Pular para o conteúdo principal

Trabalhar é ir à luta!

Por Fernanda Valente

O dia 01 de Maio foi a data escolhida para homenagear todos aqueles que reivindicaram os seus direitos trabalhistas. A primeira manifestação ocorreu com a presença de 500 mil trabalhadores nas ruas de Chicago, dando início a uma greve geral em todos os Estados Unidos, em 1886. Com isso, a França fez uma manifestação anual em homenagem às lutas sindicais de Chicago. Esses fatos tornaram o dia 01 de maio, o dia mundial do trabalhador. 
Antes dessas manifestações ninguém exigia Direitos. Os trabalhadores clamaram por melhores condições de trabalhos, além de diminuição do período trabalhado. 
Hoje, no Brasil, ainda há pessoas que são manipuladas e servem à escravidão. Sem carteira assinada e sem benefícios que todo trabalhador merece. Vivemos um período que as pessoas não reivindicam mais os seus direitos devido ao medo e à competição. Aprendemos a aceitar o pouco. (Eu mesmo já vivi isso). Cada profissional tem que enxergar o seu próprio valor. Atualmente, temos a Reforma da Previdência, que muda a forma de garantias do trabalhador, deixando os grandes empresários (aqueles que são corruptos) ainda mais ricos. Quem é que vai conseguir negociar meios de produção com um patrão? É uma medida extremamente perigosa que diminui a concentração de renda do país e do trabalhador. Confira um pouco neste link. 
Não podemos deixar que a escravidão continue. Ela ainda existe. É só rodear o Braz de São Paulo e observar quantas costureiras bolivianas estão prestando serviços em condições indignas para grandes fábricas de roupas. É triste e está bem abaixo dos nossos olhos. Por que ignoramos? Outra situação semelhante são os produtores rurais. Empregos diretos ou indiretos? Em tempos de luta, está na hora do povo acordar e recuperar os seus Direitos. 

Deixo abaixo algumas poesias do nosso querido poeta Luiz Augusto da Silva: 


O Homem do Campo

O sertanejo deixa a cama
Ausenta-se da choupana
O orvalho sobre a grama
É o sinal: do trabalho que o chama.

Chapéu com abas largas
Roupas já bem surradas
São as vestes usadas
Durante as duras jornadas.

Com as mãos calejadas:
Pela foice! Pela enxada!
Ferramentas usadas.
Necessidades saciadas.

Cai a noite! Retorna à cabana.
Leva lenha às costas,
Para esquentar o jantar.
Feliz! Olhos a brilhar!

Descansa alegre! A cantarolar.
Pensa: amanhã... Antes de o sol raiar,
Valtarei a trabalhar! A tudo recomeçar:

Para com honradez; minha família sustentar.
No caminho murmura:
Deus que nunca nada me falte.
Para que os meus filhos: possa eu amparar!


Contraste Social 

Cidade é metrópole
Favela é comunidade
Convivem diariamente
Entre o bem e a maldade

Nas cidades existem
Luz, água e urbanidade
Nas favelas falta tudo
Vida com necessidade
Imagem: Luiz Augusto Júnior (Rio de Janeiro- contraste social)
A falta de empregos
Sempre a preocupar
Leva a juventude 
ao crime se integrar

A regra não é geral
Sempre há exceção
Há favelados honestos
E elitizados fora da corrupção

 Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao blog, defendendo causas inclusivas.

Luiz Augusto da Silva - É natural do Rio de Janeiro e atualmente, mora na cidade de Olimpia - SP. Seguiu sua carreira no Exército Brasileiro, na qual cumpriu todas as suas funções com excelência, honra e destaque. Aprecia muito a arte e gosta muito de ler e escrever poesias. É autor do livro "O arco íris das poesias", edição própria. Seu jeito de escrever é simples e seus versos são todos contemplativos, falando de Deus, humanidade e comportamento. São poesias sensíveis e reflexivas. O seu livro Arco-Íris das Poesias traz um lindo histórico da cidade de Olímpia, além de lindos poemas que retratam o folclore brasileiro. 

Comentários

Querida Fernanda,boa tarde!
Parabéns pela cultural e
detalhada publicação. Muito interessante é o constante do link incorporado à mesma.
Sou grato pelo carinho ilustrando-a com os meus poemas.
Deus lhe abençoe e inspire sempre!
Bjos ♡

Postagens mais visitadas deste blog

Seres Especiais

Por Luiz Augusto da Silva

Devemos sempre insistir na busca dos ideais. Perseverar sem cansaço, até às metas finais. Recorrermos aos meios, humanos e materiais. Confiantes no apoio, dos Seres Especiais. Sermos sempre otimistas, acreditando nas forças divinas. Fortalecidos pelo altruísmo, impulsos que reanimam. Felizmente neste mundo, os amigos aparecem. Aumentam as energias, que aos idealistas fortalecem. Agosto /2008 (Modificado)

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…