Pular para o conteúdo principal

Obra infantil da brasileira Zia Stuhaug levanta a importância da educação e incentivo à leitura nas crianças


A doce obra “A galinha Suruca da Dona Georgina” conta uma história apaixonante e educativa sobre uma galinha da Angola que decide fugir de casa porque não quer ir à escola.
Suruca chegou em um navio a vapor. Dona Georgina lhe deu casa, comida e muito amor. A galinha fez novos amigos e estava feliz com a nova vida, mas sua dona queria que ela estudasse e a matriculou na escola. Suruca não gosta nem um pouco disso e foge, mas problemas fazem parte de sua jornada. Será que ela conseguirá encontrar o caminho de volta para casa?
Com ilustrações coloridas e atrativas, os pequenos leitores têm a chance de se deliciar com uma trama divertida, e ao mesmo tempo aprender uma lição indispensável: a importância do estudo.
“Então, Dona Georgina comprou cadernos, lápis, apontador e um livro de aventura. Colocou tudo em uma mochila e, falando sem parar, entregou-a a Suruca. Dona Georgina não sabia ler nem escrever, mas fazia gosto que Suruca estudasse (p. 22)
Zia Stuhaug, autora renomada, usa uma linguagem simples, que conversa com os pequenos e tem rimas divertidas para compor a historia cativante de Suruca.
Com uma mensagem importante, o livro da brasileira mostra como os estudos afetam as vidas das pessoas. Além de mostrar que pode ser algo muito além de uma obrigação, a criança pode gostar e se divertir enquanto aprende. 

Ficha Técnica
Autora: Zia Stuhaug
Título: A galinha Suruca de Dona Georgina 
Editora: Mais Que Palavras
Páginas: 39
Preço: R$ 32,00

SOBRE A AUTORA: Zia Stuhaug é compositora, poetisa e escritora infantojuvenil bilíngue português/norueguês, com quatro livros infantis publicados no Brasil e Noruega. Nasceu em Engenheiro Beltrão (Paraná)  e, atualmente, vive com a família na Noruega. Graduou-se em Administração pela Universidade Estadual de Maringá, com especialização em Gestão de Pessoas pela Universidade Federal do Paraná. Teve várias participações em Antologias poéticas publicadas na Suíça, França,  Itália e Inglaterra. É proponente do Projeto de incentivo à leitura, Escola com Histórias, membro da A ALALS - Académie de Lettres et Arts Luso - Suisse, com sede em Genebra, na Suíça, e correspondente internacional da Unijore (União dos jornalistas e escritores de Maringá).

Fonte: Assessoria

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…