Pular para o conteúdo principal

Virada da Poesia: Casa das Rosas discute migração e celebra as diferenças culturais


Literatura, música e dança se unem para festejar as culturas paraguaia, árabe, boliviana, grega, portuguesa e brasileira. Não perca!

Para celebrar o diálogo entre a literatura e as outras artes, a Rede de Museus-Casas Literários organizou a 14ª edição da Virada da Poesia, que acontece durante a Virada Cultural, nos dias 19 e 20 de maio, na Casa das Rosas. Este ano, o tema do evento é Migração e a programação buscará evidenciar as influências dos movimentos migratórios modernos sobre a vida cultural da cidade de São Paulo. Todas as atividades são gratuitas e abertas ao público.

O sarau Migração & Loucura abrirá a programação no dia 19, sábado, das 18h às 20h, com o intuito de mostrar ao público, por meio de leituras, que a arte, sobretudo a poesia, é indispensável na busca de lugar e identidade próprios de cada um. Será traçado um paralelo entre a loucura e a migração, partindo da ideia que ambas as condições deslocam fronteiras previamente estabelecidas, seja no nível psíquico, social ou artístico. Basta chegar e gritar poesia!

Logo depois, das 20h às 22h, o grupo Santa Mala apresentará seu repertório de músicas combativas que falam do machismo na cena hip hop, dos direitos humanos e da imigração. Formado pelas irmãs Jenny, Pamela e Abigail Llanque, nascidas em La Paz (Bolívia) e imigradas para o Brasil, o grupo é conhecido por suas linhas melódicas hipnóticas e por um rap muito representativo.

Já no dia 20, domingo, das 10h às 12h, será contada a história da família de Laila, brasileira que tem quatro avós árabes. Cada um dos quatro nasceu em um lugar diferente: um veio do deserto, outro da cidade grande, uma era camponesa e a quarta morava junto de um grande rio. Laila e seus avós árabes: quatro histórias, quatro modos de vida contará como foi a vivência de cada um e o que a neta aprendeu com eles, mostrando que ser árabe significa muitos jeitos de pensar e de viver.

Das 12h às 14h, todos são convidados a conhecer o universo multifacetado do escritor Fernando Pessoa na atividade Pessoa em Mim. A proposta dos cantores Joana Reais e Leo Costa é aproximar o público, por meio da linguagem musical, da grandiosidade da obra de um dos maiores poetas portugueses do século 20. 

Fechando a programação, das 16h às 18h, o Grupo Folklorico Alma Guarani levará ao público a cultura paraguaia por meio da dança, música e poesia, revelando um Paraguai pouco conhecido. Os integrantes - crianças, jovens e adultos - apresentarão danças tradicionais e folclóricas ao som de “arpas y guitarras”, enquanto o professor Lucino Rodríguez Baroffi, ganhador do Festival del Takuare'e, dará voz à poesia e à literatura.

Confira a programação completa da 14ª edição da Virada da Poesia:

Sábado – 19/5
18h às 20h: Migração & Loucura
20h às 22h: Santa Mala
22h às 23h: Grupo Embatucadores

Domingo – 20/5
10h às 12h: Laila e seus avós árabes: quatro histórias, quatro modos de vida
12h às 14h: Pessoa em mim
14h às 16h: Grupo Apolo de Danças Gregas
16h às 18h: Grupo Folklorico Alma Guarani

Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura
Avenida Paulista, 37 – Paraíso – São Paulo (próximo à estação Brigadeiro do metrô)
Telefone: (11) 3285-6986 | 3288-9447
Funcionamento: de terça-feira a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos e feriados, das 10h às 18h
Convênio com o estacionamento Parkimetro: Alameda Santos, 74 (exceto domingos e feriados)


Comentários

Muito interessante. Compartilho...
[As artes unem e ultrapassam fronteiras.]

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…