Pular para o conteúdo principal

Quem você influencia?

Fernanda Santiago Valente

Já reparou que de alguma maneira estamos o todo tempo influenciando alguma pessoa? Você está influenciando para o bem ou para o mal? Está contaminando ou contagiando? Acredito que a melhor forma de influenciar alguém é contagiando e não contaminando. Contaminar é deixar o outro confuso diante alguma situação ou sobre alguém. Por exemplo, não vá naquela igreja, as pessoas não são receptivas! Não vá naquele restaurante, eu fui e carne estava estragada, não faça aquele curso, é péssimo. Não faça questão daquela pessoa, é muito exigente.
Por outro lado, existem as pessoas que contagiam. São os professores que compartilham conhecimentos sem esconder nada, são amigos que logo percebem que estamos tristes, mas ao invés de nos derrubar mais ainda, nos levantam com uma palavra de vida. É receber a informação de que algum restaurante ou lugar é ruim e responder: vou tentar, a experiência deve ter sido ruim para você, mas pode ser muito boa para mim. Afinal, gosto não se discute não é mesmo?
Esta semana eu me senti muito feliz e lisonjeada com o comentário de uma professora para mim: ela disse que eu influencio, pois mostrou um dos meus trabalhos para alunas de outra faculdade. Certamente, eu não esperava, mas notei que enquanto estamos ali num cantinho, sendo excelentes em nossos propósitos, alguém sempre nos observa. Acredito que o primeiro a observar isso é Deus. Os outros começam a nos seguir também.
Em questão de influências, quero que as minhas sejam contagiosas na vida das pessoas que estão ao meu redor. Quero que os meus projetos de inclusão sejam utilizados. Quero deixar um legado frutífero e realmente fazer a diferença na vida dos outros. Precisamos tanto! Precisamos nos doar, ao invés de tomar o caminho dos outros. Eu só quero obedecer o meu Deus e seguir tudo aquilo que ELE tem me dado. As influências do Senhor são eternas.


Portanto, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões,
Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa.
Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.
Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,
Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.
Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;
Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.
Filipenses 2:1-11

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!