Pular para o conteúdo principal

Ruth Rocha, escritora de literatura infantil completa hoje 87 anos!


Imagem: Divulgação

Ruth Rocha é uma querida escritora da literatura  infantil brasileira e em seus 87 anos apresenta um legado de mais de 200 títulos de livros infantis publicados. É uma das autoras infantis mais importantes do Brasil com mais de 40 milhões de livros vendidos em suas bodas de ouro na literatura infantil.  Em 2017 coroou sua trajetória com o prêmio "Personalidade Literária" pelo conjunto de sua obra e contribuição à formação de gerações de leitores, no Prêmio Jabuti. "O escritor é uma pessoa solitária e a gente fica feliz e agradece muito quando tem o reconhecimento de uma entidade tão importante como a CBL (Câmara Brasileira do Livro)”, afirmou a autora ao receber o prêmio.
Ruth é indispensável na estante de pais e de qualquer educador. Ela também já trabalhou na área da educação e é socióloga. Com isso, apresenta na sua literatura abordagens sobre como tratar o preconceito como o livro Romeu e Julieta. Outro clássico da autora que merece atenção é o Marcelo, marmelo, martelo, que questiona a curiosidade das crianças, a fase de questionar os porquês dos nomes das coisas. Este livro é excelente para o professor adaptar em suas lições.
Na ativa, Ruth Rocha acaba de lançar a edição reformulada da Coleção 5 sentidos, série escrita em parceria com Anna Flora e ilustrada por Adalberto Cornavaca que explora o olfato, audição, tato, paladar e visão. Como numa brincadeira de criança, as autoras explicam o funcionamento do nosso sistema sensorial e propõem atividades simples que aguçam e desenvolvem nossos sentidos.
 Editora Salamandra

Ao longo de sua caminhada, a autora conquistou uma legião de leitores e continua escrevendo para as novas gerações. Por isso, o aniversário de 87 anos de Ruth Rocha é um presente para todos aqueles que apreciam a literatura infantil e, acima tudo, sabem vivenciar a alegria da infância.

Confira o catálogo da autora na Editora Salamandra - http://www.salamandra.com.br

Confira neste link uma discussão da autora sobre a reinvenção de histórias infantis, pelo SESC TV: http://bit.ly/2F7V0H8

Comentários

Bom dia,prezada escritora.É muito raro tão nobres valores.Sucesso sempre!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…