Pular para o conteúdo principal

Conheça alguns aplicativos de acessibilidade para as pessoas com deficiência


Fernanda Valente

A Comunicação através da era digital traz recursos de adaptação, que são conhecidas como as tecnologias assistivas, que são equipamentos, dispositivos, metodologias, práticas e serviços que promovem a funcionalidade e a participação da pessoa com deficiência na sociedade. Isso vai desde pessoas com a mobilidade reduzida até aquelas que são deficientes intelectuais. Visa trabalhar a autonomia e a inclusão das pessoas com deficiência.  O uso de smartphones e celulares facilitam a comunicação. Usar os recursos de aplicativos online que já existem é um excelente caminho a seguir e que cresce a cada dia. Segue alguns modelos já disponíveis:
Para as pessoas com deficiência visual, o aplicativo BlindToll, criado por Joseph Cohen, pesquisador da Universidade de Massachusetts, ajuda a reconhecer objetos. Ele está disponível gratuitamente no Google Play. Outro aplicativo gratuito é o Bemy yes, que ajuda a resolver alguns problemas como ler etiquetas de roupas, rótulos, ou contas. Outro aplicativo gratuito é o Color Id, que reconhece as cores.
Já para as pessoas com deficiência auditiva tem o sistema “Giulia, mãos que falam”, ele facilita a comunicação entre os surdos e as pessoas que não entendem nada de Libras. O sistema consegue identificar os sons do significado dos movimentos de quem está utilizando o aplicativo. Está disponível no Android e foi idealizado na Universidade Federal do Amazonas. Outro aplicativo que traduz os textos para a LIBRAS é o Hand Talk
Para as pessoas com deficiência física existe o aplicativo Guia de Rodas que identifica se um estabelecimento comercial possui acessibilidade ou não, evitando assim possíveis constrangimentos. O Aramuno é um aplicativo para as pessoas com dislexia, dificuldades de aprendizagem ou com deficiência visual. É um jogo que ajuda a pessoa a formar sílabas e isso estimula a aprendizagem. Também há para as pessoas com deficiências múltiplas softwares de detecção ao movimentar a cabeça, mouses e teclados adaptados e acionadores.
Não é só isso, existem outros aplicativos que podem ser utilizados de forma paga. A tendência é crescer o desenvolvimento desses aplicativos. Colocar todos esses mecanismos ao acesso de todos já está se tornando uma realidade e são materiais e recursos que podem muito bem ser adaptados também em escolas.


 Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao blog, defendendo causas inclusivas. Também é cristã e escreve devocionais bíblicas em suas páginas sociais. 




Comentários

Boa noite,minha sintonia.
Parabéns pela utilitária matéria.

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!