibida na série Dança Contemporânea, que tem direção de Antonio Carlos Rebesco.

Às 18h, o documentário Minha Avó Era Palhaço! conta a história da primeira palhaça negra do Brasil, a atriz Maria Eliza Alves dos Reis, que interpretava o palhaço Xamego, considerado a principal atração do Circo Guarany nas décadas de 1940 a 1960. O filme tem direção de Ana Minehina e Mariana Gabriel, neta de Xamego.

Às 19h, fechando a programação, show do cantor, tecladista, saxofonista e ativista nigeriano Femi Kuti - filho do criador do afrobeat, Fela Kuti (1938 – 1997) – apresenta repertório que mescla africanidade e música percussiva. O espetáculo foi gravado no projeto Batuque – Conexão África-Brasil, em dezembro de 2010, realizado pelo Sesc Santo André, na Grande São Paulo, com direção para TV de Daniel Pereira.



SERVIÇO:

Especial Consciência Negra
20 de novembro

Às 11h - documentário Sotigui Kouyaté – Um Griot no Brasil
Direção: Alexandre Handfest.
Classificação indicativa: Livre
Produção: Sesc SP

Às 12h - show Homenagem a Wilson Simonal, 
Direção para TV: Rodrigo Corelli
Classificação indicativa: Livre
Produção: Impacto TV

Às 13h - o documentário Sete Dias em Burkina 
Direção: Carlinhos Antunes e Márcio Werneck.
Classificação indicativa: Livre
Produção: Mundano Produções e Divina Imagem Produções

Às 14h - show Mulatu Astatke
Direção para TV: Daniel Pereira.
Classificação indicativa: 12 anos
Produção: Fuego Digital

Às 15h - Dança Contemporânea - Babilônia: Il Terzo Paradiso, de Ismael Ivo
Direção da série: Antonio Carlos Rebesco
Classificação indicativa: 12 anos
Produção: Pipoca Cine Vídeo

 Às 18h - documentário Minha Avó Era Palhaço! 
Direção: Ana Minehina e Mariana Gabriel
Classificação indicativa: Livre
Produção: Di Ôio Produções

Às 19h - show Femi Kuti
Direção para TV: Daniel Pereira
Classificação indicativa: Livre
Produção: Fuego Digital

 Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …