Pular para o conteúdo principal

Quando a Animação Se Junta à Arte do Dia dos Mortos

*Artigo escrito por Daniel Bydlowski e publicado no jornal A tarde

Já fizemos parte da vida de brinquedos, de super-heróis, de insetos, de monstros e de carros. Agora é a vez de nos depararmos com o Dia dos Mortos, uma celebração mexicana que cai como uma luva na tentativa dos estúdios Pixar de trazer histórias emocionais e divertidas que agradam qualquer um, de qualquer tamanho ou idade. E a produtora de animação acertou em cheio.
Utilizando atores mexicanos para a voz de seus personagens, alguns muito famosos como Gael García Bernal, Viva – A Vida É Uma Festa nos coloca em contato com uma sociedade não muito vista no cinema. Em uma vila mexicana, Miguel, um menino apaixonado por música, precisa confrontar sua família (que quer que o garoto trabalhe com sapatos) para seguir seu coração e se tornar um mariachi. Situações engraçadas aparecem desde o começo, quando também conhecemos Dante, um cachorro que não parece ser muito esperto, e quando vemos Miguel fazer de tudo para tocar seu violão.

Porém, o filme realmente começa quando o mundo dos mortos é revelado. Tentando pegar um violão emprestado de uma sepultura por acreditar que o dono, já morto, é seu familiar, Miguel é transportado para um dos ambientes mais bonitos criados pela Pixar. Porém, tem um problema: o jovem garoto descobre que quando os vivos se esquecem dos mortos, suas almas deixam de existir – nada poderia ser mais emocional do que esta premissa, e Viva – A Vida É Uma Festa não deixa a chance passar. Descobrindo seus familiares já falecidos neste mundo, Miguel se torna um ponto de contato entre os vivos e os mortos, dando a possibilidade para que problemas passados sejam redimidos e saudades aliviadas.

O Dia dos Mortos, Dia de los Muertos em espanhol, é um feriado mexicano tradicional. Embora séculos atrás era comemorado no começo do verão, mudou de data para coincidir com os feriados cristãos do Dia de Todos os Santos e Finados, respectivamente nos dias 1 e 2 de novembro. Embora alguns comparem esta comemoração com o Halloween (que tem características parecidas), as comemorações são bem diferentes, em especial nos dias de hoje. Se a maior parte das pessoas que comemoram o Halloween se vestem de monstros e brincam com a ideia do assustador, os que celebram o Dia dos Mortos homenageiam seus familiares já falecidos, e convidam suas almas para andar entre os vivos nestes dias. Assim, os vivos colocam as fotografias dos mortos em altares e oferecem suas comidas preferidas. Os altares também são enfeitados com flores malmequer, ou cravo de defunto, já que se acredita que podem atrair as almas dos amados para as estruturas.
Este dia, porém, não é celebrado tristemente. Pessoas se pintam de caveira, simbolizando a etapa seguinte da vida, e acendem velas em um belo espetáculo, com bebidas e até mesmo música. A celebração possui tantos elementos artísticos que é como se o enredo e a arte já estivessem prontos para serem utilizados por qualquer estúdio de cinema.
Mesmo assim, a Pixar dá um passo a mais e cria personagens cativantes e cenários surpreendentes que homenageiam esta celebração e a trazem para outras partes do mundo.




Daniel Bydlowski é cineasta brasileiro e artista de realidade virtual com Masters of Fine Arts pela University of Southern California e doutorando na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. É membro do Directors Guild of America. Trabalhou ao lado de grandes nomes da indústria cinematográfica como Mark Jonathan Harris e Marsha Kinder em projetos com temas sociais importantes. Seu filme NanoEden, primeiro longa em realidade virtual em 3D, estreia em breve.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vaginismo: O silêncio de muitas mulheres

Por Fernanda Santiago Valente
Medo. Dor. Relação sexual não consumada e frustrada. São os sintomas mais comuns das mulheres com vaginismo, uma contração vaginal que causa desconforto, dor e dificuldade em obter uma penetração sexual.
Elas não conseguem usar absorvente interno, a ginecologista tem dificuldade em examiná-las e até a introdução de um cotonete no canal da vagina pode causar desconforto insuportável. Elas são as vagínicas, mulheres que tem medo de sexo, dor e pânico ao transar. Para se livrarem do incomodo, buscam tratamento através de terapia psicológica e fisioterapia pélvica. A cura existe, porém, o assunto é pouco explorado até por profissionais da área médica. Muito se fala em sexo, prazer, orgasmo, mas numa roda de amigas, poucas são capazes de confessar que não conseguem consumar a relação sexual. Vagínicas, em geral, passam meses e anos só nas preliminares e muitas vezes o sentimento de vergonha as impede de buscar um tratamento especializado.
Rumo à cura!
O assunto…

Seis temas de atualidades que podem cair no Enem

Fique atento aos assuntos que você não pode deixar de saber para o Enem, de acordo com Daniel Pereira Leite, professor do Curso Poliedro
Estudar os principais acontecimentos do Brasil e do mundo é um ponto fundamental para alcançar uma boa nota na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que neste ano ocorre nos dias 4 e 11 de novembro. Questões que envolvem atualidades podem cair nas provas de Filosofia, Sociologia, História, Geografia, Ciências ou mesmo como tema de Redação, que tem um peso representativo na nota final dos candidatos. O professor de Atualidades do Curso Poliedro, Daniel Pereira Leite, aponta que para estudar atualidades os candidatos devem apostar em diversas fontes de informação, como matérias televisivas, sites, jornais e revistas. Além disso, devem estar atentos aos assuntos que envolvem questões sociais. “A tendência das provas que cobram assuntos atuais é verificar o quanto o estudante está informado diante dos acontecimentos mais comentados na mídia”, ind…

Dez Comportamentos que destroem os melhores casamentos

Por Fernanda Santiago
Casamentos que parecem não ter mais jeito, onde os cônjuges não se respeitam e até que abusam fisicamente um do outro são assuntos abordados no livro Castelo de Cartas, de Gary Chapman. Autor de outros livros como “As cinco linguagens do amor”, “Agora você está falando a minha linguagem“, “A essência das cinco linguagens do amor”, entre outros... Gary explica em Castelo de Cartas as experiências de casais que estavam com os seus casamentos totalmente destruídos pela falta de comunicação, falta de tempo e principalmente falta de respeito, mas que através de conselho e análise pastoral na vida de cada um, pode descobrir o problema e ajudá-los a serem felizes, e principalmente, restaurados pela mudança. O livro relata em todo o momento que devemos abandonar os mitos, aqueles que dizem que o ambiente determina o nosso estado mental. Um exemplo, será que eu não terei jeito se nasci num ambiente violento, ou o qual meus pais fumavam, me abusaram ou me rejeitaram? Ao cont…