Pular para o conteúdo principal

Série documental inédita Palhaças do Mundo estreia no SescTV


A produção apresenta curtas-metragens que abordam o universo das mulheres palhaças, suas histórias e peculiaridades 

Andréa Macera. Foto: Nossa Produtora.

SescTV estreia a série documental Palhaças do Mundo, que aborda o universo das mulheres palhaças de diferentes países. Composta por 12 episódios – cada um com dois curtas-metragens e duração total de 20 minutos –, a série conta histórias de palhaças, seus personagens, inspirações, comicidade e individualidades. Os curtas têm direção de Manuela Castelo Branco, que também é palhaça, e foram gravados durante oFestival Palhaças do Mundo (antigo Encontro de Palhaças de Brasília), no Distrito Federal, realizado desde 2008, com o intuito de difundir a arte da palhaçaria sob o olhar feminino, e do qual a diretora é idealizadora. As produções começam a ser exibidas no dia 29/3, quinta-feira, a partir das 21h, com os curtas Lila Monti, com a palhaça da Argentina, e Andrea Macera, de São Paulo (assista também em sesctv.org.br/aovivo). 

No curta Lila Monti, a artista argentina revela que sua personagem, a palhaça Una, possui todas suas qualidades e defeitos. “Eu sinto que a Una sou eu. Sou eu quando eu era aquela menina selvagem, que não tinha medo”, comenta. Lila fala sobre a diferença entre palhaço e palhaça. Para ela, ambos buscam a mesma coisa: melhorar o mundo de uma forma inocente e provocadora, comunicando-se e trocando emoções com as pessoas. Porém, a artista acredita que a palhaça é mais adaptável e poética. Lila comenta ainda sobre o uso do nariz vermelho, que, segundo ela, está aliado a um forte desejo, é uma peça que tem o poder de esconder a timidez e a quietude de quem interpreta um palhaço. 

Já no episódio Andréa Macera, a palhaça diz que qualquer pessoa pode se identificar com a sua personagem Mafalda Mafalda. Para Andréa, Mafalda trata de temas ligados ao mundo da mulher, como alcoolismo, crimes e delegacia, mas que tendem a ser exclusivamente masculinos. “É um universo feminino mais trash, mais lado B, mas é feminino”, esclarece. Andréa revela ainda o preconceito sofrido pelas mulheres de sua profissão que, antes, era considerada basicamente masculina.

Além desses filmes, a série Palhaças do Mundo ainda exibirá sempre a partir das 21h, em abrilPepa Plana (Espanha) / Aline Moreno (SP), no dia12; Hilary Chaplain (EUA) / Cida Mendes (MG), no dia 19; e Eva Ribeiro (Portugal) / Manuela Castelo (DF), no dia 26; e em maioGabriela Muñoz (México) / Michele Silveira (SC), no dia 3; e Elke Maria Riedman (Austria) / Gena Leão (RN), no dia 10. 
  
Serviço:
 
Série: Palhaças do Mundo
 
Lila Monti (Argentina)
Classificação Indicativa: Livre
 
Andréa Macera (São Paulo)
Classificação Indicativa: 10 anos
 
Estreia: 29/3, quinta-feira, a partir das 21h
Direção:  Manuela Castela Branco
Duração total: 20’
Produção: Nossa Produtora
Reapresentações: 31/3, sábado, a partir das 20h; 1/4, domingo, a partir das 6h30 e das 13h30; 2/4, segunda-feira, a partir das 22h; 3/4, terça-feira, a partir das 15h30; e 4/4, quarta-feira, a partir das 6h30. 
 
Outros episódios:
 
Pepa Plana (Espanha) / Aline Moreno (SP)
Artistas que participaram do Festival de Palhaças do Mundo, realizado em Brasília, são temas de dois curtas. Pepa Plana, que apresenta a palhaça espanhola, que foi atriz durante 30 anos e já viajou pelo Norte, América do Sul, Europa e África; e Aline Moreno, que traz entrevista com a paulista que começou sua carreira de palhaça na Argentina, com o nome de Pinguína, e depois mudou-se para Barcelona, na Espanha, onde nasceu Donatella. 
12/4, quinta-feira, às 21h
Classificação indicativa: Livre
 
Hilary Chaplain (EUA) / Cida Mendes (MG)
O curta Hillary Chaplain entrevista a palhaça de Nova Iorque – EUA, que faz um espetáculo solo de palhaço e alguns pequenos números de comédia. O curta Cida Mendes traz conversa com a palhaça de Belo Horizonte, que já fez mais de cinco mil apresentações e, há seis anos, circula com o show Tecendo a Prosa. 
19/4, quinta-feira, às 21h
Classificação indicativa: Livre
 
Eva Ribeiro (Portugal) / Manuela Castelo (DF)
O curta Eva Ribeiro mostra conversa com a palhaça portuguesa, que já esteve com seu trabalho em diversos países, como Romênia, Itália, Estados Unidos, Brasil, Espanha, França, Bélgica e Holanda. Ela fala sobre carreira e o universo da palhaça. O curta Manuela Castelo apresenta a palhaça brasiliense, que trabalha há 12 anos no palco. Ela comenta sobre ser palhaça e da importância de sentir paixão pelo ofício.
26/4, quinta-feira, às 21h
Classificação indicativa: Livre
 
Gabriela Muñoz (México) / Michele Silveira (SC)
O curta Gabriela Munõz apresenta essa palhaça mexicana, que interpreta Greta Merengue, extrovertida, livre, potente e criativa. Viajou por países como EUA, Índia, Indonésia, Filipinas, Suécia, Espanha, Inglaterra, França e Geórgia etc. Gabriela interpreta a palhaça Greta Merengue e há dez anos se dedica a esse trabalho, sua personagem investe na palhaçaria do silêncio, uma palhaça muda. O filme Michelle Silveira, traz a interprete da palhaça Barrica, que fala sobre suas influências na palhaçaria como: Néris Colombaioni, Ana Elvira Wuo e mestres do clown, como o palhaço Xuxu e Biriba. 
3/5, quinta-feira, às 21h
Classificação indicativa: Livre
 
Elke Maria Riedman (Áustria) / Gena Leão (RN)
O curta Elke Maria Riedman apresenta a austríaca criadora da palhaça Brenda Feuerle, que faz um espetáculo solo. Em usa bagagem ela traz performances do teatro, ora usa o nariz para marcar a inocência, ora não. O filme Gena Leão mostra a história dessa atriz do Rio Grande do Norte, que nasceu Luzia Efigênia de Menezes. Ela faz um espetáculo em dupla com o Espaguete, seu marido, em sua bagagem fez o palhaço Ferrugem, foi homem e se auto afirmou palhaça mulher. 
10/5, quinta-feira, às 21h
Classificação indicativa: Livre
 
 
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv


Comentários

Luiz Augusto da Silva disse…
Fernanda, parabéns pela resenha sobre as mulheres palhacas. Enquanto lia a matéria, creio que por estarmos em sintonia pensei nesta poesia por analogia :
http://sonhareplanejar.blogspot.com.br/2018/02/terminou-folia.html
☆☆☆☆☆☆☆☆☆
Espero que goste da comparação.
Feliz tarde!
Beijos no coração. ♡

Postagens mais visitadas deste blog

Seres Especiais

Por Luiz Augusto da Silva

Devemos sempre insistir na busca dos ideais. Perseverar sem cansaço, até às metas finais. Recorrermos aos meios, humanos e materiais. Confiantes no apoio, dos Seres Especiais. Sermos sempre otimistas, acreditando nas forças divinas. Fortalecidos pelo altruísmo, impulsos que reanimam. Felizmente neste mundo, os amigos aparecem. Aumentam as energias, que aos idealistas fortalecem. Agosto /2008 (Modificado)

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…