Pular para o conteúdo principal

Rita - uma série para todo professor assistir

Por Fernanda Valente



Rita é uma série dinamarquesa disponível na Netflix em quatro temporadas. A primeira temporada é praticamente toda sobre a professora Rita, uma pessoa teimosa, desbocada, independente, mãe de três filhos. Todas suas atitudes são muitas vezes repreendidas, mas o que ela mostra é uma relação aberta a tudo. Ela ouve. Percebe os sentimentos dos outros, entre alunos e colegas de escola e coloca os pais sempre como responsáveis sobre a educação ou comportamento de algum aluno. Sua percepção e maneira de resolver conflitos é de dar inveja. 
A partir da segunda temporada o contexto escolar é visualizado de uma melhor perspectiva. Os brasileiros tem a mania de falar e escrever o tempo todo que temos que seguir o exemplo de educação da Dinamarca. Não foi o que vi como exemplo, pois a série mostra como funciona a educação das escolas públicas de lá. Na Dinamarca também há diferenças sociais, práticas de bullying, preconceitos e corrupção. 

A terceira temporada foi a que mais me chamou atenção pois fala sobre a inclusão de crianças e adolescentes que apresentam condições psicológicas prejudicadas seja no comportamento, através de algum transtorno ou até mesmo de não conseguir acompanhar a grade curricular e exames aos quais são preparados. Nota-se aí um choque. Muitos acham que isso é discutido só no Brasil. Uma das minhas percepções foi também a presença do uso de drogas, os personagens que representam essa discussão tem características latina, mostrando o tanto de preconceito que existe sobre a presença dos imigrantes no país. Em reuniões, muitos pais não concordam com a inclusão porque acham que atrapalha o desenvolvimento dos seus filhos completamente "normais". Não parece muito diferente do que acontece por aqui, não é mesmo? 
Eu amei a série por ter colocado todos esses assuntos em evidência e Rita é a personagem ideal para representar o papel, pois coloca em reflexão toda a mudança cultural e tecnológica a qual estamos inseridos, sem contar que ela representa a mulher que ninguém quer enxergar. Ela gosta de sexo e transa com quem quer. Propositalmente penso que é um tapa na cara dos homens que sempre fizeram esse papel: mandar nos instintos e conduzir. 

No entanto, assistir Rita é colocar o professor para refletir sobre a sociedade, o comportamento dos pais dos alunos, as origens, sobre a inclusão e a aceitação daqueles que não agem e se comportam como a gente, sobre o feminismo, o homossexualismo, o complexo de inferioridade e superioridade, o caráter. Nos colocando para pensar que não é só o Brasil que está passando por transições, mas sim o mundo. 
Eu não quis dar nenhum spoilers sobre os personagens pois toda a série é envolvente e trás questões sobre as mudanças de comportamento. Penso que a palavra respeito e transparência ficou bem clara para mim nessa série. Por isso, assista. Se possível, faça anotações e tente refletir sobre tudo o que você vive atualmente na sua escola, seja pública ou particular. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!