Pular para o conteúdo principal

Editora do blog


Fernanda Santiago Valente

Sou Pós Graduada em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva pela UNIMONTE e graduada em Jornalismo pela Universidade Santa Cecília. Antes disso, estudei teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). Fui produtora e repórter de alguns programas de TV regionais da Baixada Santista, como Espaço Unisanta, da TV Santa Cecília, Tema Livre (produção própria), na VTV,  Show da Baixada, com Tonico Barbosa, na Tv Santa Cecília, Performance Brasil, na TVB e Almanaque TV, na Band Litoral. 
Sou Instrutora da Libras (Linguagem brasileira de sinais). Ministrei aulas de design gráfico para surdos. Também trabalhei na Memphis Produtora como editora de vídeos. 
Já lancei um site, o Livre Arbítrio, que ficou no ar no período de três anos, só com conteúdos relacionados ao mundo cristão. Eu fazia resenhas literárias cristãs. 
Meu projeto a partir desse blog é trazer conteúdos sobre planejamentos de educação e inclusão das crianças e pessoas com deficiência. O blog também traz dicas de leituras, filmes e séries que abordam deficiências, transtornos e inclusão. 
Todos os temas aplicados ao desenvolvimento e bem estar humano são tratados aqui: cultura, lazer, etnias, atividades, acessibilidade, educomunicação, terapias, etc. 

Sobre o meu lado pessoal, sou louca pelo meu esposo Fabian e meu filho Davi. Vivo por eles e pra eles. Tenho muito interesse por assuntos artísticos, de educação e psicologia. Gosto de conversar com Deus e fazer as minhas inspirações bíblicas. Oro escrevendo. Sempre posto alguma reflexão. Além disso, também amo servir na igreja que congrego, a C3 Church Santos.
Espero que gostem do blog! Sugestões são bem vindas!


Comentários

Anônimo disse…
Querida Fernanda aos poucos aprendo aceesar o seu lindo blog. Admiro muito a sua biografia. Parabéns! Deus lhe abençoe sempre! ��Beijos ��❤
Luiz Augusto da Silva
Lucy Pompeo disse…
Querida amiga Fernanda...quero te dizer que você é de um semblante muito simpático apesar de não te conhecer pessoalmente, aprendi te admirar através dos seus escritos percebo que és uma pessoa encantadora...Apanho um pouco para entrar no blogue...Mas te acompanho e gosto muito...fique com Deus é beijo no seu coração.

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …