Pular para o conteúdo principal

Todo dia é dia do índio!

Fernanda Valente

Hoje é o dia que vemos todas as crianças fantasiadas de índio. É 19 de abril. O que muita gente não sabe é que a Lei 11.465/2008 inclui a cultura indígena no currículo escolar brasileiro. No entanto, fugir dos esteriótipos vale a pena. É interessante que professores coloquem em seus planejamentos importantes traços da cultura indígena e sua história, não é cantar a música da Xuxa. Veja alguns exemplos que podem ser trabalhados:
_Uma dança indígena com as crianças
_Organizar uma mesa com comidas típicas
_Buscar significados de palavras indígenas
_Contar histórias infantis sobre os índios
_Ouvir canções dos povos indígenas
_Pintar partes do corpo e descobrir o que alguns desenhos simbolizam
No Brasil existem pelo menos trinta grupos étnicos que expressam suas tradições culturais, entre eles os Kagwahíva, Erekibatsa, Tapirapé, Kamaiurá, Xavante, Waurá, Juruna, Kaingang, Kayapó, Tukano, Karajá, etc. São raros os povos que não mantém a tradição. 

Segue uma poesia para inspirar o dia:


Índio e Branco

Os índios dentro da Mata
São uma comunidade
Que com amor e respeito
Buscam prosperidade.

Caça; pesca; artenato
Agricultura de subsistência
Igualmente divididos
Garantem a sobrevivência

Lamento que tais conceitos
Às vezes sejam tolhidos
Pela ganância dos brancos
Massacrando os oprimidos

Nas regiões abandonadas
Com a seca assolar
Desde a esquadra de Cabral
Na Bahia ancorar

Luiz Augusto da Silva
publicação no livro Arco-Iris das Poesias, em Agosto /2008


Comentários

Minha Sintonia, bom dia!
Parabéns pela publicação.
Sou grato como sempre.
Beijos no coração ♡

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …