Pular para o conteúdo principal

Os gatos são ótimos terapeutas para as crianças autistas

Por Helen Rosa

Olá, pessoal quero compartilhar com vocês uma forma de ver o autismo com os olhos deles. Porque ser diferente não é ruim, mas o estereótipo que vejo, isso sim é de fato ruim. 
Mas, vamos lá. O que é o Transtorno do Espectro Autista?  É considerado um distúrbio do comportamento e caracterizado por déficits na interação e comunicação social, restrita por uma variedade de interesses e por padrões de comportamentos repetitivos, estereotipados e maneirismos, ou melhor uma alteração provocada por diversos fatores tanto sendo biológicos, ou genéticos, que reflete nos comportamentos de socialização, interação e comunicação com outras pessoas. Essa dificuldade em interagir socialmente, as crianças ou adultos autistas demonstram através de algumas situações, por exemplo, colecionar cordões, lenços, pedras, bonecos. Além disso, os comportamentos são repetitivos, como fazer o mesmo movimento várias vezes. 

Na faculdade, minha professora falava que uma criança autista pegava um boneco e segurava como se fosse "um baby" e balançava para frente, e para e para trás por horas ou utilizava um lenço como forma de uma continuação do seu ser.
Como uma gata conseguiu ajudar uma menina autista a melhorar seus comportamentos? Vocês sabem, que eu amo animais, principalmente quando se fala de gatos. Eles são incríveis, existem pessoas que falam mal por serem falsos, mas eles são sinceros e vemos com olhos de julgamento. Eu sinceramente amo todos! Eu perdi recentemente uma gatinha, e doei outros dois. Ficando com três. Porque nem sempre dá para ter tudo. Mas, jamais tire nada de uma criança autista. Hoje, vejo que é melhor você ter um, ou dois animais bem cuidados que muitos e com pouca atenção. Sei que meus animais doados estão bem, mas voltando ao assunto central, vou contar a história de Iris. 
Iris Grace começou a pintar em 2013, incentivada por seus pais, Arabella e Peter-Jon Halmshaw, que inventaram sessões de arte para estimular a concentração e a fala, tentando seguir o currículo nacional de educação no Reino Unido. A ideia era proporcionar uma atividade que distraísse a filha e a ajudasse a tentar se comunicar, uma das ferramentas da chamada arteterapia. ( utilizada como uma ferramenta por muitos profissionais para ajudar pessoas com distúrbios e transtornos comportamentais e mentais). O que aconteceu pouco depois foi surpreendente. Pinturas extraordinárias para uma criança (e até um adulto comum) tomaram forma. Era o olhar da menina autista para os habitantes de seu mundo encantado, repleto de natureza e música clássica - Iris se acalma ouvindo música, ( a música também é uma estratégia muito interessante para ser usada, como já falei aqui no blog sobre Musicoterapia),  desde quando era um bebê, conhece todos os instrumentos de uma orquestra e adora o violino, em especial (ela já tem um).

Em fevereiro de 2014, um novo personagem passou a fazer parte da vida de Iris - e a mudá-la para sempre, aliviando seu isolamento. Thula, com pouco mais de 2 anos de idade, é uma gatinha da raça maine coon, (amo essa raça)!!! conhecida como inteligente, gentil e... bem, gigante! A raça chega a ficar com 1 metro de comprimento, até o fim do rabo. "Thula baixou a ansiedade de Iris e a mantém calma. Ao mesmo tempo, a encoraja a ser mais sociável", contou Arabella, uma fotógrafa que criou um site na internet para divulgar a história da filha. Depois da chegada da gatinha, a menina passou a pronunciar pequenas frases como: "Sente-se, gata!". Havia meses que a família procurava por um animal terapêutico. Tentou, em vão, cavalos, cachorros (Iris odiava ser lambida e a hiperatividade do cão a deixava muito nervosa) e até mesmo gatos, mas percebeu que ainda não tinha encontrado o companheiro certo até a pequena conhecer Thula.
A história de Iris tem sensibilizado muitas pessoas ao redor do mundo para a questão do autismo - e do quanto tratamentos adequados podem trazer evoluções e alegria para quem sofre da doença e para seus cuidadores. Algumas personalidades, como o ator americano Ashton Kutcher, 37, têm ajudado a divulgar o trabalho da pequena pintora. Em 23 de setembro de 2014, ele compartilhou uma foto de um quadro da inglesinha em seu perfil no Instagram, escrevendo na legenda "eu quero um desses". A mãe, Arabella, comentou, na época: "Estou certa de que esse post teve um enorme impacto para aumentar o conhecimento das pessoas. E, ao me deixar guiar pelos interesses de Iris, tenho sido capaz de envolvê-la em muitas coisas. Iniciamos também nosso próprio clube de atividades todos os sábados pela manhã, para apoiar crianças com autismo".

Em fevereiro de 2014, um novo personagem passou a fazer parte da vida de Iris - e a mudá-la para sempre, aliviando seu isolamento. Thula, com pouco mais de 2 anos de idade, é uma gatinha da raça maine coon, (amo essa raça), conhecida como inteligente, gentil e... bem gigante! A raça chega a ficar com 1 metro de comprimento, até o fim do rabo. "Thula baixou a ansiedade de Iris e a mantém calma. Ao mesmo tempo, a encoraja a ser mais sociável", contou Arabella, uma fotógrafa que criou um site na internet para divulgar a história da filha. Depois da chegada da gatinha, a menina passou a pronunciar pequenas frases como: "Sente-se, gata!". Havia meses que a família procurava por um animal terapêutico. Tentou, em vão, cavalos, cachorros (Iris odiava ser lambida e a hiperatividade do cão a deixava muito nervosa) e até mesmo gatos, mas percebeu que ainda não tinha encontrado o companheiro certo até a pequena conhecer Thula.
A história de Iris tem sensibilizado muitas pessoas ao redor do mundo para a questão do autismo - e do quanto tratamentos adequados podem trazer evoluções e alegria para quem sofre do transtorno e para seus cuidadores. Algumas personalidades, como o ator americano Ashton Kutcher, 37, têm ajudado a divulgar o trabalho da pequena pintora. Em 23 de setembro de 2014, ele compartilhou uma foto de um quadro da inglesinha em seu perfil no Instagram, escrevendo na legenda "eu quero um desses". A mãe, Arabella, comentou, na época: "Estou certa de que esse post teve um enorme impacto para aumentar o conhecimento das pessoas. E, ao me deixar guiar pelos interesses de Iris, tenho sido capaz de envolvê-la em muitas coisas. Iniciamos também nosso próprio clube de atividades todos os sábados pela manhã, para apoiar crianças com autismo".


Contato: Psicóloga Helen Rosa e-mail:  terapiaonline@helenrosa.com 
Fanpage:


imagens retiradas do site cat club, gazeta, e pesquisa e registro feito pelo site planeta sustentável e melinasouza.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!