Pular para o conteúdo principal

Viva – a vida é uma festa! Um resgate sobre a história dos nossos ancestrais

Por Fernanda Valente

Viva – a vida é uma festa é uma animação que conta a história da família de Miguel, um garotinho mexicano de 12 anos. O desenho é ideal para resgatar valores sobre os nossos ancestrais e ensina muito sobre o comportamento, afeto e relações familiares.
A trama é inspirada no feriado mexicano do Dia dos Mortos, um dia em que as famílias tem a tradição de homenagear os seus parentes que já morreram. São apresentados altares com fotos, doces e pratos prediletos e flores.
Toda a história gira em torno de Miguel que é apaixonado por música, só que a sua família não aceita qualquer ruído musical ao redor, pois após o seu tataravô abandonar sua família para seguir a carreira musical, as seguintes gerações baniram presenciar qualquer movimento musical a pedido da tataravó.
Só que Miguel é um menininho apaixonado por músicas. Como fazer a sua família aceitar isso? Miguel terá a missão de descobrir a origem dos seus ancestrais. E com muita poesia e música, a morte é contada sobre uma interpretação encantadora aos olhos de qualquer criança. Vale a pena assistir!


Nota: 10,0
2017, EUA
Direção: Lee Unkrich, Distribuição: Walt Disney Pictures, Música: Michael Giacchino, Roteiro: Adrean Molina, Mathew Aldrich, História: Lee Unkrich, Adrian Molina, Jason Katz, Mathew 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …